APOIO

APOIO

PARTICIPE

PARTICIPE

Perfil da TI no Paraná


As empresas de Tecnologia da Informação (TI) do Paraná devem apostar,nos próximos anos,em soluções de varejo,educação,saúde,agronegócio e gestão remota,incluindo logística,gestão de frota e rastreabilidade. A orientação faz parte de um planejamento estratégico para a consolidação do setor,uma iniciativa do Sebrae/PR,Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Assespro-Paraná),Secretaria da Ciência,Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

O Plano Estratégico Estadual para o Setor de TI foi divulgado durante um encontro no Sebrae/PR,em Curitiba,que reuniu empresários e lideranças do setor. O estudo,indicando os novos nichos de mercado a serem explorados pelas empresas de TI,foi realizado pela Competitiviness,empresa internacional especializada em levantamentos e análises de tendências sobre o setor de TI. O estudo,que levou seis meses para ser concluído,envolveu lideranças dos seis Arranjos Produtivos Locais (APL) –Maringá,Londrina,Curitiba e Região Metropolitana,Campos Gerais,Oeste e Sudoeste –e incluiu entrevistas com 70 empresários de TI,além da análise de perfil de mais de 400 empresas paranaenses.

Para o diretor de Operações do Sebrae/PR,Julio Cezar Agostini,os empresários paranaenses devem investir energia nesses nichos,para garantir a sustentabilidade de seus negócios. “A iniciativa de realizar o estudo surgiu da necessidade de garantirmos a sustentabilidade das empresas que atuam com TI. Ficamos bastante satisfeitos com o interesse demonstrado pelos empresários na apresentação do Plano Estratégico Estadual,pois é um caminho que aponta os novos rumos do setor e a sobrevivência de seus negócios”,afirma.

O Plano Estratégico Estadual inclui ainda um ‘mapa’ das empresas paranaenses,responsáveis pela geração de 16 mil empregos,e das instituições que trabalham no apoio ao setor de TI no Estado,como incubadoras e universidades,conforme explica o presidente da Assespro-Paraná,Sandro Molés. “Os indicadores científicos,obtidos com esse estudo,mostram áreas saturadas e novas oportunidades para o mercado de TI no Paraná e apontam as características de cada localidade por meio de um mapeamento regionalizado”,explica Molés.

A ideia de construir um planejamento estratégico para o setor de TI,fruto da mobilização dos próprios empresários e das entidades e instituições de apoio,surgiu há aproximadamente dois anos,durante o Paraná TIC,considerado o maior evento do setor no Estado. O presidente do Tecpar,Julio Félix,destaca que o Paraná é o primeiro estado brasileiro a fazer um plano estratégico desta envergadura. “Não existe capacidade de competir sem planejar. Esperamos que a iniciativa traga resultados e que sirva de exemplo para o País.”

Governança

A criação de uma governança,composta por lideranças do setor,é outra orientação que consta no Plano Estratégico Estadual,divulgado pelo Sebrae/PR,Assespro-Paraná,Seti e Tecpar. O tema foi discutido pelos empresários e lideranças,durante o encontro em Curitiba. A expectativa é que o grupo gestor seja formado ainda neste ano. “Com uma governança representativa e participativa,será possível formular e garantir ações em benefício do setor”,observa o coordenador estadual do Setor de TI do Sebrae/PR,Emerson Cechin.

“Existem muitas oportunidades para o desenvolvimento de novas tecnologias no Paraná,as quais constam no estudo,principalmente através da inter-relação dos setores e investimento no potencial do Estado. É preciso incentivar a integração dos arranjos produtivos locais existentes com as empresas e universidades,para que seja realizada uma construção coletiva. É nesse sentido que o grupo irá agir,para articular medidas que melhorem o ambiente de atuação das organizações de TI no Paraná”,reforça Emerson Cechin.

O coordenador estadual do Sebrae/PR defende investimentos no setor de TI. No seu entendimento,não são apenas as empresas do setor as beneficiadas. “As soluções desenvolvidas pelas empresas de TI são pensadas para facilitar a vida das pessoas e,invariavelmente,causam impactos positivos em toda a cadeia produtiva na qual estão inseridas,o que beneficia a economia do Estado,como um todo,e os serviços oferecidos para a sociedade”,complementa Emerson Cechin.

Fonte:Sebrae Paraná