Author Archive admin

Por que gastar comprando se você pode economizar trocando?

Novo aplicativo criado em Curitiba explora um nicho de mercado que tende a crescer nos próximos anos: a troca de produtos e serviços entre pessoas sem a necessidade de dinheiro

“Durante a pandemia percebemos um aumento no número de pessoas ofertando e aceitando produtos e serviços à base de troca – então, pensamos, por que não criar um aplicativo para facilitar a vida de quem gosta de negociar nessa modalidade?”, aponta Luiz Fernando Gerber, um dos fundadores do Finpli.

O Finpli é um sistema muito simples de usar. As pessoas baixam o aplicativo na Apple Store ou na Google Play, se cadastram e já estão aptas a usar. Basta cadastrar os produtos que deseja trocar, com foto e descritivo, como em qualquer aplicativo de compra e venda, e indicar o preço de referência, que servirá como base para a negociação.  Depois, é só esperar pelas ofertas de troca.

Através de um poderoso sistema de geolocalização, os usuários do Finpli podem localizar pessoas próximas que tenham os produtos que queiram trocar e fazer a proposta. Caso haja o aceite das duas partes ou, usando uma linguagem de internet, dê match, um chat privado é aberto para que os usuários combinem a troca  e se encontrem para trocar os produtos. O objetivo é unir as pessoas que desejam fazer as trocas e, como não há valor financeiro, a empresa não tem nenhum ganho sobre elas.

O projeto ainda está em captação de base. Em três semanas, sem investimento, apenas no famoso “boca a boca”, mais de mil pessoas fizeram o download e se inscreveram. A maioria já está cadastrando produtos e serviços, que vão de roupas usadas a imóveis que as pessoas aceitam trocar por um de menor valor, por exemplo. Isso mostra que o Finpli será um aplicativo muito democrático, sem restrições em relação às trocas. O aplicativo dispõe de um filtro por categorias de interesse, tornando-o personalizável para diversas comunidades.

Atualmente, o Finpli conta com seis pessoas para desenvolver sua tecnologia. Em breve, abrirá vagas para times comerciais e de atendimento. A ideia é monetizar de outras formas que não em comissão por cada troca, até porque não estará envolvido dinheiro em nenhuma transação, por isso, para 2021 não há projeção de faturamento, uma vez que os planos de monetização, que na maioria passam por publicidade, têm relação direta com o tamanho da base. Portanto, será um ano para estudos, melhorias, novas ideias e, acima de tudo, aprimoramento da experiência do usuário, algo que Marcelo Kume, outro sócio criador do aplicativo, acredita ser essencial para o sucesso.

O mercado de Curitiba foi eleito para os testes, não apenas por ser a cidade onde o Finpli nasceu, mas por ser um excelente mercado para testes de produtos e serviços. A ideia é, no segundo semestre de 2021, avançar a área de atuação do aplicativo para o Sul e Sudeste e, com o sucesso, abrir para todo o país em 2022, inclusive ampliando as parcerias que já estão sendo mapeadas.

“A dinâmica do Finpli, com seu formato único no mercado, são os diferenciais que apostamos no aplicativo. Algumas plataformas, cujo foco são as vendas, até exploram a troca, mas de uma forma tímida e não segmentada. O Finpli veio para preencher essa lacuna, sendo exclusivamente para a troca de produtos e serviços locais”, aponta Marcelo.

MadeiraMadeira anuncia aquisição da iTrack Brasil

A MadeiraMadeira , maior marketplace de produtos para casa no Brasil, anuncia sua primeira aquisição: a startup de tecnologia para logística iTrack Brasil . No início do ano, a empresa recebeu um investimento de U﹩190 milhões co-liderado pelo SoftBank Latin America Fund e Dynamo, tornando-se o mais novo unicórnio da América Latina.

A MadeiraMadeira já havia anunciado sua intenção de usar os recursos recebidos em sua última captação na ampliação de sua malha logística e em M&As estratégicos. A operação anunciada cobre justamente esses pontos e mostra a consistência da estratégia da empresa. “Passamos a perceber que nosso alto crescimento, saudável e constante, não aconteceria apenas de maneira orgânica como foi nos últimos anos. Existem diversas empresas no Brasil e fora que já tem seus produtos testados e validados pelo mercado e com empreendedores incríveis. Por que não nos juntarmos para construir algo muito maior?”, conta Daniel Scandian, cofundador e CEO da MadeiraMadeira.

Com o objetivo de elevar a barra em termos de qualidade dos produtos e eficiência logística, além de entregar aos clientes os menores preços, com a mais alta qualidade, a companhia está investindo para continuar a crescer exponencialmente em escala. Com a Bulky Log, a empresa já conta com 14 unidades operacionais (entre centros de consolidação e last-mile) além de um centro de fullfilment com 35 mil m2 localizado em Jundiaí – SP. A aquisição da iTrack vem para somar nesse cenário.

“Acreditamos que o nosso cliente deve ter a melhor experiência de entrega e para que isso seja possível, estamos fazendo diversos investimentos na área de logística e tecnologia. A iTrack é um desses grandes investimentos e traz em sua bagagem produtos testados por diversas grandes empresas e muito know-how em supply-chain gerando impacto direto na experiência de nosso consumidor final”, completa Scandian.

Fundada em 2017, por Daniel Drapac, a iTrack Brasil é uma empresa de tecnologia especializada em soluções sistêmicas para logística com objetivo de solucionar gargalos operacionais, melhorar eficiência e, principalmente, a experiência do cliente. A empresa desenvolveu diversos produtos que abrangem desde o rastreamento de uma carga entre pontos da cadeia de distribuição até a roteirização e a gestão completa de uma operação logística (TMS).

Daniel Drapac, fundador e CEO da iTrack diz que “esta operação é um grande marco para a história da nossa empresa, um verdadeiro reconhecimento de que estamos no caminho certo ao prover soluções que, de fato, resolvem problemas e aproximam a cadeia de suprimentos. Fazer parte do grupo MadeiraMadeira nos deixa muito animados para continuar a construir um futuro ainda mais promissor”. Com a aquisição, os fundadores da empresa continuam com gestão autônoma e passam a fazer parte do Grupo MadeiraMadeira. A empresa segue olhando mercado para o ecossistema, buscando empreendedores que possam somar aos planos e sonhos ambiciosos da companhia à longo prazo.

Dia dos Namorados: 3 dicas para comprar com segurança na internet

Especialista orienta os consumidores para que a alegria de presentear a pessoa amada não se transforme em pesadelo cibernético


Comprar on-line tornou-se a opção de incontáveis brasileiros que buscam, além de praticidade, manter-se seguros contra o Coronavírus. Afinal na compra à distância não há contato físico, e é possível, ainda, enviar o presente para qualquer lugar do mundo no mesmo momento em que se está adquirindo o produto. Seria perfeito se não existissem os cibercriminosos que aproveitam, especialmente, as datas comemorativas e que impulsionam o comércio, para aplicarem golpes virtuais.

Veja as dicas do especialista em segurança digital e consultor técnico da Certisign, Márcio D’avila.

1. Vai usar o Pix Cobrança?

Nesta modalidade, o pagamento acontece instantaneamente por meio de um QR Code. “É importante ter um antivírus no celular e, ao scanear o código, verificar atentamente todos os dados, como o nome da pessoa/empresa e valor antes de efetivar a operação. Também é imprescindível, observar se o site para qual você foi direcionado está protegido pela criptografia de dados de um Certificado SSL emitido, de fato, para a empresa em questão”.

Segundo D’avila a maioria dos golpes pode ser identificada apenas observando as informações da transação. Ele explica que é possível identificar um site seguro pela presença de um cadeado na barra do navegador, a letra S no HTTP, ficando HTTPS, e o selo de segurança, que geralmente é fixado no rodapé da página. Ao observar esses sinais, clique no cadeado ou no selo e verifique as informações. “Se a loja for abc.com.br e o SSL tiver sido emitido para cba.com.br, é provável que o site seja falso e, ao continuar a operação, seus dados poderão ser roubados”.

2. Cuidado para não ser pescado!

Nas altas temporadas de compras, os ataques de phishing são ainda mais recorrentes. A isca? Promoções fabulosas que são enviadas por e-mail e mensagens, e ao clicar no link, seus dados podem ser roubados. “Recebeu uma promoção? Não se deixe enganar pela aparência. Muitos criminosos fazem cópias de e-mails e sites idênticas a de lojas consagradas. Verifique o remetente, se há erros de digitação… Se tudo parecer ok, ao clicar no link, antes de preencher formulários ou efetivar a compra, veja se o site é seguro”.

Aqui valem as mesmas dicas do item anterior: verifique se há um cadeado no navegador e um selo de segurança. Clique e confira as informações.

3. Selfie no aplicativo

Escolheu o presente e chegou a hora de se identificar para concluir a compra? Observe se há a opção de utilizar a biometria facial no lugar do login e senha, porque dificulta o roubo de dados. “A biometria identifica por meio dos traços do rosto, e cada rosto é único”, afirma.

O especialista explica que a identificação biométrica, atualmente, é capaz de detectar até mesmo o uso de máscaras hiper-realista. “Por meio da funcionalidade, baseada em inteligência artificial, chamada Liveness, é possível detectar se por trás da imagem há vida e, portanto, que não se trata de uma foto, por exemplo, ou de alguém usando uma máscara. Esses avanços têm permitido que cada vez mais serviços sejam ofertados na internet com total segurança, mesmo os que têm alta criticidade”.

Curitiba volta para a bandeira laranja nesta quarta-feira

Após nove dias com restrições mais rígidas para funcionamento das atividades, Curitiba volta, nesta quarta-feira (9/6), para a bandeira laranja, mas em estado de alerta. As medidas dadas pelo Decreto 960/2021 permitem o funcionamento de atividades e serviços com regras menos rígidas, novos horários e modalidades de atendimento. O novo decreto vale até o dia 16 de junho.

Para oportunizar a comemoração do dia dos namorados sem aglomerações, o Comitê de Técnica e Ética Medica liberou o funcionamento de restaurantes e lanchonetes neste domingo (13/6), mediante agendamento prévio e cumprimento dos protocolos sanitários.

Outras atividades de maior potencial de aglomeração seguem suspensas devido ao cenário da pandemia da covid-19 na capital, que ainda exige atenção. Embora a cidade tenha voltado à bandeira laranja, a pontuação dos indicadores ainda é alta, 2,34, muito próxima da vermelha, que é acima de 2,70.

“Se hover qualquer descuido ou falta de adesão aos protocolos, poderemos voltar a ter maiores restrições. Continuar na bandeira laranja ou até mesmo alcançar a amarela depende de todos”, disse a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak. 

Redução de circulação

Os dados divulgados diariamente pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) mostram que as ações para redução da circulação de pessoas, adotadas no período de bandeira vermelha, surtiram efeito.

Segundo a secretária, “a bandeira vermelha é uma intervenção ‘cirúrgica’ para dar fôlego ao sistema de saúde e reverter a direção da curva da pandemia. Até aqui o objetivo foi atingido”, disse.

Sob bandeira vermelha, a taxa de transmissão do novo coronavírus caiu de 1,16 para 0,89. O indicador mostra o possível número de novos contaminados por cada pessoa na fase ativa da doença. Para indicar desaceleração ele deve estar abaixo de 1.

A taxa de internamento por covid-19 em leitos clínicos também apresentou melhora. No dia 25 de maio atingiu 101% de ocupação e nesta semana chegou a 87%. A redução na entrada de novos pacientes deverá refletir na taxa de ocupação das UTIs, que tem maior demora para os resultados devido ao longo tempo de permanência de internamento. 

Diálogo aberto

Ao longo da semana a SMS convocou individualmente representantes de setores das diferentes atividades econômicas para debater o cenário da pandemia. Durante as reuniões também foi firmado um acordo de comprometimento pelos representantes de cumprimentos de todas as medidas e protocolos e intensificação de ações de comunicação e políticas internas para evitar novos casos.

“Essa é uma batalha que só vamos vencer unindo forças, afinal o inimigo é um só, o vírus”, alertou a secretária. 

Veja abaixo como fica o funcionamento das principais atividades e serviços na cidade :

Atividades suspensas

– Estabelecimentos destinados ao entretenimento, tais como casas de shows, teatros, cinemas, e atividades correlatas;

– Estabelecimentos destinados a eventos sociais e atividades correlatas, tais como casas de festas, de eventos ou recepções, incluídas aquelas com serviços de buffet, bem como parques infantis e temáticos; 

– Estabelecimentos destinados a mostras comerciais, feiras de varejo, eventos técnicos, congressos, convenções, eventos esportivos com público externo, entre outros eventos de interesse profissional, técnico e/ou científico;

– Bares, tabacarias, casas noturnas e atividades correlatas;

– Reuniões com aglomeração de pessoas, incluindo eventos, comemorações, assembleias, confraternizações, encontros familiares ou corporativos, em espaços de uso público, localizados em bens públicos ou privados;

– Circulação de pessoas, no período das 21 às 5 horas, em espaços e vias públicas, salvo em razão de atividades ou serviços essenciais e casos de urgência; 

– Consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas. 

Atividades com restrições

– Atividades comerciais de rua não essenciais, galerias, centros comerciais e feiras de artesanato: das 9 às 19 horas, de segunda a sábado, sendo autorizado aos domingos apenas o atendimento na modalidade delivery até às 19 horas; 

– Atividades de prestação de serviços não essenciais, tais como escritórios em geral, salões de beleza, barbearias, atividades de estética, serviços de banho, tosa e estética de animais, imobiliárias, museus e circos: das 9 às 20 horas, de segunda a sábado, com proibição de abertura aos domingos; 

– Academias de ginástica e demais espaços para práticas esportivas individuais e coletivas: das 6 às 21 horas, de segunda a sábado, com proibição de abertura aos domingos;

– Shopping centers: das 10 às 21 horas, de segunda a sábado, sendo autorizado aos domingos apenas o atendimento na modalidade delivery até às 19 horas;
 
– Restaurantes de rua: das 10 às 23 horas, em todos os dias da semana, com a entrada dos clientes até 22 horas e encerramento das atividades de atendimento ao público até 23 horas, permitido o consumo no local, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (self-service), sendo autorizado até às 23 horas nas modalidades delivery, drive-thru e retirada em balcão (take away); e aos domingos com consumo no local condicionado ao agendamento prévio e nas modalidades delivery, drive-thru e retirada em balcão (take away) até às 23 horas; 

– Lanchonetes de rua: das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana, com a entrada dos clientes até 22 horas e encerramento das atividades de atendimento ao público até 23 horas, permitido o consumo no local, inclusive na modalidade de atendimento de buffets no sistema de autosserviço (self-service), sendo autorizado até às 23 horas nas modalidades delivery, drive-thru e retirada em balcão (take away); e aos domingos com consumo no local  condicionado ao agendamento prévio e nas modalidades delivery, drive-thru e retirada em balcão (take away) até às 23 horas;

– Comércio ambulante de rua de alimentos e bebidas: das 6 às 23 horas, em todos os dias da semana;

– Panificadoras, padarias e confeitarias de rua: das 6 às 21 horas, de segunda a sábado, permitido o consumo no local, sendo autorizado aos domingos, das 7 às 18 horas, ficando o consumo no local condicionado ao agendamento prévio; 

– Lojas de conveniência em postos de combustíveis: das 6 às 21 horas, em todos os dias da semana, permitido o consumo no local;

Para os seguintes estabelecimentos e atividades, das 6 às 21 horas, de segunda a sábado, sendo autorizado até as 23 horas na modalidade delivery, e aos domingos apenas o atendimento na modalidade delivery até as 23 horas: 

a) comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, sacolões,  distribuidoras de bebidas, peixarias e açougues; 

b) mercados, supermercados e hipermercados;

c) comércio de produtos e alimentos para animais;

d) feiras livres;

e) lojas de material de construção.

– Nos parques e praças, fica permitida a prática de atividades individuais ao ar livre, com uso de máscaras, que não envolvam contato físico entre as pessoas, observado o distanciamento social.

– As igrejas e os templos de qualquer culto deverão observar a Resolução n.º 440, de 30 de abril de 2021, da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná, que regulamenta a realização das atividades religiosas de qualquer natureza.

Todos os estabelecimentos e atividades em funcionamento deverão respeitar o Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social de Curitiba e as orientações, protocolos e normas da Secretaria Municipal da Saúde para cada segmento de atividade, no que se refere à prevenção da contaminação e propagação do novo coronavírus.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Setor de varejo inicia processo de retomada de crescimento, aponta a KPMG

A KPMG realizou uma pesquisa analisando quatro possíveis padrões de retomada dos 40 principais setores da economia brasileira, após um ano do início da pandemia da covid-19. Segundo o estudo, o setor de varejo – especialmente nos segmentos online, farma e alimentar – está no processo de crescimento, em que as empresas que atravessam o atual momento ganham fôlego com o comportamento do consumidor, favoravelmente alterado durante a crise.

Entre os principais desafios para o segmento apontados pelo relatório, as medidas de restrição de circulação ainda vigentes transformaram profundamente os hábitos dos consumidores, que seguem preocupados com segurança. Com isso, o varejo online ganhou protagonismo e tornou-se alternativa ao fechamento das lojas. Também por essa razão, tornou-se fundamental reavaliar os meios tradicionais e consolidar novos modelos de omnichannel (estratégia entre canais que pode melhorar a experiência do usuário).

“A pesquisa apontou que o consumo de artigos essenciais permanece em alta, enquanto o comércio digital surge como solução para a continuidade dos negócios Nesse cenário, o e-commerce consolidou-se como resposta ao fechamento das lojas, sendo que muitos comerciantes incorporaram o canal digital em definitivo”, analisa o sócio líder do segmento de varejo e líder de Clientes & Mercados da KPMG para as Regiões Norte e Nordeste, Paulo Ferezin.

Com relação às tendências para o setor de varejo, o relatório apontou que planejamentos plurianuais devem incorporar modelos mais flexíveis e de curto prazo. Decisões operacionais deverão ser mais direcionadas e embasadas por análise de dados em tempo real, com uso de inteligência artificial. O relatório indica mais alguns tópicos prioritários:

• Modelo De Negócios:

Marcas precisam demonstrar propósito, sustentabilidade, engajamento social e preocupação/cuidado com o cliente. Examinar novos modelos de negócios, estratégias de canais, contratos de trabalho e parcerias existentes. Uma parcela das lojas não serão mais reabertas e o foco do segmento estará nos canais digitais. Ampliação das lojas inteligentes (prateleira virtual, redução de espaço físico, cauda longa somente online, provador virtual).


• Modelo Operacional:

Maior sinergia entre fabricante e varejo: Repensar o “custo de fazer negócios”, com automação de processos por meio de RPA (automação) e IA (Inteligência Artificial). Os varejistas precisam reconhecer que as formas convencionais de corte de custos não serão suficientes e precisarão ir além para retornar à lucratividade. Será fundamental entender e modelar a demanda em cada um dos canais, balanceando o cronograma de reabertura de lojas físicas com o avanço do comercio digital. As lojas devem passar por alteração de layout e controle de fluxo, para evitar aglomerações.


• Mudanças De Hábitos Dos Consumidores:

Por um bom tempo as interações pessoais não serão mais as mesmas. Os consumidores não se sentirão confortáveis em retornar rapidamente para lojas físicas nem para locais com aglomerações, os canais digitais seguirão em alta, impulsionados por conteúdo de qualidade, influenciadores e promoções. Varejo de pouco contato cai no gosto do consumidor.


• Estratégia Lean: O varejo demanda muita inovação, seja em seu canal digital, seja na preparação das lojas para o conceito do Varejo Seguro. Soluções de rápida implementação são a tendência.


• Colaboradores: Equipe de back office deve ter retorno gradual, mantendo parte do trabalho em modalidade híbrida. O vendedor digitalizado, potencializado por tecnologia digital, passará a atuar nas lojas, mantendo a segurança e o cuidado necessário.


• Estrutura De Capital: Revisão dos portfólios de lojas, categorias e sortimento, preservando resultados de curto prazo e caixa. Fortalecimento da estrutura de capital e ampliação do CAPEX voltado à transformação dos negócios para a “Nova Realidade”.


• Gestão De Riscos: Fortalecer e/ou implementar uma política de gestão de riscos, Governança e Gestão ESG, que permitam à companhia enfrentar cenários de crise antes vistos como impossível ou improvável.

Sobre a pesquisa “Tendências e a nova realidade – 1 ano de covid-19”:

O relatório da KPMG traz informações relevantes e um balanço sobre como as empresas vêm respondendo aos desdobramentos desde o início da crise, indicando quatro padrões de retomada para os setores. De acordo com a pesquisa, podem ser consideradas em processo de crescimento, as empresas que escalam o pós covid-19 com o comportamento do consumidor favoravelmente alterado durante a crise. Já no retorno ao normal, essas organizações são vistas como essenciais. No terceiro estágio intitulado no relatório como “transformar para emergir” estão as empresas que se recuperarão, mas ao longo de um caminho prolongado, exigindo reservas de capital para resistir e transformar modelos operacionais e de negócio. Por fim, em reiniciar, essas organizações lutam para se recuperar da covid-19 devido à demanda permanentemente reduzida por ofertas, capital insuficiente para evitar recessão prolongada ou má execução da transformação digital.

“A análise destaca que líderes de diferentes mercados têm buscado enfrentar esse momento com resiliência, informação e planejamento estratégico, de modo a antecipar possíveis entraves e obstáculos e, assim, obter os resultados esperados mesmo em um período complexo e desafiador. O estudo aponta as especificidades dos setores abordados, incluindo as tendências, as medidas que as empresas têm adotado para mitigar os reflexos do atual cenário, os principais desdobramentos observados neste último ano, as lições aprendidas e os riscos inerentes aos mercados”, finaliza o sócio de clientes e mercados da KPMG no Brasil e América do Sul, Jean Paraskevopoulos.

O documento completo está disponível no seguinte link: https://home.kpmg/br/pt/home/insights/2021/04/negocios-nova-realidade.html

HC da UFPR busca voluntários para teste com possível remédio contra Covid-19

O Complexo Hospital de Clínicas- UFPR/Ebserh está participando de um estudo clínico internacional que investiga um medicamento antiviral como possível tratamento para a COVID-19. Os testes clínicos preliminares indicaram segurança e eficácia do medicamento.

O estudo, no entanto, realizará ainda mais uma etapa de testes e precisa de voluntários para que esse tratamento possa ser validado. Para participar, os interessados precisam ter testado positivo para Covid nos últimos quatro dias e seguir os seguintes critérios: não ter recebido nenhuma dose de vacina contra a COVID-19 e ter a confirmação de Covid-19 (por PCR ou teste rápido) com até 5 dias do início dos sintomas. Além disso, é necessário apresentar ao menos um fator de risco como: ter idade maior do que 60 anos, obesidade, doença renal crônica, diabetes, problemas cardíacos graves, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ou câncer ativo.

Para mais informações e cadastro, os voluntários devem entrar em contato pelo telefone 41-99116-0066 (telefone/whatsapp) que está disponível todos os dias, inclusive aos finais de semana.

Fonte: Hospital de Clínicas da UFPR.

EBANX reúne Nina Silva e líderes da fintech em evento sobre mulheres na tecnologia

Nesta quinta-feira (10), o EBANX, fintech unicórnio fundada no Brasil e que oferece soluções de pagamento da América Latina para sites como AliExpress, Uber e Spotify, promove o Mulheres e Tech, com Nina Silva, que é fundadora do Movimento Black Money e uma das pessoas mais influentes do mundo, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), além de ser uma das principais referências em Tecnologia. Online e gratuito, o evento começa às 19h e pretende discutir a participação feminina no setor tecnológico, bem como os desafios e possíveis caminhos a serem seguidos.

Além de Nina Silva, estarão no palco do evento Erika Daguani, VP de Produto do EBANX, que possui mais de 20 anos de experiência no mercado de pagamentos e lidera iniciativas de produto em todos os países em que a empresa opera na América Latina; e Juliana Borges, diretora de Operações do EBANX, com mais de 15 anos de experiência no setor e responsável pelos times que garantem os fluxos de autorizações de pagamento da fintech.

A iniciativa é mais um passo da fintech em direção ao compromisso assumido de ajudar a diminuir o gap de gênero na tecnologia. “Atualmente temos mulheres ocupando 45% dos cargos da empresa, um percentual acima da média para empresas de tecnologia e do qual nos orgulhamos. Mas nossa missão é chegar a um equilíbrio igualitário, que perpasse todas as áreas, inclusive as específicas de Tecnologia, e que seja sentido também fora do EBANX. Este evento é uma forma de levar o debate para além dos nossos escritórios, para que esta missão possa sensibilizar o maior número de pessoas e empresas”, diz Michelle De Cerjat, coordenadora de Comunidade do EBANX.

Em maio, EBANX lançou programa de estágio exclusivo para mulheres

Mulheres e Tech, com Nina Silva vem na esteira de outras ações do EBANX para promoção da equidade de gênero dentro e fora da empresa. Em maio deste ano, a fintech lançou edição do programa de estágio em tecnologia exclusiva para mulheres, em cinco especialidades: Dados, Desenvolvimento de Software, Infraestrutura, Operações de Cloud e Cibersegurança, e Segurança da Informação. As inscrições ainda estão abertas e vão até o dia 17 de junho.

Evento Mulheres e Tech, com Nina Silva
Data: quinta-feira, 10 de junho de 2021, às 19h
Inscrições: gratuitas e vão até o dia do evento (10/06), pelo site https://mulheresetech.ebanx.com/
Transmissão: online, pelo site https://mulheresetech.ebanx.com/

Preço da gasolina avançou 45% nos últimos 12 meses, aponta Ticket Log

Litro do etanol também aumentou e está 50,40% mais caro que em maio de 2020

De acordo com o último Índice de Preços Ticket Log (IPTL), os preços médios da gasolina e do etanol voltaram a avançar em maio, em relação ao mês anterior. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a gasolina está 44,77% mais cara, e foi comercializada nos postos a R$ 5,798. Já o etanol avançou 50,40% nos últimos 12 meses e foi encontrado a R$ 4,822.

“Em abril, ambos os combustíveis haviam registrado redução nos preços. No início de maio, porém, o cenário já apontava ser de alta, o que foi comprovado com os valores médios por litros registrados ao considerar todo o mês. O preço médio da gasolina avançou 1,73% em relação a abril, e o etanol apresentou alta de 5,64%”, pontua Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

A gasolina mais barata e a mais cara do País foram encontradas na Região Norte. No Amapá, o combustível foi comercializado pelo menor preço médio, a R$ 5,318. Já no Acre, o valor mais alto, a R$ 6,325, após aumento nos postos acreanos de 1,09%. O Amazonas, outro estado nortista, registrou a maior redução nos preços, de 2,46% na comparação com abril.

O maior aumento de preços da gasolina em maio foi registrado em Santa Catarina, de 3,97%. Outro estado da Região Sul, o Rio Grande do Sul apresentou o etanol mais caro do País, a R$ 5,450, valor médio nos postos após alta de 3,18%.

Em São Paulo, o etanol apresentou o aumento mais significativo, de 13,54%, e o combustível foi comercializado a R$ 4,152 no estado. Já a maior redução no preço médio por litro foi registrada no Acre, de 1,28%. O menor valor, por sua vez, esteve em Mato Grosso, onde o etanol foi encontrado a R$ 4,134.

No recorte entre regiões, tanto a gasolina quanto o etanol avançaram em todas elas. A Região Sul registrou o maior aumento no preço médio da gasolina, de 3,06%, mas também o menor valor por litro, de R$ 5,598. O combustível mais caro foi encontrado no Centro-Oeste, a R$ 5,913.

Já o etanol apresentou cenário oposto. O combustível de maior valor médio por litro foi comercializado pelos postos do Sul, a R$ 4,948, e o mais barato foi encontrado no Centro-Oeste, a R$ 4,530. O aumento de preços mais significativo foi registrado na Região Sudeste, de 8,96%.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 21 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo. A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, conta com mais de 30 anos de experiência e se adapta às necessidades dos clientes, oferecendo soluções modernas e inovadoras, a fim de simplificar os processos diários.

Apesar das dificuldades, comércio do Paraná cresce 6,22% no 1º trimestre

Mesmo em um cenário adverso por causa da pandemia, o comércio paranaense mostra que tem forças para se recuperar. E já vinha fazendo isso nos primeiros meses de 2021. Segundo a Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), o varejo do estado teve aumento de 6,22% no primeiro trimestre do ano em relação ao mesmo período de 2020. Foi, inclusive, o 1º trimestre com maior crescimento desde 2013, o que permite à entidade projetar alta de 4% no comércio neste ano, apesar das dificuldades.

Os resultados ocorrem de maneira desigual entre os setores, sendo que alguns segmentos acumulam grandes elevações, tais como materiais de construção (22,62%), móveis, decoração e utilidades domésticas (16,95%), concessionárias de veículos (14,21%), farmácias (13,91%) e autopeças (12,85%). Por outro lado, há ramos com grandes quedas, refletindo as mudanças nos padrões de consumo ao longo da crise provocada pelo coronavírus, entre eles, calçados (-31,65%), vestuário e tecidos (-31,49%) e livrarias e papelarias (-28,52%).

Na comparação com o mês de fevereiro, a pesquisa registrou elevação de 2,04%, com destaque para farmácias (24,31%), supermercados (14,56%) e autopeças (10,00%). Já em relação a março de 2020, início da pandemia no Brasil, o desempenho do comércio paranaense em março deste ano foi ainda mais surpreendente, com alta de 13,68%. Despontam setores como concessionárias de veículos (47,61%), autopeças (37,62%), materiais de construção (29,39%) e móveis, decoração e utilidades domésticas (27,81%).

Análise regional

Praticamente todas as regiões do estado apresentaram evolução nas vendas do varejo no primeiro trimestre: Londrina (14,76%), Curitiba e Região Metropolitana (6,84%), Oeste (2,30%), Sudoeste (1,71%) e Ponta Grossa (0,75%). Apenas Maringá registrou redução de 8,24%.

O faturamento do mês de março na comparação com março de 2020 foi bastante expressivo em Londrina (25,85%), região Oeste (20,63%), Sudoeste (15,44%) e Curitiba e RM (10,11%). O comércio de Ponta Grossa também teve incremento de 2,75%. Já em Maringá, as perdas de março ficaram na casa dos 2,20%.

Fonte: Fecomercio PR

Tecnologia 5G deve revolucionar IoT e chatbots no Brasil

Rede móvel já está em operação em alguns países e promete transformar internet; Ubots apresenta 5 benefícios para o usuários

O 5G é a quinta geração da tecnologia de internet móvel, que vai substituir o atual 4G e promete velocidade superior a 100 vezes, quando comparada a rede atual. Com a chegada da atualização da rede móvel, muitas perguntas são feitas sobre seu funcionamento e quais benefícios os usuários terão na sua utilização.

Segundo o especialista em programação e CEO da Ubots, Rafael Souza, o 5G não só trará melhorias para o serviço de internet móvel, como vai transformar a forma de comunicação humana, permitindo conexão e interação entre humanos e dispositivos eletrônicos, os tornando “um só”: a já conhecida Internet das Coisas pode avançar ainda mais. 

“O 5G é mais um passo da evolução tecnológica e promete trazer mais agilidade de downloads e uploads, além de mais estabilidade de conexão. Para o mercado de tecnologia, as possibilidades também são grandes. Estamos vendo o crescente investimento em IoT (Internet das Coisas) o que vai nos trazer novas perspectivas para o futuro” explica Souza.

A relação do 5G com os chatbots

O 5G será um marco no mundo tecnológico e abrirá portas para muitas novidades e avanços no setor e isso inclui o serviço de chatbots. O uso de chatbots é uma realidade no setor de atendimento de muitas empresas, que aderiram à tecnologia nos últimos anos, substituindo o tradicional telemarketing. 

Com a chegada da pandemia do novo coronavírus, muitas pessoas passaram a realizar suas atividades por meio do ambiente virtual e, isso, levou as empresas a buscarem soluções para atender às novas demandas, aumentando a utilização dos chatbots.

Segundo o CEO da Ubots, em 2019, cerca de 60 mil chatbots entraram no mercado, enquanto em 2020 esse número quase dobrou, atingindo a marca de 101 mil. Corroborando estes dados, uma pesquisa realizada pela empresa MarketsandMarkets, apontou que o mercado teria um crescimento de US$2,6 bilhões em 2019 para US$9,4 bilhões até 2024.

Com relação ao impacto que o serviço vai sofrer com a chegada do 5G, o especialista em programação, diz que espera avanços no modo como os bots atuam hoje.

“A tecnologia promete oferecer mais agilidade no carregamento de mensagens e transmissão de informações, com menos interferências e sem problemas de conexão. Com isso, o tempo que os clientes terão que esperar para que suas demandas sejam resolvidas vai ser reduzido, bem como o tempo de execução da máquina para realizar as operações”, explica o CEO. 

Para o especialista, com a agilidade na comunicação e a menor latência na transmissão de informações, será possível ver o fortalecimento de algumas tendências no relacionamento entre empresas e clientes. Dentre elas, está a utilização da voz no processo de atendimento e a possibilidade de usar vídeos para ampliar os recursos. 

O caminho até o 5G

Você já imaginou baixar filmes em menos de dez segundos, realizar uma cirurgia sem a presença de médicos, ou ver sua geladeira fazendo um pedido de compras ao perceber que está ficando vazia? Isso tudo pode virar realidade graças ao 5G.

A nova tecnologia vai dar um salto enorme, se comparada ao atual 4G, pois possibilitará que as operadoras utilizem bandas de frequência mais altas, acima de 3GHz, as quais nunca haviam sido utilizadas. 

Este avanço vai proporcionar maior capacidade para o 5G, resultando em uma alta velocidade na navegação pela internet, nos downloads e uploads de arquivos, baixa latência, maior rapidez na transferência de dados, redução no tempo de resposta entre diferentes dispositivos e mais estabilidade nas conexões. 

Para Souza, os principais benefícios que a nova tecnologia vai trazer para seus usuários, são:

Velocidade: estima-se que o 5G vai ser 100 vezes mais rápido que as tecnologias utilizadas atualmente;

Cobertura: maior cobertura de sinal, ampliando seu acesso a mais pessoas e aumentando o número de usuários conectados simultaneamente, sem perda da qualidade de conexão;

Economia de bateria: maior eficiência no consumo de energia e aumento na autonomia da bateria dos dispositivos que suportam a rede, como “modems” e celulares; 

Largura de banda: em relação à quantidade de dados que podem ser transmitidos; 

IoT: com a evolução das conexões vai ser possível ter uma ampliação na utilização de outras tecnologias.

A Internet das Coisas já pode ser observada através de aparelhos como smartwatches e a assistente Alexa, da Amazon. Porém, com a chegada do 5G, haverá uma revolução na utilização de outros dispositivos, como fogões, máquinas e até berços para monitoramento de bebês.

Além disso, vários segmentos serão impactados, como o automotivo, médico e industrial, os quais serão beneficiados pela gama de possibilidades que o 5G permitirá. Em suma, qualquer dispositivo poderá ser interligado aos humanos, através de uma rede de conexão e o 5G será o responsável por esse salto, que promete mudar a forma como vivemos hoje. 

Hoje, o 5G já está em pleno funcionamento em vários países como, Austrália, Alemanha, Japão, Arábia Saudita, Reino Unido, Estados Unidos e Coreia do Sul. O último país citado, inclusive, já lidera o ranking de consumo de dados móveis e na média de velocidade atingida, segundo pesquisa feita pela OpenSignal. 

O Brasil e o 5G

A nova tecnologia ainda não está disponível no país e, para ela ser oficialmente distribuída para a população, será necessário que a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) realize o leilão das faixas de frequências, que está previsto para ocorrer ainda em 2021.

Atualmente, várias operadoras já oferecem o serviço, contudo, ainda não se trata do verdadeiro 5G, mas de testes feitos pelas operadoras, que utilizando as mesmas frequências do 4G, disponibilizam o chamado 5G DSS (compartilhamento dinâmico de espectro, da sigla em inglês). Com essa tecnologia, é possível entregar algo similar, ou seja, seus usuários já podem desfrutar de uma velocidade e conectividade parecidas com o que o 5G vai proporcionar. 

Souza salienta que o Brasil está apto para atender às novas demandas, mas ressalta que o país terá de passar por uma adaptação.

“Acredito que estamos preparados para receber o 5G, mas, assim como ocorre com qualquer nova tecnologia, nós teremos um período de adaptação. Na telefonia, um dos problemas perceptíveis em relação a isso é a necessidade de hardwares específicos. No momento, só é possível utilizar os benefícios da quinta geração, através de equipamentos que possuam tal capacidade”, explica o programador.

Para aqueles que buscam aparelhos que atendam a essa nova realidade, já é possível encontrar alguns modelos de smartphones no mercado, como Motorola, Apple, Xiaomi, Samsung e Asus. Souza explica que com a chegada da nova rede, será possível investir em novas infraestruturas e, consequentemente, obter mais qualidade nos serviços de internet prestados no país. 

Segundo o ranking mundial de internet realizado pelo site Speedtest, hoje, o Brasil ocupa as posições 74ª e 49ª, no quesito rede móvel e banda larga fixa, respectivamente. De acordo com informações apuradas no site do Governo Federal, o 5G deve estar em pleno funcionamento no país em julho de 2022, atendendo as 26 capitais mais o Distrito Federal.