12 dicas para ajudar a planejar sua loja online

Por Cristiano Mendes,Diretor de Produtos da GoDaddy para América LatinaVocê decidiu abrir uma loja online. Provavelmente está empolgado e cheio de ideias,mas também um pouco intimidado. Se está for sua primeira experiência com e-commerce,você não quer perder seu valioso tempo e dinheiro em ferramentas e tarefas que não irão fazer a sua loja funcionar da forma mais rápida,eficiente e econômica possível.Então,vamos pelo começo e apresentar um plano antes de abrir uma loja online. De acordo com artigo de Judith Kallos,coach de negócios e consultora de WordPress,existem algumas questões básicas a serem consideradas antes de começar a colocar a mão na massa.Seja adicionar o e-commerce a um site existente (como vender no WordPress com o WooCommerce) ou configurar uma nova loja online do zero,um pouco de planejamento prévio poderá fazer uma grande diferença para o sucesso de sua nova empresa.1. Certifique-se de que seu produto ou serviço faz parte de um nicho.As melhores ideias nascem de passatempos,interesses e paixões,em que o proprietário da loja eletrônica viu uma oportunidade porque ninguém mais estava presente nesse nicho específico. Ou melhor ainda,eles sabiam,de fato,que,com muito trabalho e dedicação,poderiam fazê-lo melhor!Não subestime o poder do nicho.2. Pesquise sua concorrência.Antes de abrir uma loja online,é melhor investigar a concorrência. Faça uma busca pela Internet inserindo duas ou três palavras-chave ou frases que seus clientes-alvo provavelmente usarão para encontrar os tipos de produtos ou serviços que você pretende vender online. Em seguida,note as centenas de milhares (ou milhões) de páginas já online fazendo o mesmo.Se os números são esmagadores,você precisará se tornar ainda mais de nicho ou planejar ser um comerciante competitivo e agressivo - o que custará tanto em dinheiro quanto em tempo.Veja o que seus concorrentes já estão fazendo com sucesso (note se há uma abertura para fazer algo melhor) e como você pode integrar esses conceitos de uma maneira única ou diferente.3. Crie seu perfil de precificação.Você pode ser competitivo e ainda obter lucro depois de levar tudo em consideração? Certifique-se de incluir todos os seus custos para obter uma resposta:Certificado SSL,hospedagem,plataforma,domínio,e-mail,temas,plugins,extensões,complementos de módulos,taxas mensais,gateways de pagamento,taxas de processamento de cartão de crédito,publicidade,inventário,material de embalagem,etc.4. Desenhe seu programa de envio.O processo de envio e entrega dos produtos pode ajudar a criar ou a quebrar uma loja de comércio eletrônico. Ao se preparar para abrir uma loja online,pergunte a si mesmo:- Quais opções de transportadora você vai oferecer?- O produto será enviado de acordo com o peso e a localização ou você irá trabalhar com taxa fixa?- A sua fórmula de envio é baseada no tipo de produto?- E quanto a uma taxa de manuseio?- Você estará enviando globalmente?- Em caso afirmativo,quais procedimentos e políticas alfandegárias você precisa considerar?O envio não deve ser um centro de lucro e precisa ser razoável. A percepção de tarifas de transporte excessivamente elevadas é uma das principais razões pelas quais os clientes abandonam seus carrinhos de compras.Existem ferramentas de e-commerce no mercado que possuem opções de métodos de envio embutidos,ou permitem que você adicione rapidamente suas preferências - desde o transporte gratuito até a transportadora em tempo real e calculado.5. Defina sua política de devolução.Isso precisa ser claro,detalhado e prático,de modo que,se você tiver experiência de retorno,seus clientes podem facilmente encontrar o que precisam e saber quais são os critérios para que um retorno seja aceito.6. Crie sua política de privacidade.Você deve ter uma política visivelmente publicada que indique o que você faz com a informação do seu cliente. Isso facilita a construção da confiança. Nunca coloque uma coisa nesta política e depois faça outra. Seja honesto,direto e indique exatamente como você gerenciará,distribuirá e usará informações do cliente.7. Reforce sua política de segurança.Sua política de segurança deve explicar o que você faz,em detalhes,para proteger as informações de pagamento do seu cliente. Explique que você está em servidores seguros com SSL e por quê. Você é protegido por um serviço de verificação de terceiros? Quanto mais informações você puder fornecer,melhor para passar a confiança que seus clientes precisam para que eles compartilhem seus dados sensíveis com você.8. Garanta fotos dos produtos.Quando se trata de vender online,os detalhes visuais podem fazer toda a diferença. Seus produtos devem ter fotos de qualidade. Existem muitos recursos excelentes para aprender a tirar as melhores fotos do produto.Você também pode verificar com seus fornecedores para ver se eles têm fotos que você pode usar.9. Escreva as descrições dos produtos.As descrições genéricas não são o suficiente,e nem as que são iguais às de todo mundo que vende a mesma coisa que você. São necessários detalhes,tamanhos,cores e dimensões,juntamente com alguns bons trocadilhos de marketing que fazem com que o cliente potencial perceba que eles precisam,querem,devem ter esse item!Você vai acessar e organizar seus produtos você mesmo? Caso contrário,planeje contratar alguém para criar uma planilha ou fazer a entrada de dados para você (a terceirização pode ser sua melhor opção).10. Desenvolva um plano de marketing e orçamento.Desenvolva um plano e orçamento de tempo e de dinheiro para divulgar sua nova loja online. O que você vai fazer para colocar o seu site "lá fora"? Não existe apenas "construí-lo e eles virão" no mundo online - você terá sorte se você for encontrado com essa abordagem. Sim,depois de abrir uma loja online,você pode começar a promovê-la sem gastar um centavo.Se você quer levar muitos clientes de forma mais rápida para o seu site de comércio eletrônico,porém,talvez seja necessário investir em algum marketing.As campanhas de pagamento por clique podem ser executadas desde algumas centenas a milhares de reais por mês,dependendo da competitividade do seu mercado. Executar campanhas de publicidade paga em mecanismos de busca e sites de redes sociais também exigirá um tempo para testar e sintonizar.Definitivamente vale a pena gastar tempo descobrindo e brincando com todas as suas opções e,assim,criar um plano de marketing sólido antes de abrir uma loja online.11. Crie um plano de ação de atendimento ao cliente.Sua agenda precisará incluir tempo para impressão,processamento e embalagem de pedidos. Isso por si só pode demorar muito quando é feito corretamente. Além disso,se você fez um trabalho digno de se espalhar a notícia sobre o seu site e-commerce,você precisará orçar algum tempo para responder as perguntas de e-mail de clientes,atualizações de status do pedido e a inserção dos detalhes de envio. Alguns detalhes que você pode considerar antes de abrir uma loja online:- Como você vai mandar aos clientes a confirmação de envio desejada? Começar com um modelo de e-mail com antecedência pode economizar tempo mais pra frente.- Como você vai lidar com perguntas ao telefone? Você terá uma linha telefônica comercial separada?12. Investigue opções de pagamento.Antes de abrir uma loja online,você deve pensar em como vai receber o pagamento (um ponto um tanto importante,não é mesmo?). Algumas plataformas oferecem soluções de pagamento integrado. Você deve considerar as seguintes questões:- Você tem uma conta comercial para aceitar cartões de crédito?- Quais formas de pagamento você aceita? Cartões de crédito,cheques pessoais,transferências bancárias,ordens de pagamento?- E o Mercado Pago ou PayPal?- Você tem um gateway de pagamento para verificar,aprovar e processar cobranças em tempo real?- É recomendável rever todas as suas opções e as taxas associadas.Planeje-se para o sucessoFaça um grande favor a seu negócio à longo prazo e comece a criar e abrir seu próprio e-commerce depois de passar pelas questões acima. Estes são os princípios básicos para te ajudar a planejar antes de abrir sua loja online. Ter esses pontos resolvidos,podem te ajudar na revisão dos recursos,temas,plugins e plataformas para saber quais funcionam melhor para o seu conceito de e-commerce. Portanto,bom planejamento e vendas online!

4 dicas para sua loja virtual se diferenciar no mercado

Por Luis Pelizon,diretor comercial da Rakuten Digital CommerceO sucesso no e-commerce depende da combinação de uma série de ações que precisam ser colocadas em prática de forma coordenada. Para se diferenciar dos demais concorrentes,os empreendedores virtuais precisam garantir que a operação de suas lojas atenda a 4 requisitos principais:uma boa plataforma adequada a suas necessidades,uma estratégia coesa e direcionada,uma política comercial bem definida e muita atenção à logística. Abaixo,elenco algumas informações que podem ser úteis para guiar os lojistas em cada um destes elementos.1) PlataformaPara que uma loja alcance a capacidade de se destacar frente às demais,é essencial contar com uma plataforma robusta. Isto vai influenciar diretamente no desempenho do site e,consequentemente,na impressão causada nos clientes. O usuário não pode ficar esperando 5 minutos até as telas da loja virtual carregarem. É preciso que a experiência de navegação seja otimizada. A plataforma contratada precisa rodar de um jeito simples e ordenado. O intuito prioritário do sistema deve ser propiciar que o comprador encontre o que procura e consiga finalizar a compra com o menor número possível de cliques. O que irá determinar estes elementos são a arquitetura de software da plataforma aliada ao hardware.Outra característica importante das plataformas é que elas sejam capazes de oferecer funcionalidades específicas para que cada empreendedor necessita. Por exemplo,se o portal comercializa eletroeletrônicos,precisará de um serviço de busca avançada otimizado,de espaços bem posicionados para descrição das funções técnicas e dos vídeos mostrando o funcionamento do produto. Um último ponto a ficar atento é se a plataforma está sendo bem sucedida em atender a todos os tipos de público e fazer com que seu site seja amigável aos dispositivos móveis.2) EstratégiaEntender qual o posicionamento mais adequado para a loja virtual é primordial para qualquer negócio,ainda mais no e-commerce. O empreendedor tem que fazer para si mesmo a pergunta:qual o público quero atingir? Este tem que ser o marco para desenvolver um plano de negócios que abarque seus objetivos e vai balizar as medidas a serem tomadas. Outra orientação valiosa é entender quem são seus principais concorrentes em cada categoria de produto,pois só a partir deste estudo,será possível desenvolver a melhor política de elaboração de preço,que como qualquer empreendedor virtual sabe,é um fator de compra decisivo na internet. O lojista precisa ter bem definido em quais canais de venda ele pode atuar e a quantidade de orçamento disponível para divulgar produtos e comprar mídia na internet. Se o budget for racionado,vale utilizar as técnicas de SEO para melhorar o rankeamento nos motores de busca e trabalhar o comissionamento de forma colaborativa3) Política comercialO termo ‘markup’ designa o resultado da receita líquida,ou seja,é o que sobra no final. É fundamental ter muito nítido qual o ‘markup’ de cada produto. Assim é possível decidir com mais precisão e de uma maneira embasada quais os níveis de desconto e que tipos de parcelamentos o site pode oferecer para cada produto,qual a porcentagem de juros estipular e até mesmo se a operação daria conta de parcelar sem acréscimo no preço final.4) LogísticaChegamos ao ‘Calcanhar de Aquiles’ de todos os lojistas. O custo do frete é realmente primitivo e o principal ponto de atrito entre lojista e consumidor. O Brasil ainda depende muito dos Correios,mas existem outras transportadoras se aprimorando para alcançar uma capacidade cada vez maior de entregar os produtos em qualquer lugar do país. As empresas de logística evoluíram muito tecnicamente,colocando em prática a otimização das rotas para conseguir atender o comprador dentro do prazo acertado. De olho nesta evolução das empresas,existem sistema e plataformas que ajudam na gestão do frete,otimizando essa parte importante de um e-commerce. É o caso do sistema Rakuten Logistics - conectado atualmente aos Correios - já está plugando outras transportadoras para aumentar ainda mais sua eficiência. Esta vertical de negócios é extremamente importante dentro da operação da companhia,pois permite apresentarmos aos parceiros uma tabela de frete diferenciada,graças à escala proporcionada pela enorme quantidade de lojas parceiras da Rakuten.

Experiência em um e-commerce vai além da compra

Por Thiago Sarraf,CEO da Dr.e-commerceVivemos uma época em que o comum já não chama mais atenção em meio a tantas opções disponíveis. Por isso,apenas o produto e o ato de comprá-lo já não é suficiente por si só. É necessário,então,todo um trabalho por trás da venda,que neste caso pode ser considerada um dos passos finais em uma cadeia que começa com a apresentação de sua marca ao público e segue até depois da compra. Veja como melhorar a experiência do consumidor em seu e-commerce.Branding e Apresentação do produto - A capacidade de contar uma história que envolva o consumidor é uma das características mais importantes no branding de uma marca ou produto e um fator essencial no desenvolvimento da experiência que o cliente terá em seu e-commerce. Além disso,a apresentação do produto,desde um design bem pensado até as fotos disponíveis no site,com descrições detalhadas,claras e criativas,esses detalhes fazem toda a diferença.Layout e Atendimento - Invista em um layout que irá facilitar a vida do cliente do seu e-commerce. Ele precisa saber claramente todos os passos que deve seguir para completar sua compra. Além disso,um atendimento personalizado e humanizado faz toda a diferença. Nada de respostas automáticas ou robotizadas!A influência de compartilhar experiências - Com o surgimento das redes sociais,compartilhar uma foto,uma viagem,um acontecimento e até mesmo uma experiência tornou-se muito fácil. Por este motivo,proporcionar uma boa experiência ao usuário de seu site é muito importante. Se ele estiver satisfeito,pode contar sua história com a marca e influenciar várias pessoas a consumi-la também. Da mesma forma,uma experiência ruim é capaz de “sujar” seu nome. Uma pesquisa,cujo ranking o Brasil lidera,revela que 71% dos usuários utilizam as redes sociais para compartilhar experiências ruins com as marcas.

7 erros que levam ao abandono de carrinho no e-commerce

Em uma experiência 100% bem-sucedida no e-commerce,o consumidor pesquisa e compara preços e marcas até decidir comprar. Em seguida,visita o site,escolhe o produto e conclui o pedido. O problema é que,no meio dessa jornada,podem surgir contratempos que prejudicam o relacionamento do cliente com a loja e põem em risco a oportunidade de venda. Um grave sinal de que algo está errado é quando o cliente desiste da compra,após selecionar o produto. O abandono de carrinho é um dos indicadores mais temidos pelos lojistas online. Por este motivo,a Rakuten Digital Commerce destacou 7 erros dos quais todo lojista virtual deve fugir para combater esse vilão.1) Baixa navegabilidadeQuando visitamos uma loja física,queremos ser bem recebidos,circular à vontade e encontrar com facilidade o que procuramos. Esta expectativa também existe no ambiente online e tem tudo a ver com a navegabilidade. Não há nada mais desagradável do que se deparar com uma página que demora a carregar ou que exibe mensagem de erro,imagens que não abrem e botões que não funcionam. O lojista precisa estar atento e testar as funcionalidades do seu site sempre que possível como se fosse o seu cliente. Corrigir rapidamente as falhas e redirecionar as URLs com defeito para outras em perfeito funcionamento,pelo Redirect 301,são determinantes para que os consumidores concluam sua jornada de compra. Garantir uma boa navegabilidade não é um bônus,mas uma obrigação de todo e-commerce. Quando começar,você perceberá que este será um dos seus maiores aliados contra o abandono de carrinho.2) Usabilidade falhaSe a primeira impressão é a que fica,a usabilidade é outro aspecto forte que garantirá a percepção positiva da loja. Muitos e-commerces caem na armadilha de economizar nesse ponto e acabam perdendo vendas. Quer alguns exemplos de uma usabilidade falha? Botões de “call-to-action” mal posicionados,layout confuso,menus desorganizados,campo de busca escondido,pop-ups que interferem na navegação e fontes pequenas que dificultam a leitura,entre muitos outros.Todos esses erros aborrecem o consumidor e podem fazê-lo,inclusive,perder a confiança na loja. Ao equalizar os investimentos,o lojista precisa ter em mente que a experiência do usuário é um dos principais catalisadores da compra. Além de diminuir as taxas de abandono de carrinho. Por isso,considere dedicar parte de seus recursos para melhorar a usabilidade do seu site e alavanque sua conversão.3) Exigência de cadastro prévioO cliente encheu o carrinho e está pronto para fazer o checkout. Nesse momento,recebe o aviso de que precisa preencher um longo cadastro,para seguir adiante. Se você compra online com frequência,certamente,já passou por isso muitas vezes. As chances de que o cliente se irrite são grandes e o resultado é óbvio,não é? Carrinhos abandonados. A dica aqui é ter um cadastro enxuto. Solicite apenas os dados necessários do cliente e habilite o autopreenchimento sempre que possível para encurtar ao máximo essa etapa. Mais rapidez significa mais satisfação e potencial de venda.4) Checkout não otimizadoLogo após o cadastro,o cliente já inicia o checkout propriamente dito. Nessa hora,também é preciso se policiar para não ameaçar a conversão da loja. É um erro achar que esta será a única oportunidade de se conectar com o consumidor,tentando obter dele o máximo de informação. Pelo anseio de coletar dados suficientes,o site pode sobrecarregar o comprador e fazê-lo desistir do carrinho. Ter um processo rápido,prático e seguro é o ideal. Como fazer isso? Reduza a quantidade de etapas,se possível mantendo todos os campos necessários em uma página só. Essa matéria sobre o One Page Checkout da Rakuten fala mais sobre a importância de um modelo enxuto de finalização. No momento do pagamento,garanta que o cliente não será direcionado para outra página para inserir seus dados bancários. Sempre que puder,habilite as opções de autopreenchimento. A regra é:facilite a vida do comprador e terá sucesso.5) Meios de pagamento incompatíveisAinda no checkout,há um ponto crucial que pode fazer o consumidor desistir de comprar na loja:o pagamento. Se o site não oferece uma interface completa,com certeza perderá vendas. O que isso quer dizer? É preciso disponibilizar diferentes formas de pagar pelo produto ou serviço. As principais bandeiras de cartões de crédito do mercado e boleto bancário são algumas opções comuns para o público brasileiro. Vale lembrar que,para confiar suas informações à loja,o consumidor precisa reconhecer que está em um ambiente seguro. Atender às expectativas do cliente exibindo certificados e selos de segurança é essencial. Além disso,ter o protocolo HTTPS (Hyper Text Transfer Protocol Secure),que garante a criptografia dos dados do usuário,nas páginas da loja também é importante. Com essas iniciativas,dificilmente o e-commerce terá prejuízos por conta do pagamento e reduzirá o abandono de carrinho.6) Frete e prazo finalLembre-se:no e-commerce,não há vendedores acompanhando a jornada do cliente em tempo real. O que isso significa? Que o comprador precisa visualizar todas as etapas com clareza,no site. A comunicação deve ser objetiva,sem ruídos e,o principal,sem surpresas desagradáveis. Muitas vezes,o consumidor passa por todo o funil de vendas e só descobre quanto pagará de frete e qual será o prazo de entrega no final do checkout. Se o valor e a data não agradarem,ele deixará o carrinho sem pensar duas vezes. Que tal incluir um simulador de entrega junto à página do produto. O seu cliente,com certeza,dará mais valor à sua loja e terá uma experiência melhor.7) Experiência não responsivaO mobile já virou primeira tela em muitos países do mundo e o Brasil segue esse ritmo de perto. Por isso,nunca é demais repetir:não deixe sua loja alheia à transformação móvel. As compras online por smartphones e tablets estão crescendo a cada ano. De acordo com o último relatório Webshoppers,do Ebit,as vendas do e-commerce por esses dispositivos devem aumentar 40% este ano,abrangendo 32% do total de transações. Por isso,fique atento para que seu site funcione bem,não apenas na tela do desktop. Apesar de fecharem a compra no computador,muitos consumidores iniciam as pesquisas e enchem o carrinho via mobile. Se a loja não garante uma experiência responsiva,fica bem atrás da concorrência. Ainda mais,porque ser mobile friendly é,inclusive,um requisito de peso para os motores de busca do Google. Dê a atenção merecida a este requisito fundamental no e-commerce e logo perceberá as taxas de abandono de carrinho caírem.

Lojistas do Paraná faturam R$ 30 milhões com comércio eletrônico

De acordo com levantamento,no ano passado,o número de lojas virtuais abertas no estado cresceu 23% em comparação com 2015Para quem quer investir na área,no dia 27 de abril acontece em Curitiba o Ciclo MPE.net,evento gratuito realizado pela Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico para capacitar micros e pequenos empreendedoresEm 2016,o número de pessoas que abriram uma loja virtual no estado do Paraná cresceu 23% comparado com 2015. De acordo com um levantamento feito pela Loja Integrada (www.lojaintegrada.com.br) – plataforma para a criação de lojas virtuais mais popular do país com mais de 400 mil lojas criadas –,o faturamento do comércio eletrônico no estado mais que dobrou e chegou a quase R$ 30 milhões.A pesquisa mostrou ainda que o segmento que mais se destacou no Paraná durante o ano passado foi o de Games,com um faturamento de mais de R$ 7 milhões só na plataforma. Outros segmentos que também apresentaram bons resultados foram Moda e Acessórios seguido de Cosméticos,Perfumaria e Cuidados Pessoais.“O comércio eletrônico no Brasil vive um bom momento e já é alternativa para complementar a renda e driblar o desemprego. Só no ano passado,o setor teve crescimento de cerca de 11%. Isso porque,para quem vende na internet,o investimento inicial e os riscos são mais baixos,já que o empreendedor pode começar de casa e com um estoque pequeno”,explica Adriano Caetano,especialista em comércio eletrônico e fundador da Loja Integrada.Quem achou no comércio eletrônico uma alternativa para crescer e vender seu produto para o país todo foi o Luiz Fernando Natal,dono da loja virtual AdsiveShop (www.adsiveshop.com.br),que vende papel de parede,adesivos decorativos,quadros e placas. O empresário conta que já tem uma indústria no ramo há 15 anos,mas que só conseguia vender seus produtos localmente. Foi quando,em 2014,ele resolveu entrar no e-commerce. “As vendas online já representam 40% do faturamento do grupo. Só no ano passado,o nosso crescimento no comércio eletrônico foi 133% maior que em 2015 e chegamos a faturar quase R$ 1 milhão”,conta Natal.Para quem pretende investir no e-commerce em 2017,acontece em Curitiba,no próximo dia 27 de abril,o Ciclo MPE.net. Durante todo o evento,serão ministrados seminários gratuitos para capacitar micros e pequenos empreendedores interessados em abrir uma loja na internet ou aprimorar o seu negócio.Entre as palestras,o especialista em comércio eletrônico Adriano Caetano vai falar de como escolher a plataforma ideal para o seu e-commerce. O Ciclo MPE é iniciativa da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) e as inscrições podem ser feitas gratuitamente pela internet.Ciclo MPE CuritibaQuando:27 de abrilAuditório Thomas Morus - Pontifícia Universidade CatólicaRua Imaculada Conceição,1155 - Bairro Prado Velho(Bloco I Amarelo) Horário:8h às 18hInscrições:http://www.ciclo-mpe.net/web/inscricao/index?eventid=146Palestra:Como escolher a plataforma ideal para o seu e-commerce Palestrante:?Adriano Caetano,especialista em comércio eletrônico e fundador da Loja Integrada Horário:10h50 às 11h35

Cinco razões para acreditar nos Marketplaces

Por Luiz Pereira *Quem possui uma loja virtual ou pensa em abrir uma no Brasil certamente já ouviu a expressão “marketplace”. Estes sites nada mais são do que centros de compras virtuais,em que vários lojistas expõem seus produtos para os consumidores (semelhante ao shopping center no varejo físico). O modelo de negócio está em alta no e-commerce brasileiro justamente pelos inúmeros benefícios proporcionados aos consumidores e empresários. Porém,diferentemente dos modismos que surgem no comércio eletrônico,este conceito deve permanecer por anos como uma boa opção para alavancar as vendas. Confira cinco motivos para acreditar nos marketplaces:1 – As vendas no e-commerce começam no MarketplacePesquisa da Pymnts.com para a Amazon em 2015 já mostrava essa tendência global:64% dos consumidores admitiram que iniciam a busca por novos produtos nos centros de compras virtuais por conta da diversidade de itens e revendedores. A possibilidade de tirar dúvidas,economizar e comprar em um único site faz o consumidor adotar mais este modelo de compra. Logo,esse número deve aumentar ainda mais nos próximos anos. 2 – A relação custo x benefício é mais vantajosa para todosSe o consumidor consegue fazer tudo no Marketplace,os lojistas podem aumentar as receitas e diminuir os custos de operação e de marketing. Isso porque a maioria dessas empresas oferece um pacote serviços para o empresário poder rapidamente passar a vender os seus produtos no Marketplace. Assim,ele ganha fôlego para se dedicar a outros pontos importantes do seu negócio. 3 – Parceiras ajudam na evolução da loja virtualO Marketplace “empresta” sua credibilidade para as marcas inseridas em seu site,o que faz o varejista trabalhar com uma vitrine virtual para exibir os produtos e garantir o tráfego. Entretanto,essa parceria vai além das vendas e do marketing,envolvendo até mesmo o suporte tecnológico no momento da integração entre as ferramentas com a infraestrutura de TI. 4 – Novos públicos podem conhecer a sua marcaO número de consumidores que acessa um marketplace é infinitamente maior e mais diversificado do que aqueles que entram diretamente em uma loja virtual. Se o empresário realizar um bom trabalho na definição do portfólio que será disponibilizado no Markeplace e contar com preços atraentes,ele certamente atingirá um público diferente daquele que normalmente vinha comprado diretamente na sua loja aumentando significamente o volume de vendas.5 – É possível ter mais um ponto de venda para expor os produtos Por fim,aqueles que já possuem um e-commerce podem optar por montar uma loja dentro do Marketplace,ampliando os canais de venda na web e aproveitando os benefícios listados acima. A lógica é simples:com mais sites expondo seus produtos,mais pessoas irão visualizá-los e mais fácil será vendê-los.Mas nem tudo são flores. Num próximo texto iremos abordar os cuidados que um lojista deve ter e eventuais riscos ao apostar nos Marketplaces. O equilíbrio é a chave!* Luiz Pereira é COO da Precifica,primeira empresa do Brasil especializada em precificação inteligente

Celepar lança loja virtual

Em parceria com a Secretaria para Assuntos Estratégicos,a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná,lançou a Loja da Celepar,portal que apresenta soluções de TIC às prefeituras paranaenses,com base em políticas públicas implantadas pelo Governo do Estado. O objetivo,como explicou o presidente Jacson Carvalho Leite,é o de contribuir com a melhoria contínua nos índices de evolução da gestão municipal.O Paraná é o primeiro estado a ofertar,por meio de sua empresa estadual de TIC,aplicativos aos municípios através de uma loja virtual. A implantação destes sistemas,além de permitir a racionalização de custos,possibilita ainda um maior relacionamento da prefeitura com o cidadão pelo fornecimento de serviços públicos mais eficazes.Presidente do Conselho de Administração da Celepar,a secretária para Assuntos Estratégicos,Clecy Amadori,ressaltou que a loja é um marco para a companhia que,a partir de agora,passa a atuar de forma mais efetiva na modernização da gestão dos municípios paranaenses,principalmente nos de pequeno porte,que são os apresentam maiores dificuldades em acompanhar a rápida evolução que se processa na área tecnológica. Ela citou também dois projetos da secretaria voltados aos municípios,o Espaço Cidadão e o Rede 399,que contam com a participação direta da Celepar.Falando em nome dos prefeitos presentes no evento realizado na tarde de ontem (21),no Gabinete de Gestão e Informações (GGI),no Palácio Iguaçu,Luiz Carlos Setim,prefeito de São José dos Pinhais,município já atendido por soluções desenvolvidas pela empresa,disse que os administradores municipais precisam de ferramentas modernas voltadas à execução de uma gestão que atenda as expectativas dos cidadãos. “Os produtos que a Celepar está apresentando vêm ao encontro da necessidade da grande maioria dos prefeitos”,comentou.A loja virtual,como explicou o presidente Jacson Leite,é fruto dos mais de 900 aplicativos desenvolvidos pela Celepar à administração estadual,secretarias e vinculadas,“soluções construídas com o princípio de melhorar a qualidade dos serviços públicos ofertados à sociedade”. O dirigente lembrou ainda que o lançamento integra a programação de 50 anos da companhia,cujo aniversário será comemorado em novembro próximo.Primeira versãoNesta versão inicial,a Loja da Celepar oferece 19 produtos em diversas áreas de governo,como saúde,administração,transporte,educação e gestão. São eles:portal de transparência,pesquisa online,informações municipais,plano plurianual,manutenção de veículos,ouvidoria,agenda e relacionamento,gestão documental,expresso,ensino a distância,gestor de sites,prefeituras 156,infração de trânsito,informações estratégicas,rede social,sms,gestão hospitalar,data center e rede399.Atualmente,cerca de 70 prefeituras paranaenses já utilizam soluções desenvolvidas pela Celepar,principalmente os sistemas de gestão de trânsito,ouvidoria,plano plurianual e manutenção de veículos. Com a entrada em operação da loja virtual,a expectativa da companhia,como informou o assessor de mercado,Elcio Marcowcz,é ampliar este número para mais de 100 municípios atendidos até o final deste ano.Para conhecer a loja virtual,as equipes de tecnologia da informação e comunicação das prefeituras,bem como os demais interessados,devem acessar www.lojadacelepar.pr.gov.br,endereço eletrônico que contém os produtos ofertados,com destaque ao objetivo,funcionalidades,vantagens e preço de cada solução,além dos passos para o atendimento da solicitação pela área de mercado da Celepar.Veja os produtos da loja virtual.Fonte:Celepar