Diga como investes seu dinheiro e te direi quem és – Por André Marini

Muito se fala sobre poupança, educação financeira e cuidados com o futuro. Mesmo assim, a maioria dos brasileiros simplesmente não tem dinheiro guardado ou planejamento financeiro para os próximos anos. De acordo com dados do Indicador de Reserva Financeira, do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), até março de 2017, mais da metade da população não contava com reserva financeira alguma. É aí que vem a questão: diga-me como se relaciona com o dinheiro e te direi quem és, ou como será o seu futuro.

Quando o assunto é planejamento, a curto, médio e longo prazos, existem diferentes tipos de perfis e cada um com suas características próprias. Há, por exemplo, quem não se preocupe com o assunto. Há também quem não consiga guardar recursos para começar a economizar dinheiro, seja por ter um orçamento apertado ou por gastar demais. Nesse caso, é importante rever as contas e avaliar se o custo de vida está compatível com a renda recebida. Talvez seja preciso contar com alternativas ou, se possível, cortar custos que estejam pesando no orçamento. E, antes que venham as reclamações, digo que é sim possível remanejar os gastos. Basta ter uma boa dose de disciplina e boa vontade. Do contrário, sua vida financeira estará sempre dependendo do próximo salário e, muito provavelmente, do cheque especial ou do limite do cartão de crédito.

Outro perfil comum é o de quem até sabe da importância do planejamento financeiro, gostaria de guardar mais dinheiro, mas sempre que aparece uma promoção dá adeus à poupança. Esse talvez seja o perfil mais perigoso, pois sabe o que deve fazer e também como executar, mas não resiste às tentações e acaba não evoluindo (seja para aumentar seu patrimônio ou para realizar seus sonhos). Se você se identificou com esse perfil, pelo menos já conhece os princípios da educação financeira, mas ainda precisa colocá-los em prática, de uma forma efetiva. O sinal que acende para você não é o vermelho, mas é com certeza um laranja que merece atenção.

E por fim, claro, existe a minoria brasileira, que guarda uma parte de seu salário mensal para garantir um futuro mais tranquilo. Aqui, o importante é saber onde está essa reserva e como será utilizada nos próximos anos.

Independentemente do perfil, o mais importante é saber qual o melhor método para que o futuro seja, de fato, mais tranquilo em termos financeiros. Se você tem a disciplina de economizar parte de seu rendimento, já está muitos passos à frente da maioria da população brasileira. Se ainda não conseguiu desenvolver esse hábito, é importante começar o quanto antes. Para todos os perfis, sempre recomendo o consórcio imobiliário, pois funciona como uma poupança programada, que estimula o hábito de economizar em prol de um objetivo. Para quem tem maior disciplina financeira, é uma maneira prática e econômica para conquistar a casa própria ou aumentar o patrimônio e obter renda extra.

Do ponto de vista de investimento, ao participar de um grupo de consórcio imobiliário é possível economizar até 60% do valor que seria gasto em outras formas parceladas de aquisição, como o financiamento, por exemplo – lembrando que seu crédito será reajustado anualmente. Analisar seu comportamento econômico e traçar metas é a melhor forma de alcançar objetivos. Conte com o apoio de investimentos inteligentes para isso.

André Marini, diretor comercial da Ademilar Consórcio de Investimento Imobiliário

Tags , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.