A importância da inovação nos times de recursos humanos

Você sabia que as funções de captar, treinar, aperfeiçoar, gerenciar e manter os melhores talentos nas organizações vêm passando por grandes mudanças? Provavelmente sim e isso acontece por conta das novas tecnologias. Por isso, é de suma importância que o setor de recursos humanos das empresas estejam sempre em busca de inovações.

Para auxiliar nesse processo, o CEO da Heach Recursos Humanos, Elcio Paulo Teixeira, preparou algumas dicas sobre inovações no segmento de RH

Comunicação aberta

Parece algo simples, mas não é comum nas empresas. Ter a comunicação aberta, fazer com que a equipe sinta a liberdade de falar sobre os problemas relacionados ao trabalho e ter como resolver muda muito o ambiente de trabalho. Na Heach Recursos Humanos acontecem reuniões diárias, no mínimo duas vezes por dia, uma ao começar o trabalho e outra na hora de finalizar o expediente, para as equipes compartilharem todas as informações de todas as áreas da empresa.

“Nessas reuniões diárias, conseguimos verificar as demandas, solicitar ajuda aqueles que entendem mais sobre determinados assuntos, redistribuir tarefas. Se as empresas adotassem isso, a comunicação seria mais leve e os funcionários ficariam mais motivados, pois sabem que todos estão dispostos a ajudar”, explica Teixeira

Qualificações

Na maioria das vezes, os funcionários sentem que estão estagnados em seus cargos, não vendo a possibilidade de crescimento e, também não são motivados a fazer o melhor trabalho. Para isso, uma dica valiosa é fazer testes de qualificações com os colaboradores, não importando os cargos.

“Os testes de qualificações fazem com que o funcionário entendam que a companhia está buscando vias de melhorar o trabalho de todos. Então, eles podem ser a inserção do colaborador em um novo projeto, mudar o processo de trabalho de determinado gerente ou algo do tipo”, afirma o CEO.

Consultoria em Neurociência

Neurociência pode ser conceitualizada como um conjunto de investigações científicas a respeito da interação do cérebro e o ambiente. É uma ciência interdisciplinar, ou seja, conversa com outros estudos de evidências empíricas de áreas como Economia, Psicologia, Medicina e como estes dados somam no entendimento do funcionamento de nosso sistema nervoso.

Uma empresa, antes de mais nada, é feita de pessoas. A área de Recursos Humanos cada vez mais tem um papel relevante nesta dinâmica pessoas-empresas, cada dia mais ampla devido ao fato de o conhecimento técnico não poder ser mais o único diferencial. A Neurociência estuda, de uma forma geral, o funcionamento dos pensamentos, das percepções, das tomadas de decisão e vários outros fatores que influenciam e são influenciados pelas pessoas que fazem a empresa.

Ela pode fornecer ferramentas e diferenciais poderosos para os profissionais de RH exercerem seus papéis de maestros desta orquestra chamada empresa formada por pessoas, cada uma tocando seu instrumento.

Atualizada com evidências científicas, pode ajudar a arquitetar treinamentos mais eficazes por entender de forma precisa como o cérebro de um adulto apreende, e estruturar com a área de TI políticas de avisos por e-mail lembrando ao colaborador, por exemplo, de que é hora de relembrar um assunto treinado para maior retenção na memória de longo prazo.

Pode disponibilizar através de informativos e dicas internas as práticas úteis e comprovadas para auxiliar as pessoas a elevar suas performances, como planejar as atividades do dia da forma mais específica possível para evitar a procrastinação, ou as dúvidas no que fazer, já que sabemos que nosso cérebro tem muita dificuldade de entender comandos subjetivos ou inespecífico.

Inteligência Artificial nos processos

A tecnologia vem ocupando cada vez mais espaço no dia a dia da sociedade. E o RH não poderia ficar de fora dessa evolução. O processo seletivo é um momento decisivo para toda e qualquer empresa. E é fundamental que a eficiência esteja presente em todas as suas etapas.

A Inteligência Artificial traz a padronização nos processos seletivos e mais objetividade na avaliação de habilidades e capacidades dos candidatos.

Um único software disponibiliza métricas, dados, indicadores e muito mais; e isso tudo em tempo real. Agora, além de divulgar as vagas por meio da internet, os programas criam um banco de cadastros com os currículos enviados, facilitando, desse modo, a busca por candidatos a cada novo cargo disponibilizado.

Há também a possibilidade do contratante imputar novas informações na plataforma, criando um programa de recrutamento para cada perfil desejado. Assim, gera-se um modelo de contratação estruturado, com mais precisão no processo.

“Mas, não se pode esquecer que o trabalho humano também tem suma importância. Então, com o tempo que era utilizado para fazer as demandas que a Inteligência Artificial é capaz de fazer, os profissionais são treinados para ter uma alta performance, ou seja, utilizar a ferramenta da melhor maneira possível e, também, ser o melhor nos processos humanos, como, por exemplo, nas entrevistas”, afirma Elcio Paulo Teixeira.

Indicadores de qualidade

Os indicadores para RH são instrumentos que permitem medir a performance dos processos, de acordo com os objetivos organizacionais. Dessa forma, são mensurados os seus níveis de desempenho e sucesso para as atividades desempenhadas no setor.

Para conseguir medir a efetividade do trabalho que vem sendo feito pelo time de recursos humanos, é necessário criar indicadores de qualidade. Não adianta ter um treinamento para desenvolver líderes, sendo que não há a dimensão de como os líderes eram antes e como eles devem ficar.

A principal aplicabilidade dessa avaliação é analisar a efetividade das projeções corporativas, ou seja, conferir os resultados obtidos com os planejados. Para o setor de recursos humanos, é imprescindível que se faça o acompanhamento dos principais indicadores de RH, sem os quais não há como desenvolver uma boa estratégia de trabalho.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.