CINQ Technologies promove meetup na Irlanda

Docker Donegal foto 14 (640x480)

A multinacional de Tecnologia da Informação, CINQ Technologies, promoveu no dia 21 de junho de 2018 (quinta-feira), em Letterkenny (Irlanda), um meetup técnico de coding dojo.

O meetup “Docker-Dojo, where ninjas are born” consistiu em uma sessão prática na qual interessados se encontraram, cada um com seu próprio laptop e com o objetivo de aprender e colaborar em conjunto. A equipe do Docker-Donegal elaborou uma sessão Dojo aonde ferramentas de DevOps foram exploradas por meio de uma aplicação Java que passou por todo o processo de Continuous Integration e Deployment até chegar a um entregável, em um ambiente Docker Swarm. O intuito era que os desenvolvedores aprendessem a construir, testar e implantar seu primeiro aplicativo em container. O evento contou com a palestra de Rômero Ricardo, Engenheiro de Software da CINQ Technologies, o qual está atualmente trabalhando com um aplicativo de grande escala e orquestração baseada em Docker.

Assim, segundo o mentor e palestrante da CINQ Technologies, Rômero Ricardo: “O evento foi um sucesso! A grande vantagem da utilização do Dojo é a inversão da forma de visualizar aprendizado: aprendemos na prática e os conceitos aos poucos vão emergindo! E isso é ótimo, pois abre espaço para que todos aprendam cada um em seu ritmo, mas sempre levando algo de positivo da dinâmica. Após o evento, os participantes já queriam saber quando seria o próximo, o feedback foi instantâneo. O evento teve um aspecto bem informal e orgânico, e eu acredito que esta seja a chave de um bom aprendizado, pois antes do evento houve um grande esforço de organização e planejamento para que o evento parecesse o mais natural possível.”

Para verificar os feedbacks do evento, visite: www.meetup.com/docker-donegal

Tecpar promove palestra sobre mineração de dados

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) promove nesta sexta-feira (29), em Curitiba, a palestra “Mineração de Dados”. O evento é gratuito e vai abordar definições, tarefas, aplicações e perspectivas da mineração de dados, com a participação da professora do Departamento de Ciência e Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Denise Fukumi Tsunoda.

O gerente do Setor de Informação e Vigilância Tecnológica do Tecpar, Rogério Oliveira, disse que a Mineração de Dados é o processo de buscar, em grandes volumes de dados, padrões significativos que permitam, por exemplo, realizar previsões e análises de correlações.

“A mineração de dados utiliza ferramentas especializadas para facilitar esta tarefa, sem as quais seria praticamente impossível minerar tais volumes. Para as empresas, a Mineração de Dados é fundamental no processo de inteligência para definição de estratégias comerciais e operacionais”, destaca.

A palestra vai apresentar as principais definições (KDD, DM), tarefas (associação, classificação e agrupamento), métodos (ID3, Apriori, K-Means e Redes Neurais Artificiais), aplicações práticas da mineração de dados, além de algumas ferramentas e perspectivas, principalmente por meio de computação bioinspirada.

O público-alvo do evento são os profissionais das áreas de Análise de Dados e demais profissionais ligados aos processos de inteligência das organizações.

Serão apresentados o novo curso de MBA em Gestão e Análise de Dados da UFPR e pesquisas que estão em andamento no Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação – Mestrado e Doutorado.

A palestra será das 14h às 16h30, no câmpus CIC do Tecpar, na Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775, na Cidade Industrial de Curitiba.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo link goo.gl/8NCpgV. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 3016-3054.

Palestra “Mineração de Dados”.

Data: 29 (sexta-feira).

Horário: 14h às 16h30.

Local: Câmpus CIC do Tecpar (Rua Algacyr Munhoz Mader, 3775 – Cidade Industrial de Curitiba).

Inscrições: Pelo link goo.gl/8NCpgV

Informações: Pelo telefone (41) 3016-3054.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Enfraquecido, setor de TI de Curitiba precisa de novas lideranças

2018 marca o possível retorno, na prática, de programas de incentivo ao setor de Tecnologia da Informação de Curitiba. A Prefeitura já anunciou que vai reativar o Tecnoparque, que dá incentivos, entre eles, de redução de impostos, mas que não aceita novas adesões desde a gestão anterior. A Agência Curitiba estuda formas de facilitar a entrada de novas empresas no programa e também deseja ver novamente em ação o ISS Tecnológico, que facilita compra de equipamentos com incentivo fiscal, mas esbarra em burocracia contida na legislação atual e também na exigência de aumento de carga tributária para conceder benefícios.

O empresariado local foi chamado para contribuir, apresentar sugestões, mas não tem respondido a contento. Em recente evento da associação que representa o setor, não passou de duas dezenas o número de empresas que compareceram a um importante encontro com a direção da Agência Curitiba para tratar do assunto. Foi um evento fechado, apenas par associados, que também tentou manter a imprensa à distância. Tal encontro, enfraquecido pelo número de representantes, mostrou baixa representatividade do setor de TI na capital. Este mesmo setor, anos atrás, já mostrou muita força ao ampliar os benefícios do Tecnoparque para toda a cidade e reuniu centenas de empresários para oficializar a conquista.

Com uma liderança forte e engajada e comunicação eficiente, na época, o grupo do APL de Software de Curitiba, que representa a TI da capital também criou uma Central de Negócios e até uma S/A para desenvolver projetos, compartilhar conhecimento e vender produtos e soluções em conjunto. Mas a liderança atual, que não tem poder de influência entre empresários e políticos, sofre para encher uma sala de reunião ou um auditório e perde espaço, na preferência das autoridades, para startups que têm crescido exponencialmente, gerando milhares de novos empregos, Volta, TI de Curitiba!

ACOM Sistemas melhora desempenho em cinco vezes com solução de cloud da Winov

Com foco na satisfação dos clientes, a ACOM Sistemas passou a disponibilizar o sistema EVEREST Gestão Empresarial em uma infraestrutura hiperconvergente de data center virtual fornecida pela empresa Winov.

O novo ambiente, resiliente, não fica off-line e garante processamento cinco vezes mais rápido que uma solução de cloud comum. Isso possibilita extração de relatórios, integração contábil e conciliação financeira que, geralmente, envolvem milhares de informações, de maneira muito mais eficiente.

O desempenho superior permite que a ACOM Sistemas entregue mais qualidade com preços mais atrativos em um modelo SaaS, de software como serviço. Os clientes não precisam mais gastar com infraestrutura própria de tecnologia da informação para usar o EVEREST.

“Nosso sistema roda no que há de melhor em soluções de cloud computing. Contamos com equipamentos de missão crítica hiperconvergente com tecnologia Nutanix, que garantem alta performance. Podemos multiplicar o número de clientes sem aumentar o investimento.”, explica Eduardo Ferreira, Diretor Operacional da ACOM Sistemas.

Raul Cesar Costa, Chief Product Officer da Winov, ressalta que também há um grande ganho em segurança: rígidos protocolos garantem total confiabilidade e alta disponibilidade de telecom, com IP próprio, que recupera dados instantaneamente quando, por exemplo, é mudada a rede em que se trafega.

“Outra facilidade está no atendimento. Nossos clientes podem, literalmente, bater na nossa porta, a qualquer momento, em busca de suporte. Para a equipe da ACOM, que fica a poucos metros da Winov, na cidade de Curitiba, a comodidade é ainda maior”, comenta Raul.

Eduardo Ferreira acrescenta que a ACOM Sistemas busca inovação contínua para que possa melhorar o desempenho dos clientes com uso de tecnologia e adianta: “já estamos estudando o que mais pode ser oferecido de benefícios além do ERP na nuvem”. Mais uma vantagem para a ACOM Sistemas foi a de se tornar, também, provedora de nuvem ao participar de um programa de canais oferecido pela Winov.

5 vantagens da alocação profissional em TI

Professional Services: Facilidade para expandir o time sem aumentar o Head Count e os custos fixos

Atualmente, um problema enfrentado por empresas que possuem setor de TI é a dificuldade em atrair e reter profissionais qualificados para a área. Isso acontece, principalmente, pela alta demanda de profissionais no mercado, além do fato de que muitos jovens veem no empreendedorismo uma nova oportunidade, optando por abrir suas próprias empresas.

Para solucionar esses e outros problemas, está cada vez mais comum a contratação de serviços de outsourcing para tecnologia da informação, que consiste na escolha de um fornecedor especialista na área de TI, com o intuito de alocar equipes de desenvolvimento no cliente, sob à gestão da empresa especializada em tecnologia da informação.

O Diretor de Gestão e Professional Services, da CINQ, Edson Althoff, conta-nos sobre o diferencial competitivo da alocação profissional em TI: “Nosso grande diferencial é o acompanhamento que fazemos junto aos colaboradores que estão prestando os serviços dentro das instalações dos nossos clientes. É muito importante que eles se sintam parte do time CINQ e, para isso, a coordenadora da área, Stephanie Garbelotti Lemos, faz reuniões com frequência determinada, para que possam alinhar toda e qualquer questão relacionada a expectativas, ambiente de trabalho, bem como outras necessidades diversas. Outro ponto importante, que também considero como diferencial, são as reuniões de feedback feitas com os nossos clientes através dos gestores dos recursos que estão alocados. Nessa oportunidade, buscamos entender se o profissional está atendendo a expectativa do cliente, bem como se existe alguma oportunidade de melhoria para o mesmo. ”

Essa tendência de outsourcing já vem sendo protagonizada há 26 anos pela CINQ Technologies, empresa do setor que oferta o serviço de Professional Services, recrutando profissionais qualificados para projetos e demandas específicas do cliente. Neste ínterim, a empresa aponta algumas vantagens da alocação profissional em TI:

1 – Foco em seu negócio: com a alocação de serviços de TI, os empresários e profissionais podem focar em atividades de desenvolvimento e crescimento do core business da empresa.

2 – Redução de custos: uma empresa especializada em TI consegue proporcionar serviços mais eficientes e com maior qualidade, bem como velocidade na utilização de novas tecnologias.

3 – Profissionais multidisciplinares: ao terceirizar, a empresa contratante conta com a convicção de que terá à disposição o profissional certo para determinado projeto, contanto com uma gama de conhecimento em diferentes ferramentas. Isso evita que seus profissionais não diversifiquem seu conhecimento a ponto de perderem a utilidade quando a tecnologia que dominam cair em desuso.

4 – Reduzir dificuldade com busca de profissionais: além de se preocupar com a busca pelo profissional mais adequado para a realização da atividade desejada, o serviço de outsourcing se preocupa com a gestão dessas pessoas, realizando acompanhamentos de desempenho.

5 – Não sobrecarrega o quadro: com a contração de serviços terceirizados, o quadro empresarial poderá focar em atividades estratégicas, valorizando o negócio principal da empresa, sem se preocupar com funções secundárias, os funcionários terão mais tempo para se dedicar ao que realmente interessa.

“Trabalhar na CINQ durante estes anos tem me proporcionado a oportunidade de atuar nos mais inovadores e desafiadores projetos. Desde o início sempre estive alocado em clientes e isto me proporcionou conhecer as mais variadas realidades, pessoas, tecnologias, necessidades e culturas, o que me levou a um crescimento profissional, técnico e pessoal gigantesco. A flexibilidade, a assistência e a proximidade entre colaboradores e gestão proporcionadas pela CINQ compõem um ambiente agradável e forte para se trabalhar e trazem essa segurança de fazer parte de algo sólido e maior” (Luiz Guilherme Heming, Analista de Desenvolvimento da CINQ, profissional alocado na Telefônica).

Para colaborar com empresas de diversos segmentos com profissionais especializados e qualificados nas principais plataformas e tecnologias de software, a CINQ Technologies conta com uma equipe qualificada de recrutadores, que estão sempre observando as tendências do setor e procurando os melhores profissionais. Conta também com um Programa chamado CINQTECH, que visa à aceleração do aprendizado tecnológico e é composto de nove iniciativas, que promovem três pilares: explore (explorar), learn (aprender) e develop (desenvolver) e já foi eleita por sete anos consecutivos como uma das Melhores Empresas para se Trabalhar do Brasil, pelo Great Place to Work.

Por fim, os profissionais alocados pela CINQ contam com um diferencial importante que é a experiência dos demais colaboradores da empresa e toda a base de conhecimento acumulada. Por se tratar também de uma empresa de projetos de software, os profissionais alocados podem consultar, a qualquer momento, os especialistas da CINQ nas várias linguagens e plataformas. Este é mais um ponto que gera em todos os colaboradores da empresa um senso de pertencimento e atitude colaborativa.

Para mais informações sobre o serviço de Professional Services da CINQ: https://www.cinq.com.br/professional-services/

O futuro dos softwares – Por Márcio Viana

imagem_release_1289669

Cada vez mais empresas fornecedoras de tecnologia têm procurado e ampliado a oferta de soluções SaaS (software as a service, ou software como serviço, em português). O fornecimento de serviço por meio de assinatura é a principal característica desse tipo de contratação, que apresenta vantagens como redução de custos e praticidade. Nesse cenário, profissionais liberais e pequenos e médios empresários se beneficiam pelo fato de começar suas atividades utilizando soluções tecnológicas de ponta sem comprometer o orçamento.

No mercado, grande parte dos SaaS são oferecidos na nuvem e, segundo pesquisa da Synergy Research Group, a estimativa é que contratação desses serviços dobre nos próximos três anos. Por rodarem na web, esses aplicativos são mais leves, além de também já oferecerem backup automático dos dados, que é gerenciado por servidores mais robustos e seguros. Mas a modalidade traz um ganho que nem sempre o usuário percebe: constante atualização.

Pelo fato do serviço ser contratado por meio de mensalidades, o usuário pode buscar, a qualquer momento, outra ferramenta que o atenda de maneira mais completa. Dessa forma, as empresas de tecnologia são incentivadas a melhorarem o serviço e buscarem novas soluções, uma vez que o usuário não fica mais “amarrado” ao investimento realizado para adquirir o software. E mais, as desenvolvedoras podem promover melhorias constantemente, não sendo mais necessário esperar um novo pacote para incentivar a compra de uma versão mais recente do software.

Grandes empresas de tecnologia veem as contratações desse modelo de serviço subir de maneira exponencial, pelo fato dos custos iniciais de implantação serem mais baixos comparados a de outros softwares. O ativo, aqui, é nada atrativo: com a evolução tecnológica, os softwares têm apresentando funções cada vez mais inovadoras, e a atualização constante pode ajudar nos negócios. Além disso, a contratação por mensalidade é atrativa, porque dilui os custos e permite que a aquisição de novas licenças acompanhe a evolução da empresa, que pode ampliar ou reduzir o número de colaboradores, deixando de investir em algo que poderá não ser utilizado.

E a gama de opções de SaaS são grandes: agroindústria, educação, jurídico, saúde, varejo, manufatura, financeiro e comércio são apenas alguns exemplos de áreas que podem aproveitar a oportunidade de utilizar soluções personalizadas para seus negócios. Para aproveitar ao máximo os benefícios desse conceito, é importante que as companhias revejam seus processos, evitando customizações Isso porque, quando é necessário que o software seja adequado às necessidades individuais, além de ter um custo adicional, o cliente poderá ter que fazer novas alterações após as mudanças de versão das plataformas utilizadas.

Soluções baseadas em benchmarking dispõem as melhores práticas dos processos realizados pelo mercado e facilitam a implantação nos negócios. Por serem padrão, as atualizações são mais práticas e o cliente tem a melhor experiência de uso. Usar – e não possuir – é a tendência do mercado. E muito mais vantajosa para todos os envolvidos.

Márcio Viana é diretor executivo da TOTVS Curitiba

Curitiba volta a ter Tecnoparque e ISS reduzido para inovação e tecnologia

O Curitiba Tecnoparque – programa de atração de empresas de base tecnológica para a capital – será relançado nesta quarta-feira (30/5). O programa, suspenso para novas adesões desde 2013, ainda na gestão anterior, volta a oferecer desconto de 5% para 2% no Imposto Sobre Serviços (ISS) a empresas que investem em tecnologia e inovação.

Mas o benefício fiscal é apenas uma das facetas do Tecnoparque, que integra o Vale do Pinhão, o movimento de todas as áreas da Prefeitura e do ecossistema de inovação da capital para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país. “O programa é um dos pilares do Vale do Pinhão e é estratégico, já que incentiva a inovação e os processos de mudança tecnológica, principal força motora para o desenvolvimento econômico sustentável, com aumento da produtividade, da renda, da geração de empregos e da competitividade internacional”, argumenta Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba, órgão ligado à Prefeitura e que trabalha na atração de investimentos para a cidade e no fomento do Vale do Pinhão.

Entre as atividades incentivadas pelo Tecnoparque, estão telecomunicações, informática, pesquisa e desenvolvimento, design, ensaios e testes de qualidade, instrumentos de precisão e automação industrial, biotecnologia, nanotecnologia, saúde, novos materiais e tecnologias ambientais. Para participar do programa, as empresas devem apresentar um projeto para análise técnica ao Comitê de Fomento do Município — formado por entidades do setor público e da sociedade civil organizada (como UFPR, PUCPR, UFTPR, Fiep).

A presidente da Agência Curitiba ressalta que, além do benefício fiscal oferecido pelo Tecnoparque, a infraestrutura da cidade, a qualidade de vida e a mão de obra qualificada que sai das mais de 50 instituições de ensino superior da capital também deverão ser fatores decisivos para que novas empresas invistam em inovação e tecnologia em Curitiba. “Elas poderão se beneficiar da cultura existente na cidade, da questão urbanística e do ecossistema de inovação existente na capital para crescer e gerar novos empregos”, justifica Cris.

Enquadradas

Atualmente, 84 empresas de base tecnológica estão enquadradas no Tecnoparque, por terem aderido ao programa antes de 2013. Estima-se que elas tiveram um aumento médio de 20% no faturamento e que seus quadros de colaboradores cresceram, em média, 16% desde o lançamento do programa em 2008.

Centro médico referência nacional em pesquisas de diagnóstico voltado ao combate do câncer e de doenças cardiovasculares, a Quanta Diagnóstico e Terapia aderiu ao Tecnoparque em 2011 e, anualmente, investe cerca de R$ 6 milhões em pesquisa e inovação – recursos próprios, financiamentos e acordos internacionais. “Nosso Departamento de Inovação tem realizado pesquisas e estudos para novos protocolos nos tratamentos cardiológicos e de câncer, que estão permitindo trazer recursos de instituições internacionais para Curitiba”, conta o cardiologista João Vítola, diretor-geral da empresa, que tem acordos de cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica da Organização das Nações Unidas (AIEA) e também com a Sociedade Americana de Cardiologia Nucler (ASNC).

A Seccional Brasil, com sede na CIC, aderiu ao Tecnoparque em 2009 e produz estruturas metálicas e soluções para telecomunicação, iluminação e energia. Segundo Paulo Abreu, presidente da empresa, cerca de 2% do faturamento anual da companhia são investidos em inovação e pesquisa de novas tecnologias. “Só em 2017 foram destinados cerca de R$ 2 milhões, em recursos próprios, para projetos de inovação que resultaram em patentes para o Brasil”, salienta o executivo. A Seccional Brasil, que faz parte de um grupo formado por 16 empresas, ocupada uma área de 120 mil metros quadrados na CIC, onde estão os laboratórios e fábrica de estruturas metálicas.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Investimentos em TI no Brasil aumentam 4,5% em 2017

O mercado de TI (hardwares, softwares e serviços) no Brasil cresceu 4,5%, de acordo com o estudo anual da ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) realizado em conjunto com a consultoria IDC. Os principais números do estudo foram divulgados na última segunda-feira, dia 26, durante o jantar de posse dos novos executivos do conselho deliberativo da associação. Na ocasião, a entidade ainda apresentou seu programa de Integridade e homenageou profissionais de comunicação, pesquisa e desenvolvimento que contribuem para o avanço da Transformação Digital no Brasil.

No topo da lista de investimentos em TI na América Latina, o Brasil registrou cerca de US$ 38 bilhões em investimentos em hardwares, softwares e serviços durante o ano de 2017, seguido por México (US$ 20,6 bi), Argentina (US$ 8,4 bi) e Colômbia (US$ 7 bi). No ranking mundial, o país ficou em nono lugar na lista que encabeçam na sequência: Estados Unidos (US$ 751 bi), China (US$ 244 bi), Japão (US$ 139 bi), Reino Unido, Alemanha, França, Canadá e Índia. No total, foram US$ 2,07 trilhões em investimentos em TI no último ano.

Para Jorge Sukarie, Presidente do Conselho da ABES, os resultados da pesquisa apontam que “os investimentos em TI voltaram a crescer no Brasil e o País vai aos poucos recuperando o espaço perdido nos últimos anos”. Ainda segundo o executivo, os números do Brasil apontam para um maior grau de maturidade nos Investimentos em Tecnologia, com a maior participação dos investimentos em software e serviços nos investimentos totais em TI. “Importante destacar que retomamos parte do “market share” perdido na América Latina no ano passado e mantivemos nossa posição de liderança, agora ainda mais destacada, responsáveis por 39,1% do total de investimento do continente que foi de US$ 97,3 bilhões”, explica.

Sukarie pontua também que os investimentos em TIC (TI + Telecom), somaram mundialmente US$ 3,55 trilhões em 2017, sendo US$ 105 bilhões somente no Brasil – o que lhe garantiu o sexto lugar no ranking geral, recuperando uma posição em relação ao ano anterior.

Para 2018, o executivo apresenta uma expectativa positiva. “Será o ano da recuperação”, afirma. Segundo ele, a tecnologia seguirá baseada em “Cloud”, “Big Data / Analytics”, “Social Business” e “Mobility”, os quatro pilares da transformação digital, resultando em um crescimento esperado de 4,1% no segmento de TI. “Os investimentos retornarão com mais oportunidades durante o segundo semestre do ano”, comenta Sukarie.

Conselho, MCTIC e BNDES

Todo ano, é renovado um terço do conselho deliberativo da ABES. “Esta é uma forma de revitalizarmos a associação e nos prepararmos para um novo ano de serviços dedicados às empresas”, comenta Francisco Camargo, Presidente da ABES. Os novos conselheiros são: André Sussumu Iizuka (Jotatei Serviços de Informática), Antônio Eduardo M. da Silva (Business Software Alliance do Brasil), Benjamin Quadros (BRQ Soluções em Informática), Fernando Arakaki (Add Value Technologies), José de Miranda Dias (Magna Sistemas), Lauro de Lauro (Estilo e Conteúdo Informática), Moyses Levy Liberbaum (CSC Brasil), Neide da Silva Leite (Input Center Informática), Rodolfo Fucher (Femp Administração e Participações) e Rodrigo Jonas Fragola (Aker Consultoria e Informática).

O evento contou com a participação de Thiago Camargo, novo Secretário de Política de Informática do MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) e de Irecê Fraga, chefe do Departamento de Produtos da Área de Planejamento do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), que anunciou, em primeira mão, que, a partir de abril, o cartão BNDES passará a financiar também a compra de softwares sob encomenda. A novidade também contempla o desenvolvimento de websites corporativos, de lojas virtuais e aplicativos.

Homenagens

Com o objetivo de honrar profissionais, jornalistas, pesquisadores e autoridades que contribuem para o desenvolvimento do setor de Tecnologia, a ABES homenageou com a comenda de Embaixador Honorário da iniciativa Brasil País Digital (www.brasilpaisdigital.com.br), as seguintes personalidades Adelson Sousa (IT Mídia), Ana Paula Lobo (Convergência Digital), Benito Paret (TI Rio), Carlos Sacco (ABES), Cláudio Gastal (MBC – Movimento Brasil Competitivo), Daniel Leipnitz (ACATE), Edgar Serrano (FENAINFO), Irecê Fraga Kauss Loureiro (BNDES), Gérson Schmitt (ABES), Jorge Sukarie (ABES), José de Miranda Dias (ABES), Jeovani Salomão (ASSESPRO), Márcio Girão (FINEP), Ruben Delgado (SOFTEX), Sergio Paulo Gallindo (BRASSCOM), Thiago Camargo (SEPIN) e Vanda Scartezini (ABES).

Programa de Integridade e Compliance

No evento, ainda foi apresentado o novo Programa de Integridade da entidade, desenvolvido pelo Escritório Mattos Filho, que não só prepara a ABES para novos tempos no Brasil e no Mundo, mas também tem o objetivo de educar e informar seus associados sobre a necessidade de desenvolverem programas semelhantes e regras éticas contra a corrupção e a concorrência desleal. Uma das ações realizadas pelo programa de integridade é a criação de um portal de Denúncias Anônimas Independente, de uso gratuito para os associados, que poderão receber denúncias de qualquer ato que viole princípios éticos e a Lei Anticorrupção dentro das empresas.

“Além de trazer mais transparência nas relações da entidade com seus associados, colaboradores, fornecedores e entes públicos, esses documentos servirão como um guia para que os nossos associados possam criar seu próprio Programa de Integridade e Compliance. Todos os documentos poderão ser acessados no Portal da ABES”, afirma Francisco Camargo, Presidente da ABES.

AB2L promove 1º Meetup sobre Inovação e Tecnologia no Direito

IMG_0602

A Associação Brasileira de Lawtech e Legaltechs reuniu dezenas de pessoas no espaço JUPTER, em Curitiba. para uma conversa sobre tecnologia, empreendedorismo e investimento em inovação na área do Direito.

As mediadoras foram as advogadas Thaina Cavalcanti e Bibiana Espíndola e a Mesa Redonda foi formada por Maurício Kavinski, diretor da Preâmbulo, Dayana Dallabrida, Advogada e Consultora na Vernalha Guimarães & Pereira, Márcia Beatriz Cavalcanti, Angel Investor, empresária e PhD em inovação e Bruno Doneda, Co-Founder da Contraktor.

Maurício Kavinski mostrou como startups atuam no exterior, especialmente no Estados Unidos, em comparação com o que se desenvolve em tecnologia para o setor no Brasil. Deixou claro que há um vasto campo a ser explorado. Mas enfatizou o baixo investimento que cada advogado faz em tecnologia, anualmente, no país, algo em torno de 600 reais. O empresário também alertou que departamentos jurídicos das empresas estão cada vez mais atentos a inovações e cobram maior investimento da parte dos escritórios, chegando a internalizar demandas e soluções.

Dayana Dalabrida falou sobre advocacia para startups. Explicou que a atividade exige criatividade e atuação em equipe de diversas áreas de um escritório, saindo, muitas vezes, de uma conduta tradicional de atendimento. Ela ressaltou a importância de um retorno rápido, assertivo e simplificado para as startups.

Márcia Cavalcante apresentou o trabalho da Curitiba Angels, grupo de 45 investidores que apoiam ideias e negócios inovadores. Ela falou sobre características que marcam empreendedores de startups e negócios exponenciais que têm maiores chances de receber grandes investimentos.

Bruno Doneda tratou de contratos digitais. Disse que um contrato nativo digital nasce eletrônico, não tem papel, mas tem backup e rastreamento, facilitando ações de governança e compliance. Explicou conceitos de blockchain e mostrou o que essa novidade tecnológica pode agregar para advogados e escritórios de advocacia. No final, ao comentar sobre inovação no direito, salientou que cultura interna e falta de informação atuam contra a transformação digital.

O Meetup no JUPTER foi o primeiro da AB2L em Curitiba. A Associação tem como objetivo criar um espaço de diálogo entre as empresas de tecnologia, os advogados, os escritórios de diferentes portes, os departamentos jurídicos e as instituições jurídicas existentes para incentivar as boas práticas e contribuir com esse momento de grandes transformações tecnológicas.

Veja, abaixo, as empresas que participam da AB2L:

AB2L-RADAR-v1-07-02-2018-.001-1

GFT Curitiba dobra tamanho da operação em um ano

Com foco em um modelo de operação 100% Ágil e Inovador, a unidade chegou a 100 funcionários e hoje atende grandes instituições financeiras nacionais e internacionais

São Paulo, fevereiro de 2008 – Após iniciar o Centro de Engenharia Ágil no ano passado, a unidade da GFT em Curitiba, no Paraná, comemora o primeiro aniversário do novo escritório com uma equipe de 100 profissionais. Essa marca representa o dobro do número de pessoas em comparação com o período da inauguração.

Com um clima de Inovação, foco no cliente e entregas rápidas, a unidade, que é um centro de engenharia Agile para a GFT, conquistou novos clientes, chegando a um portfolio de 16 atualmente, entre brasileiros e internacionais, como o primeiro banco com abertura de conta 100% digital do Brasil e instituições como SEFA-PR e COPEL. E, mais recentemente, a primeira conta de uma cooperativa de crédito de Santa Catarina atendida pela GFT no país e para a qual a atuação será toda baseada em metodologia Ágil.

“A operação da unidade curitibana tem contribuído com o crescimento da operação brasileira da GFT em vários segmentos. Impulsionamos, por exemplo, projetos offshore exportando serviços para importantes instituições financeiras internacionais”, explica Sergio Favarin, diretor de negócios da GFT para a região Sul.

Todo esse crescimento tem sido possível graças também à qualidade dos profissionais da região, de acordo com o executivo. “Encontramos em Curitiba uma grande oferta de talentos oriunda de um ecossistema de universidades de ponta, uma base sólida na preparação de mão-de-obra qualificada. Isso resulta em profissionais com um alto nível de excelência e comprometimento”, complementa Favarin.

Para comemorar o primeiro aniversário, a companhia promoveu um evento, reunindo todos os colaboradores da unidade, com a presença do managing director da GFT para a América Latina, Marco Santos. “A GFT Curitiba, nosso Centro de Engenharia Ágil no país, tem se mostrado um investimento muito promissor, com resultados expressivos ao longo deste primeiro ciclo e com grandes expectativas de crescimento ajudando a transformação Ágil de nossos clientes. Temos um time muito motivado em construir uma história de crescimento exponencial na cidade”, afirma Santos.

Desde 2005 no país, a GFT está posicionada entre as principais empresas provedoras de soluções para o momento de Transformação Digital no mercado financeiro.

Organizações contábeis se preparam para a chegada do e-Social, indica pesquisa

Com a chegada do eSocial para empresas a partir de janeiro de 2018, o setor contábil se prepara para apoiar seus clientes no cumprimento da nova obrigação.

Uma recente pesquisa realizada pela Sage, líder mundial em software de gestão, aponta que 34% dos escritórios de contabilidade estão investindo na capacitação de seus profissionais por meio de cursos e treinamentos. O levantamento foi realizado com 686 organizações contábeis de todo o país.

O objetivo do investimento é garantir que os contadores e todos os profissionais envolvidos com o tema dentro das organizações contábeis estejam preparados para evitar inconsistências nas informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais que, após a entrada em vigor do eSocial, passarão a ser enviadas ao governo pela internet em uma única declaração, em tempo real.

Ainda de acordo com o estudo, 43% dos escritórios de contabilidade se sentem inseguros sobre a qualidade dos dados prestados, enquanto outros 34% consideram que a maior dificuldade para a adequação ao novo sistema é a conscientização das empresas sobre o impacto para a rotina dos escritórios contáveis. “É importante que os contadores estejam preparados para que, efetivamente, o eSocial resulte em benefícios e vantagens competitivas para seus escritórios e clientes”, explica Elton Donato, Diretor da Unidade de Negócios Accountants da Sage Brasil.

Segundo o executivo, os escritórios podem contar com ferramentas que apoiam uma gestão eficiente e automatizada. “Um software de gestão é capaz de validar dados de maneira rápida e eficiente, além de cruzar informações antes do envio dos arquivos, garantindo o cumprimento dos prazos, integridade e confiabilidade às informações prestadas aos órgãos competentes”, finaliza.

A pesquisa também identificou que:

– 21% dos entrevistados realizaram investimentos de até R$10 mil para se adequar às exigências do eSocial;

– As áreas que receberam mais investimentos são: Recursos Humanos (28%), Contabilidade (16%) e TI (14%);

– Atualização dos cadastros dos colaboradores (25%), revisão e ajustes dos processos e rotinas trabalhistas (21%) e adequação do sistema de folha de pagamento (19%) são os itens considerados pelos respondentes como os mais importantes para o cumprimento das novas exigências.

Positivo Informática anuncia lucro líquido de R$ 30,9 milhões no quarto trimestre, aumento de 230,6%

Em 2013, a Positivo Informática completou o nono ano consecutivo de liderança no mercado brasileiro de computadores, com market share de 15,3%, crescimento de 1,7 p.p. na comparação com 2012, configurando a maior participação de mercado da companhia no país desde 2009, segundo a IDC. No 4T13, registrou participação de 16,1%, retomada que proporcionou crescimentos de 1,4 p.p. e de 2,7 p.p. em relação ao 4T12 e ao 3T13, nesta ordem. O mercado de varejo de PCs também apresentou recuperação de market share da companhia nos últimos meses do ano, alcançando a fatia de 20,5% no 4T13, crescimento de 3,7 p.p. na comparação com o trimestre anterior. Em 2013, a participação da companhia no varejo foi de 20,4%, praticamente estável em relação a 2012, de acordo com a IDC.

No mercado brasileiro de tablets, a Positivo Informática encerrou 2013 com participação de 5,7%, crescimento de 3,1 p.p. em relação ao ano anterior. Além da maior venda a clientes de governo, destacou-se o avanço da marca nas principais redes varejistas ao longo do segundo semestre, refletindo a aceitação favorável da nova linha de produtos Positivo.
Na Argentina, os computadores Positivo BGH registraram participação de 10,3% no 4T13. No ano, a marca registrou market share de 10,0%, crescimento de 1,5 p.p. em relação a 2012.

Volume, receita e lucro
As vendas do 4T13 totalizaram 802,8 mil computadores e tablets, crescimento de 19,1% em relação ao 4T12. O desempenho do período permitiu a realização da maior receita trimestral da história da companhia e a superação da marca de 3 milhões de unidades vendidas no ano, expansão de 27,6% em relação a 2012. Destacaram-se as vendas de tablets, que registraram crescimento de 96,6% no 4T13, com maior proporção de comercialização no varejo. No segmento de PCs, foram comercializadas 668,6 mil unidades no 4T13 e 2,6 milhões no ano. Entre os canais, a companhia registrou crescimento de vendas nos mercados de governo e corporativo, com avanços de 106,3% e de 114,9% em relação ao 4T12, respectivamente. As vendas de telefones celulares apresentaram crescimento de 87,3% no 4T13, totalizando 97,9 mil unidades, das quais 55,9 mil foram feature phones e 42,1 mil smartphones. No ano de 2013, foram vendidos 266,8 mil aparelhos, expansão de 410,2%, sendo representado por 191,3 mil feature phones e 75,5 mil smartphones.

As vendas no varejo registraram 485,0 mil PCs e tablets no 4T13. O volume foi representado por 425,1 mil PCs e 59,9 mil tablets. Em 2013, as vendas de PCs e tablets no varejo atingiram 1,8 milhão de unidades, volume estável em relação a 2012, sendo representado por 1,7 milhão de PCs e 136,6 mil tablets. As vendas de telefones celulares foram majoritariamente realizadas no varejo e totalizaram 97,9 mil unidades no 4T13, crescimento de 87,3%. Destacou-se o desempenho das vendas de smartphones, com volume de 42,1 mil peças. No ano de 2013, o volume de celulares totalizou 266,8 mil.

No mercado de governo, as vendas no 4T13 foram de 245,8 mil PCs e tablets, crescimento de 106,3%, sendo 172,5 mil no Brasil e 73,3 mil na Argentina. As vendas, compostas por 187,1 mil PCs e 58,7 mil tablets, se referem principalmente a projetos educacionais envolvendo laboratórios de informática, netbooks conversíveis e tablets, e maior volume de desktops para empresas e bancos públicos. Em 2013, as vendas para o segmento alcançaram 1,0 milhão de equipamentos, crescimento de 127,1%, representadas por 715,6 mil unidades no Brasil e 314,7 mil na Argentina. Para 2014, a companhia abre o ano de 2014 com uma carteira de entregas estimada em cerca de 50 mil tablets e mais de 600 mil PCs, dos quais 350 mil no Brasil e 250 mil na Argentina.

As vendas corporativas totalizaram 71,9 mil PCs e tablets no 4T13, crescimento de 114,9%. No período, a companhia acelerou suas vendas diretas para grandes empresas, com destaque para tablets para instituições privadas de ensino, e manteve performance destacada em sua plataforma de vendas indiretas. No ano, foram comercializados 234,9 mil equipamentos no corporativo, crescimento de 61,6% em relação a 2012.
A receita bruta registrou R$ 843,1 milhões no 4T13, novo recorde trimestral, representando crescimentos de 16,7% e de 38,0% em relação ao 4T12 e ao 3T13, respectivamente. Em 2013, a receita bruta atingiu R$ 2,8 bilhões, crescimento anual de 21,2%. Já a receita líquida foi de R$ 769,1 milhões no trimestre, crescimento de 17,9%, e de R$ 2,6 bilhões no ano, aumento de 22,1% na comparação com 2012.

O lucro bruto registrou R$ 176,9 milhões no 4T13, crescimentos de 8,8% e de 62,5% em relação ao 4T12 e ao 3T13, respectivamente, acompanhado de margem bruta de 23,0%. Em 2013, o lucro bruto totalizou R$ 549,1 milhões, aumento de 6,3%, com margem bruta de 21,4%. Foi apurado lucro líquido de R$ 30,9 milhões no 4T13, crescimento de 230,6% em relação ao 4T12, e de R$ 15,6 milhões em 2013.

O EBITDA tradicional totalizou R$ 42,2 milhões no 4T13, crescimento de 57,6% na comparação anual. A margem EBITDA atingiu 5,5% no período, melhora de 1,4 p.p. em relação ao 4T12. No ano, o EBITDA tradicional registrou R$ 104,0 milhões, aumento de 27,7%, com margem EBITDA de 4,1%. O EBITDA Ajustado, que considera 50% do resultado da operação da joint venture da companhia na Argentina, totalizou R$ 54,7 milhões no 4T13, crescimento de 62,7%. A margem EBITDA ajustada expandiu para 7,1%, crescimento 2,0 p.p.. Em 2013, o EBITDA Ajustado registrou R$ 139,3 milhões, crescimento de 40,4%, acompanhado de margem EBITDA Ajustada de 5,4%. A melhora do resultado operacional foi impulsionada pelos repasses de preços praticados pela companhia, pela melhora do perfil das vendas e pela contenção dos custos e despesas ao longo do ano.

Museu Paranaense tem novo software de gestão de acervos

O Museu Paranaense já está com parte do seu acervo catalogado e disponível para consulta na plataforma tecnológica Pergamum Museus. Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Pontifícia Universidade Católica (PUC-PR), o software permite que os acervos sejam organizados e disponibilizados para o público, que tem acesso a imagens, especificações técnicas e outras informações.

No caso do Museu Paranaense já estão disponíveis para consulta cerca de 18 mil exemplares, entre o acervo museológico e da biblioteca. “O objetivo é que até o fim de 2014 tenhamos 90% do acervo catalogado e disponível para consulta”, explica Renato Carneiro, diretor do Museu.

A implantação do software traz outros benefícios. “O Pergamum Museus é uma ferramenta importante que possibilita uma série de melhorias aos espaços, além do acesso à informação. No Museu Paranaense, por exemplo, todo o acervo está sendo inventariado e organizado de acordo com padrões internacionais de conservação preventiva”, conta a gestora museológica Karina Muniz Viana.

Para acessar as informações é necessário entrar no Portal de Informações da Cultura (www.sic.cultura.pr.gov.br) e clicar na aba “Museus”.

O PROJETO – O Pergamum é um software criado há mais de 15 anos. O sistema possui as principais funções de atendimento de uma biblioteca, facilita a gestão dos centros de informação e é usado por diversas instituições nacionais e internacionais. Em uma parceira entre o governo do Paraná, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, há dois anos vem sendo desenvolvido o software para a gestão dos acervos museológicos. Alguns espaços já contam com o software, que ainda está em desenvolvimento.

O Paraná é o primeiro Estado a ter esse sistema implantado. “A ideia é fazer com que os museus tenham um software que possibilite gerenciar seus acervos. O Paraná será modelo para o país”, afirma o coordenador do Sistema Pergamum, Marcos Rogério de Souza.

Fonte: Governo do Paraná

Intel lança plataforma ‘Diálogo TI’ voltada para profissionais em busca de novidades na área

Com o objetivo de divulgar as melhores práticas do segmento, treinamentos sobre as mais recentes tendências de uma maneira intuitiva e simples, além de conteúdo relevante para profissionais de TI, a Intel lança para toda a América Latina a plataforma Diálogo TI (http://DialogoTI.intel.com), um site com novos materiais que respondem às necessidades do setor.

Diálogo TI, que já estava disponível para países de língua espanhola há sete anos, junto com o site brasileiro Next Generation Center, forneceram mais de 41 mil cursos para os interessados no uso da tecnologia nos negócios em 2013. Os temas abordados foram desde Segurança da Informação, Gestão de TI, Empresas Digitais, Virtualização, Computação em Nuvem até ERP.

Como uma das mais completas fontes de capacitação relacionadas à tecnologia, a plataforma continua avançando regionalmente e dando suporte aos departamentos de TI das pequenas e médias empresas. De acordo com dados do programa regional IBERPYME para 2013, 11% das PMEs de todo o mundo se encontram na América Latina, das quais 716 mil são pequenas empresas e 145 mil são de médio porte. Estas empresas mantêm uma busca constante para melhorar as condições de suas estruturas de TI com soluções que aumentem a produtividade de forma estratégica.

“Para o modelo de negócio da Intel, é fundamental manter contato constante com os tomadores de decisões de TI. Continuar trocando ideias e conhecimento contribui para que os profissionais das áreas tecnológicas escolham os melhores produtos do mercado e economizem graças aos bons serviços e produtos”, explicou Bárbara Toledo, Gerente de Marketing de Negócios da Intel para o Brasil.

Atualmente as empresas precisam de um especialista em TI com um perfil de eficiência que integre todas as atividades das empresas. Para o desenvolvimento de um mercado mais dinâmico a cada dia, a Intel oferece, por meio da atualização da plataforma, um suporte de 360o que também abrange capacitação de Marketing, Liderança, Gestão de Equipes e Desenvolvimento.

“Por meio do ‘Diálogo TI’, a Intel consegue uma comunicação de mão dupla com um grande número de profissionais da região. Esta é uma oportunidade para que a Intel compartilhe seus conhecimentos sobre as soluções tecnológicas disponíveis no mercado e para que os usuários da plataforma continuem se atualizando sobre as melhores práticas e processos para suas equipes”, comentou Bárbara.

Com um sistema inteligente e intuitivo, a plataforma trará informações técnicas, ou recomendará treinamentos de acordo com o perfil do usuário cadastrado e os temas de seu interesse. Desta forma, a Intel poderá sugerir a cada um o melhor conteúdo, baseando-se no perfil profissional. Por exemplo, se o profissional demonstra interesse por novidades relacionadas às pequenas empresas, a plataforma o reconhecerá e enviará conteúdos sobre o tema de uma maneira mais personalizada. Para que isso seja realmente eficiente, é muito importante que o usuário faça sua inscrição completa no site, preenchendo todos os campos de seu perfil profissional e os temas de TI que mais lhe interessam, e faça seu login no site quando o visitar.

Diálogo TI oferece agora uma navegação mais amigável, com uma proposta interativa entre os próprios usuários e os especialistas da Intel, ampliando espaços para consultas, assim como a possibilidade de compartilhamento nas redes sociais (Facebook, Twitter ou LinkedIn). Desta maneira, os usuários poderão classificar, recomendar e compartilhar os conteúdos relevantes com seus contatos.

Diálogo TI: http://DialogoTI.intel.com.

Cupom Fiscal Eletrônico: a importância do uso de sistemas de tecnologia eficientes

Carlos Drechmer da Acom Sistemas e Reinaldo Pires de Oliveira da Inventti falam sobre a importância do uso de sistemas de tecnologia eficientes para emissão do cupom fiscal eletrônico. Acompanhe a reportagem em v’ideo produzida para o programa de tv Valor Agregado.

Inscrições abertas para a rodada de negócios internacional da BITS 2014 para empresas de TIC

A quarta edição da BITS – Business IT South America, versão Sul-Americana da CeBIT, que ocorre de 13 a 15 de maio, contará, novamente, com o BITS Business Matchmaking, rodada de negócios que promove o encontro entre empresas nacionais e internacionais trazendo novas oportunidades e estimulando parcerias na área de Tecnologia da Informação e da Comunicação. A Rodada acontece das 14h às 19h, no pavilhão de exposições.

O evento é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria – CNI, da FIERGS, através do seu Centro Internacional de Negócios – CIN-RS, em parceria com a Apex-Brasil e Sebrae-RS. Pela primeira vez, também conta com a parceria do Enterprise Europe Network – EEN, maior rede de empresas da União Europeia. “Esta aliança será um grande meio de divulgação de oportunidades de negócios, para captar empresas internacionais e promover as empresas brasileiras inscritas no evento”, destaca Kurt Ziegler, Coordenador do CIN-RS.

Este ano, o Business Matchmaking também vai contar com maior espaço e comodidade no ambiente físico e forte interação com entidades e parceiros do mundo inteiro. A expectativa é contar com mais de 70 empresas de dez estados brasileiros e mais de 30 internacionais.

Em 2013, as rodadas de negócios internacionais da BITS reuniram 15 países e cerca de 100 empresas nacionais e internacionais. Ocorreram 323 reuniões, o que gerou uma expectativa de negócios de US$ 13 milhões de dólares.

As inscrições para as rodadas 2014 são gratuitas e podem ser feitas até 30 de abril no endereço: www.b2match.eu/bits2014

A BITS – Business IT South America é promovida e organizada pela Hannover Fairs Sulamérica, empresa do grupo Deutsche Messe AG, em parceria com a FIERGS – Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul.

Informações: www.bitsouthamerica.com.br

Sistema Fiep e CNI lançam pedra fundamental das novas instalações do Instituto Senai de Inovação do Paraná

Os presidentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, lançaram, em Curitiba, a pedra fundamental das novas instalações do Instituto Senai de Inovação (ISI). Inaugurado oficialmente em setembro, quando entraram em operação os primeiros laboratórios, o ISI do Paraná é voltado para a área de Eletroquímica e faz parte de uma rede de 25 institutos que serão instalados pelo Senai em todo o país para alavancar a competitividade da indústria brasileira. No total, serão investidos R$ 50 milhões para a construção e aquisição de equipamentos da nova sede.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, destacou a agilidade com que o Sistema Fiep implantou o ISI em Curitiba, o primeiro inaugurado no país. “Fico feliz em ver a forma competente e ágil com que o Paraná está conduzindo estes investimentos”, declarou. “Um dos obstáculos para a competitividade da indústria brasileira é a questão da tecnologia e inovação. Percebemos que esta era uma área na qual poderíamos agir sem a dependência do poder público”, afirmou Andrade, justificando o motivo que levou a CNI a lançar o projeto.

Ele destacou ainda que o Senai vem investindo fortemente na qualificação dos profissionais que vão atuar nos institutos. “Não basta apenas colocar recursos, construir prédios e comprar máquinas. Precisamos de pessoas, por isso buscamos no mercado profissionais da melhor qualidade para conduzir esses investimentos”, disse.

Integração

Robson Braga de Andrade ressaltou também que a intenção é que os 25 ISIs que serão implantados atuem em rede, atendendo indústrias de todo o país, independente da localização geográfica da empresa. Na região Sul, a busca por uma efetiva integração entre os ISIs já acontece. Tanto que a solenidade desta quarta-feira contou com a presença do presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Glauco José Côrte. Na terça-feira (4), também com participação dos presidentes da CNI e da Fiep, foi inaugurado em Joinville o primeiro ISI em território catarinense, que se dedicará a pesquisas na área de Sistemas de Manufaturas. A aproximação vai facilitar o acesso de indústrias do Paraná e Santa Catarina a esses institutos.

A integração pode ocorrer também com outros setores da sociedade. O secretário municipal de Meio Ambiente de Curitiba, Renato Lima, que na solenidade representou o prefeito em exercício da capital, Paulo Salamuni, afirmou que o ISI instalado na cidade pode contribuir para o desenvolvimento do município. “Curitiba tem o desafio de ser modelo de desenvolvimento sustentável. E não há como ser modelo de desenvolvimento sustentável sem aplicar da melhor maneira o conhecimento. Quem quer estar na ponta, tem que ser inovador, e aqui (no ISI) está por excelência o desafio da inovação. Vejo toda a possibilidade de cooperação e coordenação entre essas iniciativas”, declarou.

Também participaram do lançamento da pedra fundamental das novas instalações do ISI do Paraná empresários de vários setores da indústria paranaense e diretores da Fiep.

Sobre o ISI do Paraná

O ISI do Paraná foi o primeiro a ser inaugurado no Brasil, em setembro de 2013. Nos primeiros laboratórios, já em funcionamento no Campus da Indústria, em Curitiba, foram investidos R$ 15 milhões, principalmente para aquisição de equipamentos de última geração. A pedra fundamental lançada nesta quarta-feira é da nova sede, que deverá ser entregue até 2015. Com investimento previsto de R$ 50 milhões – cujas obras devem ser iniciadas nas próximas semanas –, o novo prédio terá 10 mil metros quadrados, sendo que 2 mil metros quadrados serão destinados aos laboratórios do Instituto.
Com foco em Eletroquímica, o ISI tem como objetivo desenvolver soluções que fortaleçam a competitividade e a produtividade, principalmente nos segmentos de energia, construção civil, petroquímico, mineral e metalmecânico. Para 2014, a intenção é que o instituto realize ao menos cinco projetos de alto impacto, além de outras pesquisas, sempre em parceria com indústrias. Após a inauguração da nova sede, esse número deve dobrar para ao menos dez projetos de alto impacto ao ano.
Inéditos no Brasil e na pesquisa aplicada à indústria, os primeiros equipamentos para o ISI do Paraná já foram adquiridos. Ao todo, serão 36 aparelhos, escolhidos com a consultoria do Instituto Fraunhofer IPK, da Alemanha, que atenderão às áreas de nanotecnologia, energia, petróleo e gás, baterias e acumuladores de energia, corrosão, biocorrosão, sensores, tintas industriais e novos materiais.

Fonte: Sistema Fiep

A viabilidade do Instituto Curitiba de Informática

Por Luís Mário Luchetta
publicado no portal Baguete

Indo direto ao ponto, a inovação concretizada por Curitiba com a criação do Instituto Curitiba de Informática – ICI, faz parte das mudanças que ocorrem no plano mundial neste início de século e do milênio, dentre as quais, talvez a mais significativa, a aliança estratégica entre Estado e Sociedade.

Isto porque, cada vez mais, nota-se a incapacidade do Estado em executar, por meios próprios, todas as políticas públicas demandadas pela sociedade. Cada vez mais a sociedade civil organizada é chamada a participar ativa e organizadamente da execução de serviços para viabilizar a máquina administrativa e a consecução das necessidades públicas.

Nesta seara, as instituições sem fins lucrativos sempre estiveram ao lado do Poder Público, numa espécie de “braço do governo”, desempenhando funções não exclusivas do Estado e absorvendo suas carências e incapacidades.
Ao final da década de 90, o terceiro setor adquire enorme relevância em razão da participação da sociedade civil na gestão pública, pois sob o manto legal, admite-se a capacidade destas de influirem concretamente nas decisões e nas atuações públicas, numa manifestação de “democracia participativa”, uma vez ultrapassada a fase da democracia meramente representativa.

Percebe-se, portanto, que não há impedimento constitucional algum à assunção a instituições sem fins lucrativos da tarefa e missão de interesse social em colaboração com a Administração Pública. Desde que cumpridos os requisitos de salvaguarda do interesse público. A cooperação é lícita e até mesmo estimulada pela Constituição da República.

Falando agora especificamente do “desenvolvimento científico, pesquisa e capacitação tecnológica nacional”, não restam dúvidas de que a tecnologia da informação representa um elemento transformador das relações entre governo e sociedade.

A Constituição Federal, no artigo 218, determina que o Estado deverá promover e incentivar a pesquisa e a capacitação tecnológicas para a solução dos problemas brasileiros e para o desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional.
Em seu artigo 219, reforçando o desenvolvimento de empresas nacionais na área de tecnologia, a CF disciplina que o mercado interno integra o patrimônio nacional e será incentivado a viabilizar a autonomia tecnológica do País.

O reflexo da norma acima almeja fomentar as empresas nacionais a buscar a independência em relação aos recursos tecnológicos estrangeiros, bem como a gerar capital intelectual de alto nível nas mais diversas áreas de produção industrial e comercial de tecnologia da informação e comunicação, a fim de proporcionar crescimento de toda a cadeia produtiva local, regional e nacional.
Projetos informatizados, soluções integradas de sistemas aplicativos específicos, ferramentas tecnológicas para aprimorar a gestão, etc. são assuntos estratégicos dentro de qualquer organização, seja pública ou privada, a ponto de não imaginarmos nossas vidas sem os recursos da tecnologia da informação.

Na seara do Poder Público, parece inconcebível imaginar como seria o atendimento do Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS, por exemplo, sem a existência de um sistema informatizado de dados. E as informações relativas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço? Como seriam armazenadas sem os recursos da tecnologia da informação?
Estes são apenas dois dos milhares de exemplos que nos levam a concluir que todos nós, pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, estabelecemos uma relação umbilical de dependência com os bens e serviços de TI.

Não é por outra razão que se tem dito que a TI é o “coração” das organizações. Quando mal gerenciada, a TI pode causar a paralisia da instituição ou, de modo contrário, impulsioná-la.
Sob o ponto de vista econômico-financeiro, a área de TI também releva importância em termos de contratações de soluções. Para se ter uma ideia, o orçamento total previsto para a contratação de soluções de TI para a Administração Pública Federal para o ano de 2011 foi de aproximadamente 18 bilhões de reais!

Tudo isto porque os recursos e soluções de tecnologia da Informação permitem a obtenção de ganhos de produtividade, tempo, qualidade e segurança para agregar valor aos processos de trabalho da Administração e aos serviços prestados aos cidadãos.

Sendo assim, resta evidente que a Administração está cada vez mais dependente do bom e regular funcionamento dos serviços de Tecnologia da Informação. E a tendência é de aumento dessa dependência por razões lógicas: a cada ano são disponibilizados mais serviços aos cidadãos por meio de sistemas de informática, por isto, o “e-Gov” (Governo Eletrônico) tende a se ampliar.
Lembremo-nos que, há anos, por meio da Lei nº. 7.232, de 1984, o Congresso Nacional já declarava que a Política Nacional de Informática deveria se orientar pela “natureza estratégica da informação e a influência desta no esforço desenvolvido pela Nação para alcançar melhores estágios de bem estar social”.

Além disto, releva anotar que há, no país, cerca de 1.600 organizações desse tipo em funcionamento. Elas estão em 14 estados e em cerca de 160 municípios.

No nível federal, têm destaque instituições de pesquisa incluídas no Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia, como o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), o Laboratório Nacional de Luz Síncroton, o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (no Amazonas), além da Associação das Pioneiras Sociais, gestora da Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação e Hospital Sírio Libanês.
Observa-se, pelos exemplos acima, que as organizações sociais estão disseminadas em vários setores da sociedade, realizando relevantes e imprescindíveis serviços públicos, frise-se, serviços públicos, e não uma atividade econômica qualquer.

Por outro lado, apesar de prestarem efetivos serviços públicos, as organizações não titularizam qualquer espécie de prerrogativa de direito público. Não gozam de prerrogativas processuais ou prerrogativas de autoridade, respondendo apenas pela execução e regular aplicação dos recursos e bens públicos vinculados ao contrato de gestão que firma com o Poder Público.

E Curitiba inovou ao criar o Instituto Curitiba de Informática – ICI, ainda em 1998, e essa inovação permitiu estar sediado aqui o melhor modelo de implementação de sistemas e serviços de informática pública no Brasil, que levou Curitiba a ser a cidade mais digital do Brasil e terceira cidade mais inteligente do planeta.

*Luís Mário Luchetta é presidente do ICI e da Federação Assespro

Celepar nega invasão a e-mails

Fonte: Gazeta do Povo

A Companhia de Tecno­logia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) negou, ontem, que tenha invadido os e-mails das forças de segurança do estado. No domingo, a Gazeta do Povo mostrou que documentos sigilosos revelam que um “usuário secreto” teve acesso a várias contas de e-mail das polícias Científica, Militar e Civil, contrariando os argumentos da Companhia.

A Celepar alega que há uma análise técnica no histórico de acesso às contas, realizada no mesmo dia em que a reportagem saiu, que comprovaria que não houve invasão. A Companhia afirma que “um representante da área de Segurança Pública do Estado” acompanhou a análise. A nota ainda afirma que não há reclamação de usuários sobre tal violação. “Não existe ‘usuário secreto’. A conta de e-mail mencionada pela imprensa é de Administração do Sistema de e-mails Expresso e está em uso desde 2004. Sua finalidade é de gestão do serviço”, diz a nota da Companhia. Leia a reportagem completa em http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=1444706&tit=Celepar-nega-invasao-a-e-mails

Consulado Britânico seleciona empresas de TI para visita ao Reino Unido. Veja como participar em Curitiba.

O Consulado Britânico de São Paulo está selecionando 10 empresas brasileiras para participar da segunda edição da Competição de Tecnologia da Informação e Inovação do UK Trade & Investment. As empresas selecionadas vã o ganhar uma viagem de uma semana para conhecer os principais centros tecnológicos do Reino Unido, entre os quais o Tech City, o polo tecnológico de Londres que atualmente hospeda 1400 empresas, desde startups até gigantes do setor, como Google, Facebook, Intel e Twitter.

Das 10 empresas que irão para o Reino Unido, 3 já foram selecionadas: Meu Peludo, Crowdmobi e System Haus. Elas foram vencedoras do Salão de Inovação que ocorreu no Rio de Janeiro no ano passado. Agora serão realizadas sete etapas regionais em Campinas, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre, Curitiba, Campo Grande e Belo Horizonte. As empresas interessadas poderão efetuar suas inscrições por meio da rede de agências de inovação, incubadoras e parques tecnológicos parceiros do Consulado Britânico nesta iniciativa. Para participar, as emp resas devem realizar suas inscrições pelo site do instituto parceiro do UKTI mais próximo a sua região.

Um representante de cada empresa selecionada vai receber passagens aéreas e hospedagem patrocinadas pela Campanha GREAT Britain, a mais ambiciosa iniciativa mundial de marketing do governo britânico. Os empresários brasileiros terão a oportunidade de participar do Rio Info Europa, um encontro entre clientes e investidores da área de TI com o objetivo de fortalecer a atuação de empresas brasileiras de tecnologia no cenário internacional. O evento é liderado pela empresa RioSoft, parceira do UKTI nesta iniciativa, e ocorrerá no mês de maio nas cidades de Londres e Manchester.

A competição está aberta para empresas de TI de qualquer tamanho, desde startups a grandes empresas. Em Curitiba, o evento é apoiado pelo Parque de Software de Curitiba, Assespro-PR e IBQP – Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade. As inscrições vão até dia 12 de fevereiro pelo link http://parquedesoftwaredecuritiba.jimdo.com/ukti/

Em 2013, a equipe do UKTI visitou várias capitais brasileiras. O vídeo a seguir mostra como foi o encontro no Parque de Software de Curitiba.