Smart City Expo Curitiba: tecnologias disruptivas transformam cidades e promovem benefícios diretos para a população

Um dos quatro principais pilares dos debates que ocorrerão no Smart City Expo Curitiba 2018, em 28 de fevereiro e 1º de março, é o segmento de tecnologias disruptivas, que vem transformando as cidades em polos cada vez mais conectados, com o objetivo de facilitar e melhorar a vida dos moradores.

O evento, que trará a Curitiba especialistas do mundo inteiro, discutirá como cidades que adotam inovações utilizam recursos de inteligência artificial, internet das coisas, big data, robótica e aplicativos móveis para oferecer serviços mais eficientes e sustentáveis que trazem qualidade de vida aos cidadãos e são capazes de solucionar alguns dos principais problemas urbanos. As novas tecnologias apresentam dispositivos mais conectados por meio da internet das coisas e são enriquecidas com sistemas de “deep learning”, que permitem que as máquinas adquiram um conhecimento complexo para as operações digitais muito além de algoritmos matemáticos e estatísticas.

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em relatório sobre smart cities, aponta que estão entre os pilares tecnológicos básicos de uma cidade inteligente a infraestrutura de conectividade, sensores e dispositivos conectados, centros integrados de operação e as interfaces de comunicação.

A conectividade de alta velocidade fixa ou móvel por meio de cabos, fibra óptica e conexão sem-fio (Wi-Fi, rádio, 3G, 4G e em breve o 5G) são a base para a instalação de sensores, câmeras e dispositivos conectados a uma grande rede de dados que permitem que os cidadãos recebam informações úteis e demandem serviços essenciais. “Já é possível controlar o uso de água e de energia, realizar a coleta e reciclagem de lixo de maneira mais eficiente, melhorar o trânsito e planejar a segurança pública”, exemplifica André Telles, diretor de marketing do iCities, empresa que lidera a organização do Smart City Expo Curitiba 2018.

Nesses casos, a população fica conectada por meio de suas interfaces de comunicação (redes sociais, portais web e aplicativos móveis) e todo o sistema é monitorado por meio de centros integrados de comando e controle, que recebem dados, imagens e informações e verificam o bom funcionamento de todas as operações, além de planejar uma gestão com modelo unificado e participativo.

Um exemplo de cidade que se destacou no uso de tecnologias inovadoras é Dubai, que recebeu o prêmio de cidade inteligente no Smart City Expo World Congress em 2017. O governo local está utilizando a “blockchain” para registrar e processar todos os documentos e transações imobiliárias até 2020. A “blockchain” é um sistema de registros que garante a segurança de operações virtuais e se tornou conhecido principalmente por validar as operações com criptomoedas em todo o mundo.

Em Singapura, a reunião de dados de pacientes com histórico de internações nos últimos seis meses possibilitou que os médicos atendessem os doentes em casa, poupando a utilização de diárias em hospitais. Já Barcelona desenvolveu lixeiras inteligentes que avisam a prefeitura quando estão com 70% de sua capacidade esgotada, além de semáforos inteligentes que oferecem informações úteis para controle do trânsito.

Quem também apresenta tecnologias inovadoras para a construção de uma smart city é o projeto Santiago Smart City, localizado no centro empresarial da cidade de Huechuraba, região metropolitana da capital chilena. O gerente do projeto, Pedro Vidal, será um dos palestrantes do evento em Curitiba.

Entre os diferenciais está a utilização de um sistema de gestão remoto que permite apagar, acender e mudar a intensidade de cada luminária da cidade de maneira individual de acordo com o horário, clima ou época do ano. A cidade conta ainda com um sistema de videomonitoramento com câmeras Full HD, análise de vídeo integrada e sistema de alerta audiovisual. Além disso, os habitantes do projeto chileno possuem à disposição wi-fi gratuito em alguns pontos.

Seguindo os passos apontados pelo BID para a construção de uma cidade inteligente, todo o sistema conta com uma rede automatizada que transfere todas as informações disponíveis para um centro de controle. Por meio de quatro alimentadores que atendem a seções específicas da cidade, é possível identificar e corrigir qualquer falha em serviços essenciais rapidamente, sem que isso afete a população.

Curitiba também está representada como uma cidade que possui tecnologias inovadoras para a população. O aplicativo Saúde Já, por exemplo, permite agendar consultas na rede pública de saúde por meio do celular a fim de evitar filas em hospitais. Além disso, a Prefeitura também oferece os espaços dos Faróis do Saber e da Inovação que possui espaços destinados às crianças para o contato com diversas formas de tecnologia e educação.

Tags , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.