Representante do Google conhece inovações criadas no Worktiba Barigui

Foto> Divulgação

Foto> Divulgação

O gerente global para comunidades doconheceu, nesta quarta-feira (18/7), soluções inovadoras desenvolvidas pelo Vale do Pinhão, o movimento da Prefeitura e do Ecossistema de Inovação para transformar Curitiba na cidade mais inteligente do país.

Pela manhã, ele visitou o Worktiba Barigui, primeiro coworking público do país, acompanhado da presidente da Agência Curitiba, Cris Alessi. Atualmente, o espaço da Prefeitura conta com 28 startups e profissionais da economia criativa, que têm à disposição uma infraestrutura completa e gratuita para o desenvolvimento do negócio. “A cidade, realmente, busca apoiar seus empreendedores”, afirmou o gerente global da GBG.

Entre as inovações desenvolvidas no Worktiba Barigui, Marcus conheceu o TruckHelp, uma plataforma e aplicativo para smartphone que promete conectar com segurança caminhoneiros, prestadores de serviços para mecânica pesada e fornecedores de insumos para caminhões. Além disso, ele testou um simulador de caminhão, também desenvolvido pelos idealizadores do TruckHelp, que reproduz situações reais de um veículo pesado nas estradas.

Durante a tarde, no Engenho da Inovação, no Rebouças, Marcus participou de um encontro com membros do GBG de Curitiba e explicou como é o ecossistema de inovação de Singapura, país asiático onde ele atua.

O gerente global da GBG também esteve na HotMilk, a aceleradora da Agência PUC Inovação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), além visitar espaços públicos da cidade, como o Parque Tingui. “Realmente, estou impressionado com a qualidade de vida da capital do Paraná”, salientou Marcus.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Minhorta promove cultivo de alimentos saudáveis

Minhorta

Desde 2017, o Minhorta surgiu como uma startup curitibana que busca incentivar o cultivo de alimentos de maneira saudável e em qualquer lugar. Trata-se de um clube de assinatura em que as pessoas recebem mensalmente hortaliças e um kit completo com terra preparada, argila para dreno, borrifador, vitaminas, luvas e sementes selecionadas especialmente para cada estação do ano.

“A ideia surgiu durante um intercâmbio quando iniciei uma horta na varanda de um apartamento alugado no norte da Espanha”, comenta Matheus von Biveniczko Tomio, sócio-fundador do Minhorta.

Os planos são a partir de R$29,90 e podem ser avulso, semestral ou anual e sempre trazem mimos sustentáveis, ou seja, itens surpresa para estimular o cultivo. “Tem tudo o que a gente precisa para plantar nossas sementes e um informativo sobre a semente selecionada do mês, com as peculiaridades de cada uma. E ainda tenho apoio pelo e-mail, de um jeito muito eficiente” conta Daniele Figueiredo.

O Minhorta conta com chef’s parceiros que disponibilizam receitas com o resultado das colheitas. Segundo o sócio-fundador José Geraldo Noronha, “o projeto já nasceu com um olhar ampliado, focado realmente em cultivar experiências. Pensamos em agregar diversos produtos e serviços como automação em irrigação, um programa voltado para crianças com uma pegada educacional, além de espaço para cultivo de flores.”

Para participar basta acessar www.minhorta.com.

Empresa reduz em 95% o tempo de gestão de processos com Pipefy

A disputa pela eficiência entre empresas tornou o investimento em gestão de processos indispensável em setores de grandes corporações. A líder global em Tecnologia da Informação, Consultoria e Serviços de Processos de Negócios Wipro reduziu em 95% o tempo de criação e implementação de processos utilizando a plataforma em nuvem da Pipefy, startup de gerenciamento de processos eficientes.

A necessidade da empresa com 170 mil funcionários espalhados em mais de 60 países era de encontrar uma ferramenta de gestão com implementação rápida, acompanhamento preciso de métricas e estrutura escalável para melhorar sua produtividade geral. Com a adesão à plataforma da Pipefy, o time da Wipro pôde criar processos customizados rapidamente e ter maior facilidade na criação e reconfiguração de sistemas.

“Com o Pipefy, podemos ter o nosso próprio fluxo de trabalho ou adaptar um processo já existente conforme a atividade evolui. Não precisamos contratar terceiros para construir um workflow ou relatório, além de otimizar o tempo, já que a plataforma modelou um projeto em cerca de 15 minutos”, afirma Aditya Sengupta, responsável pela seleção e implementação da Equipe de Transformação da Wipro.

A Wipro conseguiu o resultado tão expressivo da redução de 95% do tempo de gerenciamento de seus projetos porque o Pipefy tem como propósito oferecer organização e estruturação de processos por meio de uma interface intuitiva, fácil de usar e com modelos específicos para cada departamento.

Fundada em 2015 pelo curitibano Alessio Alionço, a startup segue expandindo e já atua em 150 países, aproximadamente 77% de todo o mundo. A empresa se dedica a atender ao mercado global de gestão de processos de negócios, que vale mais de US$7 bi e deve chegar a 2024 valendo mais de US$ 23 bi, de acordo com a Grand View Research.

Projetada para facilitar o processo lento, caro e muitas vezes incômodo enfrentado por muitos gestores, a plataforma em nuvem da Pipefy está presente em 15 mil empresas, que vão de negócios como uma fábrica de bicicletas na República Tcheca até grandes companhias como Accenture, IBM Santander e Wipro. Uma vez implementado em uma empresa, a ferramenta é rapidamente adotada a uma taxa de crescimento de 10% ao mês.

Yes! Cosmetics inaugura primeiro quiosque de Curitiba

unnamed (640x427)

A Yes! Cosmetics acaba de inaugurar um quiosque no Shopping Estação, a primeira unidade da marca em Curitiba, que conta com mais de 600 produtos. Entre os itens estão maquiagem, perfumaria, hidratantes corporais, além de uma linha exclusiva assinada pela apresentadora Sabrina Sato. Os preços variam de R$ 19,90 até R$ 89,90.

A marca está em expansão no estado, por isso, o empresário Antônio Paulo Figueiredo Mendes resolveu apostar na franquia. “Escolhemos a Yes, pois é uma empresa que visa o bem-estar tanto do cliente como do franqueado, oferecendo produtos de ótima qualidade com preços acessíveis, além de que o ramo de cosmético é um dos que mais cresce no Brasil”, explica Antônio. Segundo o franqueado, o Shopping Estação foi escolhido pela localização que abrange um bom público, de diferentes idades e classes sociais.

A Yes! Cosmetics tem 60 unidades franqueadas nos estados de Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo, além das 30 operações próprias em funcionamento. Em 2018, o foco da expansão da marca são as regiões Sul e Sudeste.

O quiosque fica no piso L1 e funciona de segunda à sábado, das 10h às 22h, e, aos domingos e feriados, das 14h às 20h.

Aberta licitação para implantar o EstaR digital em Curitiba

 Foto:Pedro Ribas/SMCS

Foto:Pedro Ribas/SMCS

A Urbs (Urbanização de Curitiba S/A) lançou nesta quinta-feira (12/7) licitação para modernizar o Estacionamento Regulamentado na cidade (EstaR), que passará a ser digital. Nesta etapa será escolhida uma plataforma tecnológica responsável por gerenciar aplicativos de celulares, homologados pela URBS, para venda de créditos de EstaR aos motoristas.

Além do EstaR digital, a plataforma deverá oferecer outras funcionalidades como aplicativo para táxis e transporte público. “Será o fim do papel. Faz parte da estratégia do nosso Vale do Pinhão estimular a inovação e criar facilidades para os curitibanos”, comemora o prefeito Rafael Greca, em referência ao movimento da Prefeitura e do ecossistema da capital para transformar Curitiba na cidade mais inteligente do País.

No novo sistema a ser implantado deverão ser agregados três serviços aos cidadãos: aplicativo de venda de EstaR e aplicativos para a frota de táxi e aos ônibus da Rede Integrada de Transporte (RIT) com indicação de origem/destino ao passageiro.

Além desses serviços, a empresa vencedora deverá desenvolver ainda um aplicativo de fiscalização do EstaR para ser usado pelos agentes da Superintendência de Trânsito (Setran). A fiscalização e aplicação de multas por infrações permanece na competência da Setran e a Urbs segue responsável pelo gerenciamento dos serviços de venda de EstaR.

“Trata-se de uma modernização completa. Uma multiplataforma que agregará diferentes serviços de suporte à mobilidade urbana”, disse o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

Os aplicativos de venda EstaR deverão ser homologados pela Urbs. É através deles que os cidadãos passarão a comprar os créditos para as horas de estacionamento rotativo.

Aplicativos

Em vez dos cartões usuais, os motoristas passarão a adquirir os créditos por meio dos aplicativos homologados que serão disponibilizados gratuitamente para celulares. Entre as facilidades, os APPs deverão indicar a quantidade de créditos, o tempo restante de estacionamento pago e ainda produzir alarme para avisar que o período está terminando dando a oportunidade que o usuário faça a renovação à distância caso o tempo possa ser estendido.

Quem não possuir smartphone ou tenha dificuldade de acesso à internet terá a opção de comprar o crédito do EstaR eletrônico nos pontos de venda credenciados. O agente de trânsito, por sua vez, vai dispor de um sistema que informará se o veículo pagou pela hora de estacionamento na sua vaga, facilitando a fiscalização.

Como regra da concessão, a plataforma vencedora deverá oferecer, no mínimo, 75% do valor de venda dos créditos de EstaR para o município.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Dez startups de Curitiba estão entre as 100 mais inovadoras do Brasil

Mais de 1.500 relacionamentos estabelecidos entre startups e grandes empresas, quase o dobro comparado a 2017. Esses são os números apresentados pelo movimento 100 Open Startups, plataforma que conecta startups a grandes empresas, durante o anúncio do Ranking 100 Open Startups 2018, que ocorreu nesta quarta-feira (04), no CUBO, em São Paulo.

A lista é resultado de um processo anual que envolve especialistas do mercado, como aceleradoras, investidores e grandes empresas, e reconhece as startups que mais despertaram interesse em grandes instituições. Além das 100 startups mais atraentes na visão do mercado e prontas para investimento e das companhias mais engajadas no ecossistema de inovação brasileiro, o movimento também apresentou a lista de startups de destaque em 24 categorias.

Dez startups curitibanas aparecem nessa importante lista:

1. GoEpik

Indústria 4.0 – inteligência de processos. Criamos inteligência de processos que inova, conecta e transforma a gestão da organização.

2. Loox Studios

Precursora em conteúdo e tecnologia de realidade virtual e aumentada no Brasil.

3. Eruga

Desenvolvemos treinamentos operacionais e de segurança em um ambiente virtual e gamificado.

4. Pipefy

Pipefy empowers managers to quickly deploy, automate and connect any end-to-end workflow in a matter of hours without the need of IT.

5. Beenoculus

A Beenoculus Tecnologia é líder em soluções de realidade virtual, aumentada e mediada na América Latina atendendo o mercado com infraestrutura, produção e distribuição de conteúdo dessas novas mídias.

6. Vidya Techology

We develop and sell hardware and software to asset integrity and corrosion monitoring for complex industrial plants operation.

7. Ubivis

A Ubivis fornece serviços contínuos de digitalização industrial aderente ao padrão Industria 4.0 através de sistema pronto para uso via SaaS.

8. Send4

Conectamos os meios online e offline, fazendo com que o recebimento e devolução de compras online sejam simples, rápidos e práticos.

9. 33 Robotics

Logística Indoor robotizada – Transporte autônomo de cargas em locais fechados através de unidades robóticas.

10. O Polen

O Polen é uma estratégia de melhoria na experiência de compra do ecommerce que usa impacto social para diminuir o abandono de carrinho.

“Em 2018, 275 startups obtiveram pontuação para o ranking que mede o relacionamento delas com grande empresa, o que constata a consolidação deste mercado. Open Innovation já é uma realidade no Brasil e vem crescendo exponencialmente, o que é comprovado pelos números apresentados. Estamos extremamente satisfeitos em termos ajudado a fomentar no país um ambiente de colaboração que gera oportunidades reais de negócios inovadores. Há três anos, quando lançamos o primeiro Ranking era ousado pensar em encontrar 100 startups qualificadas para esse tipo de relacionamento”, comenta Bruno Rondani, fundador e CEO da 100 Open Startups.

Entre os setores que se destacaram estão: varejo, agricultura, construção, serviços financeiros, alimentação e para PMEs. Já entre as tendências de crescimento identificadas estão Marketplace, Big Data, Biotech, Visão Computacional, IoT, Realidade Virtual e Realidade Aumentada.

O evento contou ainda com a presença de uma das pesquisadoras em empreendedorismo mais influentes do mundo, professora Saras Sarasvathy, responsável por introduzir o conceito de Effectuation e que reconheceu o movimento 100 Open Startups como um case de validade global.

Números do Movimento em 2018

4.600 startups ativas

9000 executivos avaliadores

800 grandes empresas conectadas

32 mil avaliações registradas

Mais de 1.500 relacionamento estabelecidos entre 275 startups e 243 grandes empresas.

Veja o Ranking TOP 100 Open Startups.

CINQ Technologies promove meetup na Irlanda

Docker Donegal foto 14 (640x480)

A multinacional de Tecnologia da Informação, CINQ Technologies, promoveu no dia 21 de junho de 2018 (quinta-feira), em Letterkenny (Irlanda), um meetup técnico de coding dojo.

O meetup “Docker-Dojo, where ninjas are born” consistiu em uma sessão prática na qual interessados se encontraram, cada um com seu próprio laptop e com o objetivo de aprender e colaborar em conjunto. A equipe do Docker-Donegal elaborou uma sessão Dojo aonde ferramentas de DevOps foram exploradas por meio de uma aplicação Java que passou por todo o processo de Continuous Integration e Deployment até chegar a um entregável, em um ambiente Docker Swarm. O intuito era que os desenvolvedores aprendessem a construir, testar e implantar seu primeiro aplicativo em container. O evento contou com a palestra de Rômero Ricardo, Engenheiro de Software da CINQ Technologies, o qual está atualmente trabalhando com um aplicativo de grande escala e orquestração baseada em Docker.

Assim, segundo o mentor e palestrante da CINQ Technologies, Rômero Ricardo: “O evento foi um sucesso! A grande vantagem da utilização do Dojo é a inversão da forma de visualizar aprendizado: aprendemos na prática e os conceitos aos poucos vão emergindo! E isso é ótimo, pois abre espaço para que todos aprendam cada um em seu ritmo, mas sempre levando algo de positivo da dinâmica. Após o evento, os participantes já queriam saber quando seria o próximo, o feedback foi instantâneo. O evento teve um aspecto bem informal e orgânico, e eu acredito que esta seja a chave de um bom aprendizado, pois antes do evento houve um grande esforço de organização e planejamento para que o evento parecesse o mais natural possível.”

Para verificar os feedbacks do evento, visite: www.meetup.com/docker-donegal

Uninter promove maior feira de empregos e profissões do país e oferece mais de 3.500 vagas de trabalho

O Brasil tem quase 28 milhões de desempregados segundo pesquisa divulgada em maio deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somente no Paraná, estado com maior índice de desocupação da região Sul, há 495 mil pessoas sem emprego. Para contribuir com a mudança nesse cenário, o Centro Universitário Internacional Uninter promove a segunda edição da Feira de Empregos e Profissões, considerada atualmente, o maior evento do país no segmento com oferta de mais de 3.500 vagas de trabalho em apenas um dia.

O evento tem entrada gratuita e acontece no dia 21 de julho, das 9h às 19h, no Expo Renault Parque Barigui. Haverá oportunidade para todos os níveis de qualificação e idades, de aprendizes a cargos de mestres e doutores. Também serão ofertadas vagas para pessoas com deficiência, revendedores e profissionais que queiram trabalhar como autônomos e operacionais. Os salários vão de R$1.200,00 a R$12.000,00. Mais de 40 empresas de Recursos Humanos e outras grandes contratantes estarão presentes, realizando triagens e agendando entrevistas. A organização orienta que o interessado já leve vários currículos impressos.

“No ano passado contabilizamos mais de 67 mil atendimentos, passaram pela feira mais de 14 mil pessoas e preenchemos todas as vagas oferecidas. Certamente, muitos candidatos que deixaram seus currículos ainda estão colhendo os frutos dos contatos feitos no evento”, conta Jorge Bernardi, vice-reitor da Uninter e organizador da feira.

Quem estiver no local poderá participar dos talk-shows e palestras realizados durante todo o dia. Após cada bate-papo serão emitidos certificados de extensão e horas complementares.

As inscrições são gratuitas e realizadas no local.

Profissões

A Uninter é considerada o maior e melhor centro universitário do país, segundo o Enade/MEC, e há sete anos consecutivos é a mais lembrada no Prêmio Top Educação. Além disso, possui mais de 650 polos de EAD que levam educação de qualidade para todo o país. Somente em 2018 foram lançados 17 novos cursos, entre eles, três que são inéditos no Brasil: Tecnólogo em Investigação Profissional – Habilitação para Detetive Particular, Educador Social e Bacharelado em Psicopedagogia. Com essa feira, a instituição alia a oferta de empregos com oportunidades para quem quer iniciar ou voltar a estudar.

O público vai encontrar mais de 40 estandes de cursos de graduação, pós-graduação e mestrado, onde os professores estarão presentes explicando cada curso e tirando dúvidas dos futuros estudantes. Os materiais de apoio utilizados nas aulas e os kits de engenharia elétrica, jornalismo, investigador profissional e robótica estarão expostos no local.

Os interessados já poderão realizar o vestibular para mais de 99 cursos superiores, gratuitamente durante a feira, sem a obrigatoriedade de inscrição prévia. E quem fizer a matrícula na hora vai ganhar um curso de inglês on-line.

O Grupo Uninter desenvolveu um programa de orientação profissional para estudantes do ensino médio, o Link no Futuro. O serviço é totalmente gratuito e estará à disposição dos visitantes da feira: basta realizar inscrição no site www.linknofuturo.com e dar início ao teste.

Nesta edição, a Uninter conta com o apoio do Ministério do Trabalho, Governo do Estado Paraná, Fenascon, Sineepres e Sindeprestem-PR. Mais informações podem ser obtidas pelo site http://www.uninter.com/feira ou pelo 0800 702 0500.

2ª Feira de Empregos e Profissões Uninter

Data: 21 de julho, das 9h às 19h.

Local: Expo Renault Barigui, Rua Batista Ganz, 430, Santo Inácio, Curitiba (PR).

Inscrições: gratuitas e podem ser feitas na hora e local do evento.

Mais informações: http://www.uninter.com/feira ou 0800 702 0500

‘Uber do Ônibus’ chega a Curitiba

A partir desta semana, os moradores de Curitiba passam a contar com o serviço oferecido pelo aplicativo Buser, conhecido como ‘Uber do Ônibus’. A plataforma, criada em 2017, conecta passageiros com destinos em comum para fretar um ônibus e, com isso, economizar até 60% no valor do transporte.

Quem viajar entre a capital paranaense e São Paulo em ônibus leito, por exemplo, vai gastar em média R$79,90, valor 47% mais baixo se comparado às passagens rodoviárias com as mesmas acomodações.

A ideia, segundo o cofundador Marcelo Abritta, é fomentar o uso da tecnologia para o transporte compartilhado. “Queremos implantar no transporte rodoviário intermunicipal e interestadual a mesma liberdade de escolha que os aplicativos como o Uber trouxeram para a mobilidade urbana”, afirma Abritta.

Para viajar, basta se cadastrar pelo site ou aplicativo da Buser, juntar-se a um grupo de viagem já formado, ou criar o próprio grupo com o destino desejado. O frete é contratado totalmente online e o passageiro ainda pode escolher as opções de viagem em ônibus leito ou executivo.

Curitiba é a primeira cidade da região sul a receber o serviço. Nesta semana, o aplicativo também passa a atender passageiros das cidades de São José dos Campos/SP, Caraguatatuba/SP, São Sebastião-Ilhabela/SP, além do Distrito Federal. “A expansão é decorrência de novas parcerias com empresas de fretamento dessas regiões, o que nos permite oferecer a mesma qualidade de serviço seja qual for o local de partida ou chegada”, explica Abritta.

Atualmente, moradores de mais de 20 cidades podem se conectar para viajar por meio do aplicativo. Segundo a empresa, até o final do ano, outros municípios das regiões sudeste e centro-oeste passarão contar com o serviço.

Tecpar promove palestra sobre mineração de dados

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) promove nesta sexta-feira (29), em Curitiba, a palestra “Mineração de Dados”. O evento é gratuito e vai abordar definições, tarefas, aplicações e perspectivas da mineração de dados, com a participação da professora do Departamento de Ciência e Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Denise Fukumi Tsunoda.

O gerente do Setor de Informação e Vigilância Tecnológica do Tecpar, Rogério Oliveira, disse que a Mineração de Dados é o processo de buscar, em grandes volumes de dados, padrões significativos que permitam, por exemplo, realizar previsões e análises de correlações.

“A mineração de dados utiliza ferramentas especializadas para facilitar esta tarefa, sem as quais seria praticamente impossível minerar tais volumes. Para as empresas, a Mineração de Dados é fundamental no processo de inteligência para definição de estratégias comerciais e operacionais”, destaca.

A palestra vai apresentar as principais definições (KDD, DM), tarefas (associação, classificação e agrupamento), métodos (ID3, Apriori, K-Means e Redes Neurais Artificiais), aplicações práticas da mineração de dados, além de algumas ferramentas e perspectivas, principalmente por meio de computação bioinspirada.

O público-alvo do evento são os profissionais das áreas de Análise de Dados e demais profissionais ligados aos processos de inteligência das organizações.

Serão apresentados o novo curso de MBA em Gestão e Análise de Dados da UFPR e pesquisas que estão em andamento no Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação – Mestrado e Doutorado.

A palestra será das 14h às 16h30, no câmpus CIC do Tecpar, na Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775, na Cidade Industrial de Curitiba.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo link goo.gl/8NCpgV. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 3016-3054.

Palestra “Mineração de Dados”.

Data: 29 (sexta-feira).

Horário: 14h às 16h30.

Local: Câmpus CIC do Tecpar (Rua Algacyr Munhoz Mader, 3775 – Cidade Industrial de Curitiba).

Inscrições: Pelo link goo.gl/8NCpgV

Informações: Pelo telefone (41) 3016-3054.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Curitiba está entre as regiões metropolitanas com as melhores conexões WiFi públicas do Brasil

O aplicativo Instabridge, considerado a maior comunidade de compartilhamento de WiFi público no mundo, fez um levantamento entre as 1 milhão de pontos de internet móvel públicos no Brasil compartilhados por seus usuários para identificar as áreas metropolitanas com as melhores conexões de internet móvel disponíveis para acesso e utilização dos seus 11,5 milhões de usuários somente no Brasil – no mundo, o Instabridge soma mais de 19,5 milhões de downloads.

Entre as áreas metropolitanas mapeadas, Recife ocupa o primeiro lugar do ranking com 41,31% do total de redes disponíveis na região (20 mil) com maior probabilidade de conexão pelo usuário. A classificação do ranking Instabridge leva em consideração a estabilidade da internet, a quantidade de vezes em que o ponto WiFi foi utilizado desde seu compartilhamento por um usuário no aplicativo, atualizações recentes da conexão pela comunidade, entre outros fatores.

Em seguida, ainda entre as cinco primeiras posições estão Campinas (38.40%), Fortaleza (38.22%), Curitiba (38.08%) e Salvador (36.54%). Já as três maiores capitais brasileiras por população, São Paulo, Rio de Janeiro, e Brasília estão nas últimas colocações no top 10 de redes WiFi públicas do Instabridge com probabilidade de conexão e navegação pelo usuário: apenas 33.27%; 33.71%; e 34.03%; respectivamente, do total de pontos WiFi no aplicativo oferecem, de fato, uma boa conexão para o usuário. Em relação ao número de redes WiFi cadastradas no Instabridge, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte têm as áreas metropolitanas com a maior soma de pontos WiFi: 115 mil, 74 mil, 25 mil, respectivamente.

O Brasil é o quarto país com maior número absoluto de usuários de Internet, ficando atrás de Estados Unidos, Índia e China, segundo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) do ano passado. Entre os usuários da Internet com 10 anos ou mais de idade, 94,6% se conectaram via celular, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua 2016, especificamente para acesso a TV, celular e internet, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somado a isso, 94% usaram a internet para trocar mensagem (de texto, voz ou imagens).

“Os brasileiros estão usando a internet como uma forma de comunicação alternativa, por isso, a demanda por boas conexões também aumenta. Nossa missão não é apenas trazer internet para todos, mas também oferecer o acesso à internet de qualidade. A rede encurta distâncias, fortalece laços, facilita burocracias”, comenta Niklas Agevik, CEO na Instabridge.
Confira o ranking das dez áreas metropolitanas com maior probabilidade de conexão à internet via redes WiFi do Instabridge:

unnamed (93)

Saiba como localizar uma rede WiFi com melhor conexão:

No último trimestre do ano passado, a Instabridge alterou seus algoritmos para que os usuários pudessem se conectar ainda mais facilmente ao aplicativo e, consequentemente, às redes WiFi ali cadastradas. “Com esta melhoria, o número de usuários que se conectaram à internet com o Instabridge na sua primeira semana de uso aumentou cinco vezes. Essa melhoria se reflete também no dia-a-dia dos usuários. Se você não tem internet móvel e confia no WiFi para as mensagens do WhatsApp, por exemplo, você terá mais chances de receber mensagens ao caminhar pela cidade do que antes dessas mudanças, uma vez que há mais chances de se conectar às redes automaticamente à medida que você passa por elas”, diz Ben Summers, Backend Developer na Instabridge.
A Instabridge, startup sueca de tecnologia que desenvolve o aplicativo mobile de mesmo nome – disponível para iOS e Android –, tem investido continuamente para aprimorar a sua conectividade para que os usuários possam usufruir ao máximo de seus recursos. Um deles é o indicador de redes WiFi com melhor conexão – apenas na versão Android – aplicado em um raio de até 1.250 metros (ou 20 minutos de caminhada) em que o usuário se encontre. Após se conectar automaticamente ao aplicativo, o usuário tem acesso a uma lista com as redes adicionadas ao aplicativo categorizadas pelos sinais verde, amarela e vermelha, indicando da maior a menor probabilidade de conexão e navegação, respectivamente. Outro diferencial do Instabridge é que mesmo que o usuário não esteja conectado a nenhuma rede de internet, ele ainda assim pode acessar o mapa de redes WiFi próximas a ele que estão cadastradas no aplicativo por meio do Mapa Off-line e, assim, se conectar.

O Instabridge possui atualmente 2 milhões de pontos WiFi, sendo metade do total de redes compartilhadas por usuários do Instabridge (1 milhão) no Brasil. São Paulo (245 mil), Rio de Janeiro (105 mil), Minas Gerais (95 mil), Bahia (80 mil), Paraná (60 mil), Rio Grande do Sul (40 mil), Distrito Federal (15 mil) e Paraíba (23 mil) aparecem no ranking brasileiro com o maior número de pontos de WiFi cadastrados. Esse aumento do número de redes no País reflete um crescimento de 200% comparando o último trimestre de 2017 e 2016, período que somava 300 mil redes. O número de downloads somente no Brasil também cresceu: de 3,6 milhões de usuários no último trimestre de 2016 para 11,7 milhões no mesmo período do ano passado, o que representa um crescimento de 225%. No mundo, o Instabridge soma 19 milhões de usuários.

Enfraquecido, setor de TI de Curitiba precisa de novas lideranças

2018 marca o possível retorno, na prática, de programas de incentivo ao setor de Tecnologia da Informação de Curitiba. A Prefeitura já anunciou que vai reativar o Tecnoparque, que dá incentivos, entre eles, de redução de impostos, mas que não aceita novas adesões desde a gestão anterior. A Agência Curitiba estuda formas de facilitar a entrada de novas empresas no programa e também deseja ver novamente em ação o ISS Tecnológico, que facilita compra de equipamentos com incentivo fiscal, mas esbarra em burocracia contida na legislação atual e também na exigência de aumento de carga tributária para conceder benefícios.

O empresariado local foi chamado para contribuir, apresentar sugestões, mas não tem respondido a contento. Em recente evento da associação que representa o setor, não passou de duas dezenas o número de empresas que compareceram a um importante encontro com a direção da Agência Curitiba para tratar do assunto. Foi um evento fechado, apenas par associados, que também tentou manter a imprensa à distância. Tal encontro, enfraquecido pelo número de representantes, mostrou baixa representatividade do setor de TI na capital. Este mesmo setor, anos atrás, já mostrou muita força ao ampliar os benefícios do Tecnoparque para toda a cidade e reuniu centenas de empresários para oficializar a conquista.

Com uma liderança forte e engajada e comunicação eficiente, na época, o grupo do APL de Software de Curitiba, que representa a TI da capital também criou uma Central de Negócios e até uma S/A para desenvolver projetos, compartilhar conhecimento e vender produtos e soluções em conjunto. Mas a liderança atual, que não tem poder de influência entre empresários e políticos, sofre para encher uma sala de reunião ou um auditório e perde espaço, na preferência das autoridades, para startups que têm crescido exponencialmente, gerando milhares de novos empregos, Volta, TI de Curitiba!

Grupo Bitcoin Banco lança plataforma para auxiliar Justiça em investigações que envolvem criptomoedas

unnamed

O Grupo Bitcoin Banco anunciou a criação de uma plataforma que permite que juízes possam consultar dados relacionados a investidores de criptomoedas que respondam a processos judiciais. Com a plataforma BitScoreCoin, apenas as autoridades com um mandado judicial podem consultar rapidamente se os réus possuem contas nas exchanges NegocieCoins e Zater, pertencentes ao grupo.

A plataforma já está pronta e será apresentada nos próximos dias ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O objetivo é que a instituição homologue a ferramenta e firme um Termo de Cooperação Técnica nos moldes do convênio existente com o Banco Central (Bacenjud) e Departamento Nacional de Trânsito (Renajud). Com estes sistemas, os magistrados brasileiros consultam os saldos em contas bancárias e veículos dos réus. A ideia é que o CNJ possa realizar o mesmo entendimento com as criptomoedas, sem que haja qualquer violação à privacidade dos dados dos usuários.

“Esse é um esforço do Grupo Bitcoin Banco para colaborar com a Justiça brasileira. De um lado, considero um ato de responsabilidade social, afinal uma organização privada está entregando sua base de dados para consulta pelo Poder Judiciário. Por outro lado, entendo que quanto mais abertura tivermos nesse cenário, mais respeito e credibilidade terá essa atividade econômica, favorecendo a circulação da moeda digital”, afirma o diretor jurídico do Grupo Bitcoin Banco, Ismair Júnior Couto.

A plataforma, inédita no mercado de criptomoedas, busca aumentar a transparência e a credibilidade da atividade ao colaborar para a solução de crimes diversos. “Essa é uma necessidade para a justiça e é algo que o mercado de criptomoedas já pede. Nosso objetivo é expulsar os criminosos que estão no mercado financeiro digital, mas sem que haja uma centralização no mercado de criptomoedas nem qualquer violação de privacidade dos dados dos investidores”, explica o presidente do Grupo Bitcoin Banco, Claudio Oliveira.

Atualmente, os diversos órgãos de Justiça expedem ofícios às exchanges pedindo a consulta a CNPJ ou CPF vinculados a processo judicial. Com isso, os magistrados esperam que as exchanges realizem a pesquisa e o bloqueio dos saldos presentes nas eventuais contas dos réus. Processos judiciais envolvendo grandes operações, como a Lava Jato, já demandaram esse tipo de procedimento. Com a plataforma BitScoreCoin, o acesso a essas informações será simplificado e a consulta das criptomoedas pode ser executada pelo próprio julgador.

“Isso já é um material público porque está na blockchain, qualquer um pode consultar. O problema é que não está agrupado em uma ferramenta só. As consultas são feitas aleatoriamente e as ligações entre as transações exigem um conhecimento aprofundado de navegação dentro da blockchain. Com essa ferramenta, a autoridade não precisa se preocupar com isso. O próprio sistema vai fazer todas as pesquisas”, afirma Oliveira.

A plataforma atualmente permite, a partir do CPF e data de nascimento da pessoa, consultar se o réu possui uma conta em alguma das exchanges do grupo ou no próprio Bitcoin Banco. Uma segunda fase de implantação, que ainda está em testes, oferece inteligência artificial e algoritmos especiais que possibilitarão o acompanhamento da carteira do cliente. Ao clicar na chave pública, a autoridade poderá acessar a blockchain e o sistema exibirá todas as transações financeiras e contatos realizados. Assim, o julgador poderá fazer a análise e pedir ou não o bloqueio das contas.

“À medida do tempo, vamos aperfeiçoar e exibir uma análise do movimento dando valores anteriores e valores do momento atual para que a pessoa veja exatamente quais são as quantias movimentadas”, afirma Oliveira, ressaltando que no futuro também será disponibilizada uma API (conjunto de rotinas e padrões de programação) para que outras exchanges se conectem à plataforma.

O sistema, desenvolvido em 90 dias, envolveu a participação de 15 pessoas dos departamentos de compliance e tecnologia do grupo, incluindo representantes da Zater Tecnologia, braço de criação e desenvolvimento de plataformas tecnológicas da nova exchange do grupo, a Zater Capital.

Confira mais informações no site: http://www.bitscorecoin.com/

ACOM Sistemas melhora desempenho em cinco vezes com solução de cloud da Winov

Com foco na satisfação dos clientes, a ACOM Sistemas passou a disponibilizar o sistema EVEREST Gestão Empresarial em uma infraestrutura hiperconvergente de data center virtual fornecida pela empresa Winov.

O novo ambiente, resiliente, não fica off-line e garante processamento cinco vezes mais rápido que uma solução de cloud comum. Isso possibilita extração de relatórios, integração contábil e conciliação financeira que, geralmente, envolvem milhares de informações, de maneira muito mais eficiente.

O desempenho superior permite que a ACOM Sistemas entregue mais qualidade com preços mais atrativos em um modelo SaaS, de software como serviço. Os clientes não precisam mais gastar com infraestrutura própria de tecnologia da informação para usar o EVEREST.

“Nosso sistema roda no que há de melhor em soluções de cloud computing. Contamos com equipamentos de missão crítica hiperconvergente com tecnologia Nutanix, que garantem alta performance. Podemos multiplicar o número de clientes sem aumentar o investimento.”, explica Eduardo Ferreira, Diretor Operacional da ACOM Sistemas.

Raul Cesar Costa, Chief Product Officer da Winov, ressalta que também há um grande ganho em segurança: rígidos protocolos garantem total confiabilidade e alta disponibilidade de telecom, com IP próprio, que recupera dados instantaneamente quando, por exemplo, é mudada a rede em que se trafega.

“Outra facilidade está no atendimento. Nossos clientes podem, literalmente, bater na nossa porta, a qualquer momento, em busca de suporte. Para a equipe da ACOM, que fica a poucos metros da Winov, na cidade de Curitiba, a comodidade é ainda maior”, comenta Raul.

Eduardo Ferreira acrescenta que a ACOM Sistemas busca inovação contínua para que possa melhorar o desempenho dos clientes com uso de tecnologia e adianta: “já estamos estudando o que mais pode ser oferecido de benefícios além do ERP na nuvem”. Mais uma vantagem para a ACOM Sistemas foi a de se tornar, também, provedora de nuvem ao participar de um programa de canais oferecido pela Winov.

eSocial: a menos de um mês do fim do prazo, empresas ainda encontram dificuldade para se adaptar

imagem_release_1323848 (640x405)

Quando o governo federal anunciou, em 2014, que mudaria a forma da prestação de contas de informações fiscais, trabalhistas e previdenciárias, algumas empresas celebraram. Outras ficaram confusas sobre a novidade que demandaria que vários processos não só fossem automatizados, mas também passassem a ser realizados conforme a legislação vigente. Com o eSocial não haveria mais desculpas: erros e envio de dados fora do prazo estabelecido seriam passíveis de multa, com a facilidade de autuação dos órgãos fiscalizadores.

Após algumas postergações, a implantação final do eSocial foi marcada para o início de 2018, contemplando cinco fases para as empresas com faturamento acima de R$ 78 milhões. Segundo o diretor executivo da TOTVS Curitiba, Márcio Viana, até essas instituições enfrentaram dificuldades na implantação por deixarem para a “última hora”. “Não estamos falando de empresas pequenas e sim de grandes companhias, com áreas de TI estruturadas. Parece que havia esperança de que a data fosse adiada novamente. Como não aconteceu, elas tiveram que trabalhar com um calendário apertado para ajustar informações, como solicitar que colaboradores estivessem com seus CPFs regularizados”, comenta Viana.

Em julho de 2017, o governo federal abriu o ambiente do eSocial para testes, permitindo que as companhias verificassem como era o envio de informações, como o cadastro de empregadores e tabelas. Poucas empresas participaram. “Isso não é uma percepção que temos baseada somente no universo de nossos clientes. Em diversos eventos realizados pela TOTVS pelo País, quando ajudamos a tirar dúvidas de como funciona a adaptação ao eSocial, verificamos que poucas se prepararam e aproveitaram a oportunidade”, adiciona Viana.

Agora, com o prazo de adaptação para empresas com faturamento de até R$ 78 milhões chegando no final (inclusive, MEIs que possuem funcionários também terão que enviar dados pelo programa a partir de 1º de julho), Viana comenta que está percebendo uma movimentação maior – mas, novamente, muitas empresas ainda não estão preparadas. O diretor executivo da TOTVS Curitiba destaca que, mais do que se adaptar a uma nova ferramenta para o envio das informações, será necessária uma adaptação de processos para estar em compliance com as regras. Ele exemplifica: “Horas extras não podem ser pagas após 30 dias. Salários não podem ser pagos após o 5º dia útil. Isso está previsto em legislação, mas muitas empresas criavam processos para suas realidades. Agora, será necessário se ajustar”.

O Grupo JCR, holding que atua com logística, infraestrutura e real state, foi contra a corrente e apostou em implantar as mudanças do eSocial com antecedência: desde janeiro, o sistema TOTVS da empresa já está preparado e com as informações completas para o primeiro envio. Segundo o sócio da IT5, Itacir Cândido, que faz o processamento da folha de pagamento da JCR, a antecipação foi importante para tornar o processo seguro. “Não tivemos nenhuma dificuldade cadastral, o que nos deixa confiantes”, adiciona.

Mais automatização, mais tempo para estratégia

Com a aproximação da área de Tecnologia à de Recursos Humanos deve ser observada uma melhor eficiência em processos, como fechamento de ponto, folha de pagamento e admissão. “Muitas empresas ainda possuíam processos manuais, que exigiam muito tempo operacional dos analistas de recursos humanos. Agora, eles terão mais oportunidade para focar em assuntos estratégicos, como gestão de talentos e clima organizacional, atividades prioritárias para produtividade, retenção de pessoas e melhores resultados financeiros”, reforça Viana.

Sobre o questionamento de algumas empresas sobre as mudanças relacionadas ao eSocial, ele informa que haverá um melhor equilíbrio entre as instituições. “Agora, todas terão que fazer da forma ‘correta’, evitando que empresas que dão um ‘jeitinho’ sejam beneficiadas pela falta de fiscalização”, analisa. Ele finaliza: “São 1.800 campos em 45 layouts. As empresas que devem se enquadrar agora também passarão por cinco fases e a primeira deve ser implantada em menos de um mês. Mesmo com o prazo apertado, elas ainda podem conseguir entregar todas as informações na data estipulada e com qualidade, sendo que as companhias de tecnologia são grandes aliadas nesse processo”.

Pequenas e médias empresas recorrem a tecnologia para combater burocracia

unnamed (5)

Micro e pequenos empresários brasileiros gastam, em média, 135 dias por ano de trabalho só com a execução de tarefas administrativas, o que causa a perda de R$ 79,5 bilhões anuais, de acordo com estudo realizado pela consultoria Plum. Além disso, no Brasil, são gastos aproximadamente 79 dias para abrir um negócio e, ainda assim, o número de novos empreendimentos continua crescendo.

Um dos maiores desafios enfrentados pelos novos administradores é com a saúde contábil dos seus empreendimentos. De acordo com um relatório divulgado no último ano pelo Banco Mundial, o Brasil é o país onde mais se gasta tempo com a burocracia tributária no mundo. Aqui as empresas gastam, em média, 1.958 horas por ano para cumprir todas as regras do Fisco. E uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) estima um gasto de cerca de R$ 60 bilhões em 2016 somente para calcular e pagar impostos.

A resiliência e perseverança dos empresários é impulsionada pelo surgimento de tecnologias que tentam facilitar e aumentar o tempo de vida de pequenas e médias empresas. Caso do empreendedor paulistano Caio Motta, fundador da Elementar Digital, que, para superar os obstáculos e burocracias no processo de abertura de seu negócio, recorreu à Contabilizei, escritório de contabilidade que usa tecnologia para desburocratizar compromissos contábeis.

“Entendemos que esta é uma área fundamental para o sucesso do nosso negócio e com o uso da tecnologia conseguimos fazer uma gestão mais simples e confiável”, justifica Caio. O CEO da Contabilizei, Vitor Torres, conta que o principal investimento da empresa é justamente no setor. “Nosso propósito é deixar a contabilidade mais transparente, automatizando todos os procedimentos obrigatórios, desde as folhas de pagamentos e impostos até os recibos de entrega, e garantindo maior segurança para as empresas dos nossos clientes”, explica.

O impacto da tecnologia na diminuição da burocracia e, por consequência, em um caminho menos tortuoso para empreendedores pode ser notado também na Zebu Mídias, coletivo que se uniu na faculdade com o objetivo de desenvolver formas de comunicação mais sustentáveis (tinta orgânica, flyer de bambu, banner de musgo etc). “Sempre trabalhamos com softwares de gestão online tanto na parte financeira quanto na organização de tarefas”, explica Amon Pinto, um dos co-fundadores.

5 vantagens da alocação profissional em TI

Professional Services: Facilidade para expandir o time sem aumentar o Head Count e os custos fixos

Atualmente, um problema enfrentado por empresas que possuem setor de TI é a dificuldade em atrair e reter profissionais qualificados para a área. Isso acontece, principalmente, pela alta demanda de profissionais no mercado, além do fato de que muitos jovens veem no empreendedorismo uma nova oportunidade, optando por abrir suas próprias empresas.

Para solucionar esses e outros problemas, está cada vez mais comum a contratação de serviços de outsourcing para tecnologia da informação, que consiste na escolha de um fornecedor especialista na área de TI, com o intuito de alocar equipes de desenvolvimento no cliente, sob à gestão da empresa especializada em tecnologia da informação.

O Diretor de Gestão e Professional Services, da CINQ, Edson Althoff, conta-nos sobre o diferencial competitivo da alocação profissional em TI: “Nosso grande diferencial é o acompanhamento que fazemos junto aos colaboradores que estão prestando os serviços dentro das instalações dos nossos clientes. É muito importante que eles se sintam parte do time CINQ e, para isso, a coordenadora da área, Stephanie Garbelotti Lemos, faz reuniões com frequência determinada, para que possam alinhar toda e qualquer questão relacionada a expectativas, ambiente de trabalho, bem como outras necessidades diversas. Outro ponto importante, que também considero como diferencial, são as reuniões de feedback feitas com os nossos clientes através dos gestores dos recursos que estão alocados. Nessa oportunidade, buscamos entender se o profissional está atendendo a expectativa do cliente, bem como se existe alguma oportunidade de melhoria para o mesmo. ”

Essa tendência de outsourcing já vem sendo protagonizada há 26 anos pela CINQ Technologies, empresa do setor que oferta o serviço de Professional Services, recrutando profissionais qualificados para projetos e demandas específicas do cliente. Neste ínterim, a empresa aponta algumas vantagens da alocação profissional em TI:

1 – Foco em seu negócio: com a alocação de serviços de TI, os empresários e profissionais podem focar em atividades de desenvolvimento e crescimento do core business da empresa.

2 – Redução de custos: uma empresa especializada em TI consegue proporcionar serviços mais eficientes e com maior qualidade, bem como velocidade na utilização de novas tecnologias.

3 – Profissionais multidisciplinares: ao terceirizar, a empresa contratante conta com a convicção de que terá à disposição o profissional certo para determinado projeto, contanto com uma gama de conhecimento em diferentes ferramentas. Isso evita que seus profissionais não diversifiquem seu conhecimento a ponto de perderem a utilidade quando a tecnologia que dominam cair em desuso.

4 – Reduzir dificuldade com busca de profissionais: além de se preocupar com a busca pelo profissional mais adequado para a realização da atividade desejada, o serviço de outsourcing se preocupa com a gestão dessas pessoas, realizando acompanhamentos de desempenho.

5 – Não sobrecarrega o quadro: com a contração de serviços terceirizados, o quadro empresarial poderá focar em atividades estratégicas, valorizando o negócio principal da empresa, sem se preocupar com funções secundárias, os funcionários terão mais tempo para se dedicar ao que realmente interessa.

“Trabalhar na CINQ durante estes anos tem me proporcionado a oportunidade de atuar nos mais inovadores e desafiadores projetos. Desde o início sempre estive alocado em clientes e isto me proporcionou conhecer as mais variadas realidades, pessoas, tecnologias, necessidades e culturas, o que me levou a um crescimento profissional, técnico e pessoal gigantesco. A flexibilidade, a assistência e a proximidade entre colaboradores e gestão proporcionadas pela CINQ compõem um ambiente agradável e forte para se trabalhar e trazem essa segurança de fazer parte de algo sólido e maior” (Luiz Guilherme Heming, Analista de Desenvolvimento da CINQ, profissional alocado na Telefônica).

Para colaborar com empresas de diversos segmentos com profissionais especializados e qualificados nas principais plataformas e tecnologias de software, a CINQ Technologies conta com uma equipe qualificada de recrutadores, que estão sempre observando as tendências do setor e procurando os melhores profissionais. Conta também com um Programa chamado CINQTECH, que visa à aceleração do aprendizado tecnológico e é composto de nove iniciativas, que promovem três pilares: explore (explorar), learn (aprender) e develop (desenvolver) e já foi eleita por sete anos consecutivos como uma das Melhores Empresas para se Trabalhar do Brasil, pelo Great Place to Work.

Por fim, os profissionais alocados pela CINQ contam com um diferencial importante que é a experiência dos demais colaboradores da empresa e toda a base de conhecimento acumulada. Por se tratar também de uma empresa de projetos de software, os profissionais alocados podem consultar, a qualquer momento, os especialistas da CINQ nas várias linguagens e plataformas. Este é mais um ponto que gera em todos os colaboradores da empresa um senso de pertencimento e atitude colaborativa.

Para mais informações sobre o serviço de Professional Services da CINQ: https://www.cinq.com.br/professional-services/

Com incentivo à inovação, Curitiba almeja ser o Vale do Silício brasileiro – Por Diogo Kastrup Richter


A inovação tecnológica é visualizada cada vez mais como um importante meio de crescimento econômico e de melhora dos índices de qualidade de vida, perseguida pelos setores público e privado.

Antes praticamente restritos aos geeks do Vale do Silício, termos como aceleradoras, incubadoras, investidores-anjo e venture capital são jargões cada vez mais corriqueiros no ambiente empresarial. Governos têm gradativamente destinado recursos para atrair ideias inovadoras para os seus domínios. Instituições de ensino, que são referência no conhecimento de ponta, têm buscado parcerias com esses agentes do ecossistema de inovação.

O poder de transformação da inovação e da tecnologia não tem passado despercebido em solo tupiniquim. De acordo com o ranking das Empresas Mais Inovadoras do Mundo, da Fast Company, o Brasil é sede de cinco das 350 empresas mais inovadoras do mundo e, recentemente, alcançou a façanha de conquistar sua primeira startup unicórnio (valor de mercado maior que US$ 1 bilhão).

Parques tecnológicos, fomentados por parcerias público-privadas, têm surgido em diversas cidades brasileiras – tal como o Sapiens Parque, em Florianópolis, e o Porto Digital, em Recife – todos disputando a alcunha do Vale do Silício brasileiro. A par desse cenário, a Prefeitura de Curitiba implantou, em 2017, a Política Municipal de Fomento ao Ecossistema de Inovação, à qual se deu o nome de Vale do Pinhão. É uma política de integralização de ações de universidades, investidores, grandes empresas e startups para a geração de negócios inovadores na capital paranaense, fazendo dela um polo de tecnologia nacional.

A Prefeitura anunciou, no fim de maio deste ano, o relançamento do Programa Curitiba Tecnoparque. Inativo desde 2013, o Programa concede diversos benefícios fiscais a companhias de setores considerados estratégicos, como empresas de telecomunicação, informática, pesquisa e desenvolvimento, design, ensaios de qualidade, instrumentos de precisão e automação industrial, biotecnologia, nanotecnologia, novos materiais, saúde, meio ambiente e outros setores produtivos de base tecnológica. Mediante a submissão de projeto de Pesquisa e Inovação à Agência Curitiba, gestora do Curitiba Tecnoparque, as empresas de tecnologia localizadas na capital paranaense podem contar com alíquota de 2% de ISS (ordinariamente de 5%), bem como, se instaladas no Setor Especial do Programa, com isenção de IPTU, de taxa pelo exercício do poder de polícia, de contribuição de melhoria e, ainda, de ITBI, para a instalação do estabelecimento comercial.

Com a significativa diminuição da carga tributária suportada pelo setor de tecnologia, a Prefeitura espera atrair negócios inovadores para a cidade, que já é casa de diversas startups de relevância nacional e internacional. Mas o trabalho não deve parar por aí: de acordo com o Índice das Cidades Empreendedoras, da Endeavor Brasil, o município ainda carrega o fardo de um ambiente regulatório complexo, o que torna manutenção de negócios na cidade um verdadeiro desafio burocrático – em terras onde o custo Brasil é conhecido por tornar o empreendedorismo uma atividade difícil, senão impraticável.

Com essas medidas, espera-se que a cidade Luz dos Pinhais se mantenha na trilha para se tornar um baluarte de inovação e tecnologia nacional – e uma chama de esperança à castigada economia brasileira. Afinal, ambientes de inovação saudáveis, lastreados em instituições eficientes, favorecem a difusão de conhecimento entre os diversos segmentos da sociedade, atingindo o interesse público em múltiplas facetas. Resultado: todos saem ganhando.

Diogo Kastrup Richter, advogado do departamento tributário do escritório Marins Bertoldi.

Loja da DJI em Curitiba anuncia promoções especiais durante a campanha mundial Now It’s Epic

unnamedDJI

A temporada de viagem chegou e com ela a campanha mundial Now It’s Epic da DJI, líder mundial em drones para uso civil e em tecnologia de imagens aéreas. Até o dia 17 de junho, a loja autorizada da marca em Curitiba, localizada no Shopping Pátio Batel, sediará o evento DJI Fan Week com promoções, brindes e ações especiais para seus consumidores. A ideia é que cada vez mais as pessoas possam utilizar drones nas suas viagens afim de criar imagens épicas de uma perspectiva completamente nova.

Na compra de um drone da DJI na loja, durante o período da campanha, o cliente ganhará um treinamento de pilotagem. Esse curso normalmente custa R$990,00 e, na semana do evento, sairá de brinde. Durante esses dias a autorizada também adotará uma política de parcelamento especial.

O drone super portátil Mavic Air foi desenvolvido com foco em viajantes e entusiastas da vida ao ar livre e é considerado o melhor drone de uso pessoal presente no mercado. Novidade entre os drones da DJI lançados no Brasil e no mundo, o Mavic Air é equipado com câmera 4K que proporciona imagem de altíssima qualidade e conta com os modos QuickShot e SmartCapture para uma captura mais inteligente de fotos e vídeos. Também possui a tecnologia Flight Autonomy 2.0, sistema de assistência de pilotagem avançada que proporciona um voo mais prático e seguro.

A segunda unidade da DJI no país foi inaugurada em Março deste ano e funciona como um verdadeiro ponto de encontro para os fãs da marca e amantes de drones, além de possuir uma arena de voo e a possibilidade de que o consumidor conheça a linha completa de drones, estabilizadores de imagem, acessórios e outros produtos da marca.

Incubadora da Fiep abre vagas para startups de impacto social

Curitiba acaba de ganhar um programa de aceleração voltado exclusivamente a startups de impacto social, em áreas como mobilidade, energia, educação, segurança, resíduos, logística e equipamentos públicos. A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) abriu, nesta quarta-feira (13/6), as inscrições para incubar em sua sede, na capital, cinco novas empresas que ofereçam produtos e soluções para cidades inteligentes.

“Este novo programa, denominado Startup Smart Cities, visa incentivar o empreendedorismo de alto impacto para criar soluções para cidades inteligentes e combina aceleração e conexão entre as empresas nascentes, as indústrias e todo o ecossistema de inovação da cidade”, explica Filipe Cassapo, gerente do Centro Internacional de Inovação da Fiep.

As inscrições para a incubação já estão abertas e a primeira banca de avaliação irá ocorrer no dia 29 de junho. A iniciativa é uma parceria da Fiep com o Sindicato das Indústrias Eletroeletrônicas (Sinaees) e a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

“Quando a gente pensa em cidades, há muitos desafios que precisam ser superados e as startups podem ter um papel fundamental no desenvolvimento de soluções inovadoras. Do melhor manejo do lixo ao trânsito caótico das metrópoles, o que não falta é opção a ser explorada”, afirma Frederico Lacerda, diretor da Agência Curitiba, órgão ligado à Prefeitura e responsável pelo fomento do Vale do Pinhão, o movimento de todas as áreas do município e do ecossistema de inovação da capital para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país.

Lacerda, que representou a Prefeitura no lançamento do programa da Fiep, lembra também que as cidades inteligentes unem qualidade de vida e desenvolvimento econômico por meio da tecnologia aplicada nas operações do dia a dia. De acordo com o Ranking Connected Smart Cities 2017, que avalia as cidades mais inteligentes do país usando 70 indicadores, Curitiba é a 2ª colocada.

Segundo Cassapo, o ecossistema de inovação que se formou na cidade nos últimos anos certamente tem influência nesta posição de destaque. “Órgãos públicos e privados, academia e demais organizações encontram o cenário ideal para o desenvolvimento de projetos capazes de tornar a cidade cada vez mais inteligente”, completou o gerente do Centro Internacional de Inovação da Fiep.

Atualmente, a Fiep já oferece um programa de incubação, em sua sede, na capital, para 11 startups, que recebem ajuda para estruturar planos de negócio, desenvolver produtos e serviços e contatar empresários interessados em investir e contratar as soluções. São empresas como GoEpik, Metha, Prevention (Adam Robô) e Exy9br, que apostam em negócios relacionados à automação, inteligência artificial, realidade virtual e internet das coisas (IoT), que estão entre os pilares da chamada indústria 4.0.

De acordo com Cassapo, as cinco novas startups ficarão incubadas em uma nova área na sede da entidade, junto ao Instituto de Veículos Híbridos e Elétricos. “Como no caso, das 11 outras empresas que fazem parte do programa de incubação, esperamos que as novas startups criem uma sinergia com os projetos voltados a mobilidade desenvolvidos pelo instituto”, justifica o gerente da Fiep.

Cassapo observa ainda que os editais de seleção são abertos e contínuos, com opções para duas formas de incubação: residente – na qual a empresa fica nas dependências da incubadora – e não residente. O programa tem duração de um ano, período no qual são realizadas reuniões para monitoramento de desempenho por meio de indicadores e metas.

Para apoiar no seu desenvolvimento, as empresas recebem suporte de rede de mentores e consultores especializados do Sistema Fiep e parceiros.

Palestra e debate

Antes do lançamento oficial da Startups Smart Cities, Josep Maria Buades Juan, representante da Agência Catalã de Competitividade, fez a palestra O Estado da Arte das Cidades Inteligentes.

Em seguida, houve um debate sobre a importância do ecossistema de startups para as cidades inteligentes, que teve a participação de Frederico Lacerda; do presidente do Sinaees, Alvaro Dias Junior; do gerente da Regional Paraná da Abinee, Jorge Paulo de Aguiar; e do coordenador do Programa Inovativa MDIC, Rafael Wandrey.

Mais informações sobre inscrições para a incubação de startups na Fiep podem ser obtidas pelo site.

Fonte: Prefeitura de Curitiba