Curitiba - Cidade Inteligente omaaTSV7TqtFqCdzuSPzD0JpBw0

APOIO

APOIO

FAÇA SUA INSCRIÇÃO

FAÇA SUA INSCRIÇÃO

LIDE Paraná realiza seminário sobre a reagonização do mercado infraestrutura no Brasil


O jornalista e economista Carlos Alberto Sardenberg e o presidente do Lide Paraná, Fabrício de Macedo

O mercado de infraestrutura no Brasil e a sua reorganização foi o tema do Seminário realizado na última quarta-feira (24) pelo LIDE Paraná no Castelo do Batel, em Curitiba. O evento recebeu o jornalista e economista Carlos Alberto Sardenberg, que apresentou as perspectivas econômicas e políticas do Brasil – traçando um paralelo entre os últimos governos federais e as medidas que culminaram no período de instabilidade econômica atual.

Além de Sardenberg, o seminário do LIDE Paraná contou com a presença do governador, Beto Richa; do presidente do LIDE Infraestrutura, Roberto Giannetti da Fonseca; do presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins; do sócio-fundador da VG&P Advogados, Fernando Vernalha Guimarães; do presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Antonio Espolador; e do diretor-presidente da Sanepar, Mounir Chaowiche.

Segundo o presidente do LIDE Infraestrutura, Roberto Giannetti da Fonseca, o transtorno vivido na economia brasileira no período de 2014 e 2015 gerou um clima de desconfiança entre consumidores e investidores. “Essa questão é subjetiva, mas é muito séria. Pois quando o consumidor não compra e o investidor não investe a economia desaba. Essa recessão tem uma característica muito perigosa, pois nós entramos em uma espiral recessiva: o consumidor para de comprar – por medo de desemprego; então a produção cai – pois não há demanda; quando a produção cai, é gerado o desemprego; o desemprego faz com que caia a renda; e quando cai a renda, volta-se ao início da queda do consumo e assim por diante”, explica Giannetti da Fonseca.

Para o economista, atualmente, há duas alternativas de retomar o crescimento econômico do Brasil. “Uma é a exportação, que por meio da demanda externa geraria renda. E a outra, maneira de fazer o País crescer, que é muito mais impactante na economia, é o investimento em infraestrutura”. Giannetti reforçou ainda que uma das oportunidades que justificam o investimento em infraestrutura é o déficit do País em infraestrutura, que se acumula durante anos com falta de regulação, de atração e de condições para que os investidores se sintam seguros em investir. “Portanto, o Brasil carece de poderosos investimentos nesse setor”, diz ele.

A importância do investimento em infraestrutura também foi ressaltado pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. “Para melhorar a eficiência da economia, obrigatoriamente passa pela infraestrutura. Para manter a infraestrutura existente, precisaríamos investir 3% do PIB anualmente – nós temos investido 1,8%. Se o Brasil quiser crescer na faixa dos 4% ao ano, teria que investir 5% do PIB. Se nós compararmos o 5% com o 1,8% que temos investido, isso dá 3,2% – que representa 2 milhões de empregos a mais que ajudariam e muito o Brasil a sair dessa crise atual, simplesmente investindo em infraestrutura”.

O advogado Fernando Vernalha Guimarães fez um mapeamento crítico de alguns problemas que estão impedindo o desenvolvimento de programas de infraestrutura, em relação à concessões e à Parcerias Público-Privadas (PPPs). “Eu vejo, atualmente, três problemas marcantes no segmento de concessões e PPPs: capacitação técnica das administrações públicas; segurança jurídica; e financiamento de projetos. Temos que superar esses problemas para poder desenvolver programas nesses segmentos”. E complementa: “não acho que as PPPs e as concessões resolverão todos os nossos problemas, mas sem dúvida serão uma ferramenta muito importante para a superação das falhas de logística e para o favorecimento do crescimento do País”.

O jornalista e economista Carlos Alberto Sardenberg traçou um panorama, durante o evento, das medidas e fatos que culminaram na atual crise econômica brasileira e apresentou as perspectivas do empresário industrial e do consumidor, em relação à economia, a partir desse momento. “Em ambos os índices – de confiança do empresário industrial e do consumidor – há a visão que o momento atual está ruim, mas com a expectativa positiva que isso vai passar e vai melhorar nos próximos seis meses”, avalia Sardenberg.

Segundo o jornalista, a saída para a atual crise é reestabelecer a lei de responsabilidade fiscal. “É fazer o que o governo já está fazendo, reforçando as rédeas que já existem, por isso que as expectativas melhoraram. E, ainda, o principal sinal a ser dado são as regras que vão determinar os ajustes duradouros das contas públicas. Se isso for feito o País volta a andar. Agora, se isso não for feito haverá uma quebra de confiança que ninguém vai querer investir aqui, será muito mais fácil investir em países como a Rússia, o Peru, a China ou o México, por exemplo”.


Tecnologia de elevadores ao alcance dos pequenos construtores


Segundo dados do Sinduscon-PR, obtidos a partir do banco de dados da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), de janeiro até maio deste ano 84 unidades de quatro pavimentos ou mais foram lançadas em Curitiba. São 98 a menos quando comparado ao mesmo intervalo de tempo em 2015. Os dados comprovam que, com o boom imobiliário, os pequenos e médios empreendimentos diminuíram devido à chegada do conceito dos grandes condomínios clube.

Porém, na visão do presidente da AsBEA-PR (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Paraná), Keiro Yamawaki, edificações menores tendem a voltar com força devido aos reajustes de mercado e redução dos lançamentos de grande porte. Alguns quesitos facilitam a inserção deste nicho no mercado, entre eles terrenos bem localizados que, por serem considerados pequenos, possibilitam a construção apenas de empreendimentos de médio e pequeno porte, porém muito bem projetados.

Visto que a construção civil é um dos principais segmentos a sentir o peso da retração da economia, Yamawaki acredita que, considerando a visão de um pequeno construtor, a saída está mais na união em grupos de pequenos e médios investidores para fazer empreendimentos de porte médio, do que em investidores individuais construindo pequenos empreendimentos. “Investir em construção de imóveis sempre é bom, porém tem que se planejar muito bem, contratando profissionais arquitetos e, em seguida, engenheiros para não errar em um grande investimento ‘furado’. Um imóvel mal construído, mal projetado, vai ficar para sempre lá, parado e desvalorizado”, alerta.

Para que os imóveis não sofram essa desvalorização, um dos pontos positivos do empreendimento e que agregam valor são os elevadores. Tão importantes, caracterizam-se como uma das soluções práticas e modernas de acessibilidade. E para os pequenos construtores, o equipamento se prova contrário ao senso comum de que este é um investimento caro e fora de cogitação na obra.

O presidente da AsBEA-PR lembra que, quando bem instalado, o elevador valoriza qualquer imóvel. Opinião semelhante é compartilhada pelo arquiteto Mauro Grande, que afirma que a presença de elevadores, para qualquer tipologia de empreendimentos, agrega muito valor comercial. “O transporte vertical bem resolvido é um item imprescindível para se conseguir um melhor resultado nas vendas, pois garante a comodidade e a segurança ao comprador e usuário do imóvel”, explica Grande.

No desenvolvimento de um projeto arquitetônico, o arquiteto espera do fornecedor de elevador que ele possa atender tanto na flexibilidade de dimensões, quanto nos padrões de acabamento. Para ele, a fidelização a um bom fornecedor está em se ter um bom canal de informações, o apoio durante a confecção do projeto e uma variedade de opções de acabamentos e de tecnologias aplicadas ao produto, oferecendo conforto e segurança ao usuário.

Atendendo às exigências de mercado, a Daiken Elevadores oferece a este nicho o elevador de passageiros EH01, focado principalmente nas construtoras de médio e pequeno porte. Com tecnologia própria, desenvolvimento e fabricação nacionais, é o melhor custo-benefício atual do mercado, pois leva menos tempo para a instalação, tem baixo custo de manutenção e o menor prazo de entrega, quando comparado aos outros fabricantes.

Indicado para edifícios com médio tráfego de pessoas, o diretor comercial da marca Daiken Elevadores, Fabrício Serbake, explica que um dos diferenciais do produto está no acionamento hidráulico. “Com esta tecnologia empregada, nosso elevador de passageiros reduz custos, principalmente com relação aos gastos com energia elétrica. Nosso elevador hidráulico usa energia, praticamente, só para a subida do elevador. Nas descidas, o gasto é mínimo, pois a movimentação se dá pela ação da gravidade”, finaliza.


Candidatos a prefeito de Curitiba apresentam propostas ao Conselho Político da ACP


O vice-presidente Sinval Lobato Machado, coordenador do Conselho Político da Associação Comercial do Paraná (ACP), confirmou a aceitação do convite formulado pela entidade a todos os candidatos à prefeitura municipal de Curitiba no pleito marcado para o dia 2 de outubro próximo, assim como deu publicidade ao roteiro de datas e horários estabelecido em comum acordo com os próprios candidatos e suas assessorias.

O objetivo dos encontros promovidos nos últimos anos pela ACP é permitir aos candidatos, a apresentação e debate de suas propostas de governo aos representantes do setor produtivo de comércio e serviços.

O roteiro terá início nesta terça-feira (30) com a participação dos candidatos Xênia Mello (17h), Tadeu Veneri (18h) e Ademar Pereira (19h). Na quinta-feira (1º de setembro) as apresentações estão a cargo dos candidatos Afonso Rangel (17h) e Maria Victória (18h).

Após uma pausa justificada por compromissos anteriormente assumidos pelos candidatos os encontros prosseguem no dia 14 (quarta) de setembro, às 16h com Requião Filho; no dia 15 (quinta) com Ney Leprevost (17h); no dia 19 (segunda) com Rafael Greca de Macedo (17h) e no encerramento da série, dia 21 (quarta), às 17h, com o prefeito Gustavo Fruet, candidato à reeleição.


Resource IT abre vagas para profissionais de TI em Curitiba


A Resource IT, uma das principais e mais bem-sucedidas empresas de serviços de TI, está com sete vagas abertas para profissionais de TI em seu escritório de Curitiba, localizado no centro da cidade. São duas vagas para Consultor SAP Desenvolvedor Pleno, uma para Coordenador de Projetos Pleno, uma para Analista de Sistemas Sênior, uma para Analista de Negócios Pleno e duas para Administrador de Dados Pleno.

“Estamos em busca de novos talentos para o nosso time. Nosso setor respira inovação, por isso, buscamos candidatos proativos, dinâmicos e flexíveis. Nossa política de desenvolvimento abre portas para que a carreira de nossos colaboradores evolua e o talento do profissional seja sempre reconhecido”, afirma Claudia Pedroso, Coordenadora de Recursos Humanos da Resource IT. Além da oportunidade de crescimento dentro de uma das maiores empresas de TI do Brasil, a Resource IT oferece todos os benefícios compatíveis com o mercado. Portadores de necessidades especiais também podem participar do processo de seleção.

Para todas as posições, é necessário que o profissional seja graduado em Ciências ou Engenharia da Computação ou que tenha ensino superior em algum curso relacionado à Tecnologia da Informação. Os cargos de Consultor SAP Desenvolvedor exigem conhecimentos em projetos ABAP (Advanced Business Application Programming) e o de Coordenador de Projetos pede experiência prévia em .Net, banco de dados SQL Server, ITIL e COBIT.

Para concorrer ao cargo de Analista de Sistemas, a Resource IT aponta como diferencial conhecimentos em .NET. Além disso, para essa posição é interessante possuir vivência em Certificação de Banco de Dados (70-461 e 70-462), Comportamento de ORM em Banco de Dados (Entity Framework/Linq), Práticas de DLM (Database Lifecycle Management), de NoSQL, Políticas de Hardening e Segurança. Noções de script CDL (GRANT/DENY/REVOKE) e atuação em ambiente AWS (EC2, S3, Redshift, RDS) são pré-requisitos.

Como diferenciais para a vaga de Analista de Negócios, a Resource IT indica como desejável pós-graduação na área de Exatas e experiência prévia em Certificação. Por fim, candidatos com sólidos conhecimentos de SQL e NoSQL, em Python ou Java, além de preparação de dados para análise quantitativa, criação de relatórios e representações gráficas dos resultados de análises, saem na frente para as duas vagas de Administrador de Dados Pleno. Os candidatos interessados devem cadastrar o currículo no site: http://www.resourceit.com/pt/vagas-ti/

Sobre a Resource IT

A Resource IT é uma das principais e mais bem-sucedidas empresas de serviços de TI. Com 25 anos de atuação no mercado, possui uma equipe de 3 mil profissionais altamente capacitados e aptos para atuar em projetos no País e no exterior, em especial na América Latina e Estados Unidos, por meio de uma moderna estrutura com 18 escritórios e Centro de Inovação no Vale do Silício (EUA).

A excelência de seus serviços faz com que a Resource seja amplamente reconhecida pelo mercado e por mais de 300 clientes ativos de diversos segmentos da indústria, com ofertas completas de Consultoria de TI, Soluções e Aplicativos Empresariais, Tecnologia e Serviços Gerenciados e Digital. A Resource IT utiliza as mais modernas tecnologias globais e possui dezenas de certificações técnicas, que comprovam seu diferencial competitivo e a qualidade de seu trabalho junto a clientes que desejam obter ganhos de produtividade e melhores desempenhos em suas operações com a ajuda da tecnologia. Para mais informações, visite o site www.resource.com.br.


Os primeiros sinais da virada de ciclo do mercado


Observa-se um início de inversão de tendência onde as quedas mais profundas já ocorreram no segundo semestre de 2015 e o primeiro trimestre de 2016. Embora a expectativa para o produto interno bruto (PIB) do segundo trimestre ainda seja negativo, há sinais de início de retomada para o segundo semestre. Basta ver os dados indicados pela pesquisa do IBGE sobre a retomada do varejo para a região Sudeste no mês de junho. São Paulo cresceu 1,7%; Minas Gerais, 1,4%; e Espírito Santo, 0,5%. Não será espetacular e nem de um dia para o outro, mas irá acontecer – e a região Sudeste, a principal do País, iniciará esse caminho.

O mais importante para o mercado como um todo, é que estamos no fim de um ciclo ruim, no entanto a velocidade para que esta retomada seja sentida no comércio varejista deve ainda ser lenta – reflexo de algumas incertezas com relação à aprovação dos ajustes fiscais no campo político/econômico, e que refletem diretamente na confiança para a retomada do investimento e, consequentemente, na geração de emprego. Os fundos de investimentos estrangeiros estão interessados no Brasil e aguardam apenas que a situação política fique mais estável para começar a dar os primeiros passos, ou a retomada dos mesmos.

Acredito que o último trimestre de 2016 apresentará recuperações mais consistentes no comércio, embora ainda pontuais. Vale ressaltar que setores que não são de primeira necessidade deverão ter um início de recuperação somente para 2017. Ainda este ano a previsão para o setor supermercadista é de apresentar uma ligeira recuperação, fruto da inflação de alimentos que ainda deve continuar em alta e, principalmente, pelo comportamento do consumidor que em cenários de retração econômica preservam os seus gastos com os itens de primeira necessidade.

Portanto a retomada ainda não ocorrerá de forma generalizada. Teremos dois extremos no mercado brasileiro nos próximos meses, um com os supermercadistas, com expectativas de ligeiro crescimento, um pouco mais acelerado e rápido que os demais; e no outro extremo os segmentos automobilístico, eletroeletrônicos, linha branca, material de construção, vestuário e calçados, que tem uma perspectiva de melhora e recuperação somente para 2017.

É preciso ânimo e estratégias eficazes para voltar a crescer. Aproveitar o otimismo do mercado consumidor requer experiência e sabedoria para retomar o desenvolvimento de uma empresa, independendo do segmento. Por isso, o empresário que ficar se lamentando pela crise, perderá a boa vontade da retomada. Que tal apostar no otimismo para os próximos meses?

Artigo de Luiz Melo, especialista em Gestão de Produtos & Supply-Chain e sócio-diretor da 360 Varejo


ICI implanta novo sistema para gestão de fornecedores


Sistema executa todas as etapas dos processos de compras do ICI

O ICI implantou neste mês de agosto o Fornecedor+, novo sistema para gestão de seus fornecedores. Por meio da ferramenta, o ICI executa todo o seu processo de compras e aquisições: desde o pedido de compra, até as cotações e monitoramento de entregas. Disponível em plataforma web, a solução é responsiva, o que significa que ela se adapta a qualquer dispositivo, como computadores de mesa, tablets e smartphones.

Segundo o gerente Administrativo do ICI, Sergio Luiz de Miranda, o Fornecedor+ traz mais facilidade e transparência aos usuários. “A disponibilização dessa ferramenta demonstra também a abertura de mercado do Instituto, que adquire desde clipes a servidores de alta capacidade”, complementa o gerente.

Hoje, o ICI conta com cerca de 2 mil fornecedores cadastrados no sistema. Em sua nova versão, o Fornecedor+ agrega funcionalidades que antes aconteciam em plataformas distintas. “Todo o processo de compra se dá em um único sistema”, diz a coordenadora de Compras do ICI, Gisele Prestes dos Santos. “Nós temos condições de monitorar os fornecedores, e estes têm controle sobre o atendimento prestado.”

Para Patricia Melo, vendedora da Fabesul, o novo sistema ficou “muito bom”. “É fácil de usar e agora podemos acompanhar todo o processo de compra”. A Fabesul fornece materiais de expediente ao ICI há cerca de 10 anos.

O sistema Fornecedor+ foi desenvolvido pelo ICI seguindo as melhores práticas de mercado. De acordo com o coordenador do projeto, Julio Cesar de Brito, a ferramenta web foi homologada nas versões mais recentes dos principais navegadores: Internet Explorer, Mozilla Firefox e Chrome. Além de unificar todo o processo de compras, a solução ainda tem integração com o sistema financeiro utilizado pelo Instituto. “Isso evita replicação de dados, trazendo mais segurança às operações”, diz o coordenador.


Debate sobre tributação no comércio eletrônico é tema de palestra durante evento em Curitiba


A apresentação a respeito da polêmica do “ICMS no comércio eletrônico” com foco na alteração das competências e aplicação de alíquotas do imposto nas operações interestaduais, estabelecida pela Emenda Constitucional (EC) 87/2015, será ministrada por Marcelo Viana Salomão, sócio e presidente do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia, durante a oitava edição do Congresso Internacional de Direito Tributário do Paraná, promovido pelo Instituto de Estudos Tributários e Relações Econômicas Internacionais (IETRE).

A nova regra, válida desde janeiro de 2016, tem por objetivo designar parte dos impostos ao estado destino da mercadoria e não apenas ao estado vendedor, o que gera uma mudança na tributação, cobrada por meio de uma alíquota interestadual e também pela diferença entre a alíquota interna do Estado de destino e a alíquota interestadual cobrada.

“Não duvido da boa intenção desta lei, mas as regras por ela impostas e seriamente agravadas pelos Convênios que lhe dizem respeito, trazem um série de questionamentos importantíssimos que precisam ser debatidos entre os próprios Estados e entre os Fiscos e Contribuintes. Aliás, o primeiro deles é que certamente a matéria em questão não pode ser regulada através de Convênio, pois a Constituição e a própria LC 24/75, não autorizam. Existem inconstitucionalidades que já estão sendo analisadas pelo STF, via ADINs, mas outras que ainda não e um debate como este que teremos no prestigioso VIII Congresso Internacional de Direito Tributário do Paraná, permitirá exatamente que se levante os pontos de conflitos com a Constituição para que juntos possamos pensar em soluções e quem sabe apresentá-las ao Congresso Nacional como sugestão para o texto de uma Lei Complementar”.

O Congresso reúne grandes juristas e representantes dos setores da iniciativa privada e pública para debater o tema central “Tributação, Financiamento do Estado e Garantias Constitucionais”. O evento ressalta a importância do bom gerenciamento tributário durante o atual período econômico.

Serviço: VIII Congresso Internacional de Direito Tributário do Paraná

Data: de 31 de agosto a 02 de setembro

Tema da palestra: “ICMS no comércio eletrônico: EC n. 87/2015 e a alteração da sistemática na base de cálculo do imposto sobre operações interestaduais. Inconstitucionalidades e perspectiva da ADI n. 5439/DF”

Data e Horário da palestra: dia 31/08, às 14h30


Copel registra lucro líquido de R$ 996,6 milhões no segundo trimestre


A Companhia Paranaense de Energia – Copel (BM&FBovespa: CPLE3, CPLE5, CPLE6 / NYSE: ELPVY, ELP / Latibex: XCOP), empresa que gera, transmite, distribui e comercializa energia, anunciou os resultados do segundo trimestre de 2016.

A Copel apresentou Lucro Líquido de R$ 996,6 milhões no 2T16, montante 230,0% superior aos R$ 302,0 milhões apurados no 2T15, e o LAJIDA atingiu R$ 1.542,1 milhões, aumento de 212,7% se comparado ao apresentado no 2T15, reflexo da remensuração dos ativos de transmissão relativos à RBSE, com efeito de R$ 977,8 milhões na receita operacional, e da reversão de R$ 211,4 milhões relativos a provisões para litígios. Esse resultado foi parcialmente compensado pelo não acionamento da UTE Araucária, pela retração de 1,9% no mercado cativo e de 2,2% no mercado fio da Copel Distribuição e por efeitos não recorrentes na Copel Distribuição.

A versão completa desse relatório está disponível no site da Companhia www.copel.com/ri


Estudante paranaense é primeira do Brasil a ser finalista global da Google Science Fair


Projeto da jovem Maria Vitória, de Londrina, no Paraná, concorre com estudantes de outros 8 países pelo principal prêmio da maior feira de ciências online do mundo

Uma jovem de Londrina, no Paraná, conquistou uma vaga na final global da edição 2016 da Google Science Fair. É a primeira vez que o Brasil será representado na última etapa da feira de ciências do Google. A estudante Maria Vitória Valoto (16) criou o projeto “Leite sem lactose para todos”, que concorrerá pelo grande prêmio com projetos de outros 8 países.

Os 16 projetos de 9 países (Brasil, Estados Unidos, África do Sul, Índia, Singapura, Zâmbia, Malásia, Bangladesh e Arábia Saudita) trazem ideias para melhorar o mundo por meio da ciência e engenharia. Os projetos dos outros finalistas vão desde um teste de bafômetro que pode prever o câncer de pulmão até um filtro de carbono para diminuir significamente o desperdício de isopor, esses

Conheça abaixo o projeto da estudante brasileira. Confira também os outros finalistas aqui.

Leite sem lactose para todos!

Maria Vitória Valoto, (16) – Brasil

De Londrina (PR), a jovem Maria Vitória Valoto, de 16 anos, queria resolver um problema de revirar o estômago: ao redor do mundo, boa parte das comunidades tem uma alta porcentagem de pessoas que não produzem a enzima necessária para digerir o leite de forma adequada. No Brasil, pelo menos 50 milhões de pessoas são afetadas. Comprar leite sem lactose e outras alternativas não lácteas como leite de soja ou amêndoa pode ser muito caro e difícil de muitas pessoas adquirirem regularmente, e enquanto os fabricantes de alimentos podem produzir produtos sem lactose com bastante facilidade, o produto final pode reduzir a qualidade e o valor nutritivo do leite. Maria então se propôs a criar uma cápsula acessível que qualquer um pode adicionar diretamente ao leite para neutralizar sua lactose, no conforto da sua própria casa. Após vários experimentos, ela produziu uma cápsula reutilizável que funciona a partir de temperaturas do refrigerador até 37 graus Celsius, e funciona igualmente bem em leites com baixo teor de gordura e leite integral. A cápsula da Maria Vitória pode ser reutilizada para neutralizar eficazmente as enzimas de lactose no leite por até sete dias, e custa apenas alguns centavos. Maria está animada para tornar sua solução para a remoção de lactose do leite facilmente acessível a qualquer pessoa.


Europe Enterprise Network apresenta oportunidades internacionais para empresas de tecnologia do Paraná


Empresários paranaenses podem ter boas oportunidades de fazer negócios internacionais com apoio da Europe Enterprise Network. A Assespro-Paraná reuniu associados e parceiros em sua nova sede, na Agência PUC, em Curitiba, para conhecer o trabalho dessa entidade que é apoiada, no Brasil, pelo Ibict – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia.