O Vale do Silício brasileiro

Por João Panceri e Aldo Macri

Sempre que falamos sobre tecnologia e novas tendências, remetemo-nos ao Vale do Silício, na Califórnia, nos Estados Unidos. Trata-se de uma região de referência para as grandes empresas do ramo onde elas trocam ideias e mantêm um espaço de inovação e de tecnologia da informação. Porém, outras regiões têm investido em espaços para reunir as principais startups, buscando alavancar e promover esse tipo de empreendedorismo. Aqui no Brasil, temos o Vale do Pinhão, localizada na capital paranaense, que busca consolidar e ampliar o movimento de inovação que Curitiba estabeleceu nos últimos anos.

A cidade de Curitiba, com seu histórico e vanguarda de inovação, tem atraído diversas startups e mão-de-obra de fora, principalmente, por causa das possibilidades criadas pela região, em conjunto com a criação do Vale do Pinhão. O Movimento 100 Open Startup, que avalia a atratividade dessas empresas para grandes instituições, posicionou a capital paranaense como uma das mais importantes. O levantamento revela que há dez microempresas sediadas na cidade que estão entre as mais relevantes do Brasil dentro do perfil de startups. A mais bem colocada, por exemplo, tem o foco total na realidade aumentada e virtual da indústria 4.0, além do propósito de resolver problemas de maquinários no chão das fábricas.

Esse boom dá-se por diversos motivos, entre eles, o ecossistema local e o fato de as pessoas estarem buscando inovação por meio de tecnologia e gerando novos negócios. Todos eles somados acabaram tornando a cidade de Curitiba em uma referência em tecnologia no Brasil. Mesmo enfrentando algumas dificuldades por fatores que fogem da alçada da sociedade, Curitiba concentra cerca de 57% das startups do estado do Paraná, trocando informações, agregando conhecimento e trabalhando em prol do desenvolvimento local. Além das universidades e a própria iniciativa privada, por meio de grandes corporações locais e empreendedores que buscam constantemente estabelecer novos negócios inovadores. Outro ponto que precisa ser destacado é o incentivo da prefeitura municipal que realiza um projeto de pesquisa e inovação para as empresas de tecnologia localizadas na capital. As companhias enquadradas nesse programa recebem benefício fiscal com a redução de alíquota de Imposto Sobre Serviços (ISS) de 5% para 2%. É uma forma de incentivar as startups a se instalarem na cidade. Vale ressaltar que o governo também estabeleceu um incentivo estadual para empresas que promovem a expansão de seus negócios no estado. Esse é um projeto que faz parte do Programa Paraná Competitivo.

Além desses benefícios, Curitiba também possui um parque tecnológico que integra o Vale do Pinhão. Esse ecossistema de inovação composto basicamente por universidades, aceleradoras e startups visa aos avanços na área de inovação para agregar melhorias à qualidade de vida dos cidadãos e gerar eficiência nas operações urbanas. Esse é outro ponto benéfico para as startups migrarem para Curitiba, pois a troca de informação é fundamental para o crescimento.

Manter os interesses das startups em continuar no Vale do Pinhão é primordial para o crescimento e investimento dos empreendedores na região. Quanto mais benefícios essas empresas angariarem, mais o espaço receberá uma diversidade de companhias. Somando essas duas ações, podemos ter, em questão de comparação, um verdadeiro Vale do Silício brasileiro.

João Panceri, o sócio da KPMG responsável pelo estado do Paraná e de Clientes e Mercados da região Sul
Aldo Macri, sócio-diretor da KPMG responsável por Clientes e Mercado da região Sul

Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.