Dia do Empreendedor:5 dicas para quem deseja abrir um negócio

No dia 05 de outubro é comemorado o Dia do Empreendedor no Brasil e,de acordo com o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas,de janeiro a junho de 2017 surgiram 902.290 novas empresas de MEIs,do total de 1.142.641 companhias criadas no País no período,o que representa 10,5% a mais do que o registrado no mesmo primeiro semestre de 2016.Portanto,empreender se tornou o sonho de muitos brasileiros,porém nesse processo os desafios e as dificuldades são inúmeros e é preciso ter muita resiliência para alcançar o sucesso. Com isso,a We Do Logos,maior comunidade de designers da América Latina,listou algumas informações importantes para o empreendedor ser bem-sucedido em seus negócios.1. Saiba delegar as tarefasO empreendedor deve se dedicar aos assuntos estratégicos para a empresa. Por isso,delegue tarefas operacionais,como atender telefone e organizar o estoque. Descentralize funções importantes,que possam ser realizadas por outras pessoas e saiba como reter esses talentos. Oferecer um ambiente confortável,segurança e horários flexíveis,por exemplo,são fatores que auxiliam muito a manter a equipe motivada. “Outro ponto fundamental é treinar os colaboradores pessoalmente,explicando o modo de execução de cada tarefa,definindo processos e estabelecendo padrões de qualidade”,explica Gustavo Mota,CEO da We Do Logos.2. Tenha sensibilidade para resolver conflitosSeja sempre imparcial e procure a maneira mais justa para resolver um problema entre seus colaboradores. “Quando uma desavença surgir,escute os dois lados,entenda as razões e os pontos de vista de cada um e tenha uma postura racional para que o clima da equipe não seja prejudicado”,recomenda Mota.3. Assuma os próprios erros e compartilhe realizaçõesNão há nenhum problema em errar,o que não pode acontecer é não assumir as falhas. Exponha os erros e esteja aberto a discutir soluções,isso evitará boatos que podem gerar desconfianças e distrações. Do mesmo jeito que é importante se desculpar pelas falhas,celebrar os acertos é fundamental. Por isso,compartilhe e comemore as conquistas com a equipe. A vantagem dessa atitude é que ela enche o ambiente de boas energias,o que aumenta a produtividade.4. Incentive a comunicaçãoO bom gestor está sempre atento ao bem-estar da equipe e é sempre uma pessoa disposta a ouvir. Valorize o canal de comunicação com a equipe e esteja sempre disposto a dialogar e valorizar as opiniões dos colaboradores,pois elas podem trazer ideias que vão ajudar você a melhorar vários aspectos no bom funcionamento da empresa.5. Dê feedbacks produtivosOs colaboradores precisam saber quão são produtivo são e o que precisam fazer para se desenvolverem profissionalmente. Seja criterioso e justo na hora de passar o feedback para a equipe. “Ser sincero é um ponto importante,mas tenha sempre em mente que algumas críticas,quando não feitas em um discurso construtivo,podem desanimar o seu funcionário. Procure sempre agregar incentivos às críticas e adote uma postura parceira ao sinalizar os pontos a melhorar”,finaliza Mota.

UP incentiva empreendedorismo com espaço Coworking dentro do câmpus

Uma pesquisa realizada com mais de 12 mil jovens de 27 países,entre eles o Brasil,aponta que a geração Y,também conhecida como Millennials,é mais empreendedora que gerações anteriores. E muitas vezes,é nas universidades que estes jovens começam a exercitar este perfil empreendedor. As instituições de ensino superior precisam hoje estar em sintonia com este público,preparando o estudante não apenas para o mercado de trabalho,mas também ajudando os alunos a tirarem as ideias do papel. Nessa fase,aulas de negócios,mentorias,incubadoras ou aceleradoras são fundamentais para garantir o pontapé inicial.Focada em empreendedorismo e na interação de estudantes dos diferentes cursos da instituição,a Universidade Positivo criou o Coworking Espaço Empreendedor. Funcionando dentro da universidade e com uma estrutura física à disposição dos alunos da UP,o espaço permite a troca de experiências e ampliação do networking,ajudando estudantes empreendedores a colocarem em prática suas ideias.Para inaugurar o espaço,a universidade promoveu o concurso Seja um Coworker Residente,no qual diversos projetos de empreendedorismo foram inscritos. Seis deles foram selecionados e poderão ser desenvolvidos com o apoio de mentores especializados. Professores da UP e empreendedores de Curitiba vão oferecer assessoria nas áreas de negócios,tecnologia,finanças,jurídica e recursos humanos. Entre os projetos selecionados estão startups voltadas para venda de serviços culturais,energia renovável,comércio varejista,economia e ciências contábeis. Para garantir a interdisciplinaridade dos projetos,as equipes são compostas por alunos de diferentes cursos da universidade.Para o professor Renato Buiatti,responsável pelo espaço Coworking,o objetivo é oferecer a alunos a chance de exercitar o empreendedorismo em todas as suas esferas. “Aqueles estudantes que têm boas ideias,mas não têm como tirá-las do papel,terão a ajuda da universidade para começar. Além da orientação de profissionais da área,terão à disposição uma infraestrutura sem custos como aluguel e outras despesas”,explica Buiatti. Os estudantes selecionados no concurso também terão contato com investidores-anjo e poderão conhecer de perto grandes startups de São Paulo,em visitas técnicas previstas para acontecer em novembro.Esse tipo de apoio é,na maior parte das vezes,fundamental para o sucesso de um negócio que está começando. A Eng Hive,empresa na área de automação residencial,comercial e industrial,surgiu em 2013,dentro da Universidade Positivo,a partir da iniciativa de estudantes de Engenharia Elétrica. O diretor da Eng Hive,Guilherme Kmiecik,afirma que as assessorias exclusivas,nas áreas de Marketing,Gestão de Negócios,Finanças,Recursos Humanos,Jurídica e de Planejamento,que receberam da Universidade,desde o início,foram fundamentais para o sucesso e consolidação da empresa. “Sem recursos financeiros e conhecimento administrativo,com certeza já teríamos encerrado as atividades”,admite. Para ele,o patamar de maturidade em que a empresa se encontra atualmente levaria pelo menos mais quatro anos para ser alcançado fora da Universidade. “As assessorias mostraram formas,conceitos e atalhos para desenvolvermos um projeto estruturado capaz de se tornar algo viável no mercado”,conta.A empresa conta hoje com uma equipe de 21 colaboradores e tem uma expectativa de faturamento em torno de 1 milhão de reais para este ano. “Isso representa um crescimento de 80% comparado com o ano de 2016”,comemora Kmiecik.

Curitiba promove encontro para fomentar o ecossistema de empreendedorismo e inovação

Na quarta-feira,21 de junho,o programa 100 Open Startups,plataforma internacional que conecta startups e grandes empresas,realizará o Demoday 100 Open Startups Curitiba. O evento contará com a participação de startups locais,empresários e investidores ligados aos setores corporativo,de empreendedorismo e inovação. O objetivo é tornar o Paraná um estado ainda mais representativo no segmento,além de abrir espaço para novos negócios e conquistar resultados expressivos para a região.Realizado em parceria com o Sistema FIEP - Centro Internacional de Inovação,no Campus Indústria,o evento em Curitiba faz parte da primeira Rodada de Demodays 100 Open Startups Brasil do ciclo 2017. A inauguração das ações do novo ciclo seguirá sob o tema Grandes Empresas e Startups:Novos Modelos de Negócio para Inovação. O evento reunirá atores do ecossistema local e grandes empresas,que vão acompanhar a apresentação das startups Top do Estado que foram destaque no Ranking 100 Open Startups Brasil 2017. Além destas,as startups mais atraentes do novo ciclo também farão seus pitches em busca da validação de investidores e a indicação para os próximos níveis.Todas as startups paranaenses que se destacaram no ranking 100 Open Startups 2017 participarão do DemoDay,inclusive a GoEpik,eleita a startup mais atraente do Brasil. A empresa auxilia a indústria da transformação 4.0,utilizando IoT,digitalização de processos com realidade aumentada e treinamento imersivo. As demais startups são:Beenoculus,Tau Flow,Contraktor,Ubivis e UNA Smart.Estar entre as top 100 significa ter mais chances de crescimento e desenvolvimento,uma vez que o movimento 100 Open Startups permite o relacionamento com agentes-chave,como grandes empresas,investidores e aceleradoras que procuram soluções nas empresas iniciantes. Na última edição,foram geradas mais de 10 mil avaliações,mas o principal resultado foram os 298 contratos que já foram firmados entre empresas e startups.O Demoday 100 Open Startups Curitiba terá a presença de grandes líderes locais interessados em novas parcerias,como Novanzymes e Furukawa,além de abrir espaço para novas startups da região apresentarem seus projetos e integrarem o movimento. “As startups têm muito potencial de inovação e esta é a oportunidade para apresentarem seus projetos em um ambiente que dará a oportunidade de prosperarem em seus negócios”,comenta Bruno Rondani,fundador e CEO do programa 100 Open Startups.“O evento será uma grande oportunidade de descobrir novos talentos inovadores,que abastecerão o nosso tecido industrial de tecnologias e modelos de negócio de ruptura”,completa Filipe M. Cassapo,gerente-executivo do Centro Internacional de Inovação - Sistema FIEP.Demoday 100 Open Startups CuritibaData:21 de junho (quarta-feira)Horário:18h às 21hLocal:Campus Indústria - Sala:Laboratório de CriatividadeEndereço:Av. Comendador Franco 200 - Jardim Botânico – Curitiba/PR

Marcas do empreendedor –Por José Pio Martins

Nas conversas com jovens,duas perguntas são recorrentes:O que é empreendedorismo? Quais são as marcas do empreendedor? Quanto à primeira,empreendedorismo é a disposição e a iniciativa de idealizar,coordenar e executar projetos e negócios. Outra definição,que me agrada,diz que é a sensibilidade para descobrir oportunidades,ter ideias e ser capaz de transformá-las em um negócio. Em síntese,empreendedor é quem transforma uma ideia em um negócio e dá materialidade aos sonhos.Em relação à segunda pergunta,há vasto elenco de características que definem o empreendedor,das quais destaco quatro,que considero as mais importantes.A primeira é a enorme capacidade de agir e de fazer. Os empreendedores se caracterizam por uma espécie de “empuxo” (força que empurra,que atua como elemento de impulsão),como se tivessem,em sua constituição genética,células que os levam a agir e fazer algo,mesmo em condições adversas. Nas histórias de empresários de sucesso,é comum encontrarmos relatos de pessoas que idealizaram e executaram algo quando muitos não acreditavam na possibilidade do êxito.A segunda é a afiada visão para enxergar oportunidades. Há homens que construíram impérios por enxergar oportunidades onde quase ninguém acreditava na chance de sucesso. Um exemplo foi Aristóteles Onassis,o armador grego,que se tornou um dos homens mais ricos do mundo. Enquanto transcorria a Segunda Guerra Mundial,mesmo sem dinheiro,ele se pôs a comprar navios velhos encostados. Amigos diziam que ele estava louco. A guerra acabou,o comércio internacional expandiu e Onassis ficou bilionário alugando caro os navios velhos que comprara.A terceira característica é a grande sensibilidade para fazer as escolhas certas. Se você perguntar aos grandes empreendedores como,no passado,conseguiram fazer escolhas que agora se mostraram certas e lucrativas,muitos responderão:“não sei,eu tinha intuição,mas não a certeza de que estava fazendo a escolha correta”. Conquanto seja difícil vê-la e qualificá-la,essa sensibilidade está no âmago do empreendedor de sucesso.Por fim,a eficiência na execução das escolhas feitas é outra marca indelével dos homens de sucesso. Mesmo em situação de crise e descrença – como essa que o Brasil vive atualmente –,aqueles que construíram grandes obras complementaram as três marcas anteriores com eficiência executiva,e foram capazes de levar a cabo seus projetos,suas empresas e seus negócios.Todos temos alguma dessas quatro características e nem por isso todos somos grandes empreendedores. A questão essencial é que alguém pode ter uma ou duas dessas características,mas elas não bastam para transformá-lo em grande empreendedor. Em geral,os homens que realizaram grandes obras têm as quatro marcas. Se isoladas,elas não nos levam ao sucesso;em seu conjunto,existindo no mesmo homem ou mulher,o sucesso será quase inevitável.Uma pergunta ressuma de tudo isso:essas características são inatas (que estão no ser,congênitas) ou podem ser aprendidas e desenvolvidas? Eis um bom tema para debate. De minha parte,creio (mas não tenho provas) que essas marcas podem ser treinadas e melhoradas,mas,nos grandes empreendedores,elas estão lá,desde sua concepção. É fácil conhecer as características do homem que empreende. Difícil mesmo é tê-las todas em dose suficiente para fazer do homem um empreendedor de sucesso. José Pio Martins,economista,é reitor da Universidade Positivo.

Vale do Pinhão:diretor da Agência Curitiba apresenta iniciativa a empresários do setor de TI

Tiago Francisco da Silva,diretor da Agência Curitiba,apresentou as iniciativas da Prefeitura para incentivar o desenvolvimento de um ecossistema de startups e criação de negócios inovadores na capital do Paraná. Dezenas de empresários do setor de Tecnologia da Informação acompanharam a apresentação em uma reunião na sede do Sebrae Paraná. Saiba mais sobre o Vale do Pinhão em uma entrevista em vídeo:

Vale do Pinhão:Curitiba precisa de muito mais do que um nome engraçadinho para ser referência em tecnologia

[caption id="attachment_4400" align="aligncenter" width="1024" caption="Prefeito Rafael Greca,durante eleições,já falava a empresários sobre o Vale do Pinhão"][/caption]Nos últimos quatro anos,Curitiba viveu um "período de trevas" no incentivo ao setor de tecnologia. A prefeitura da cidade congelou programas importantes como o ISS Tecnológico e o Tecnoparque,cuidou mal da relação com o ICI,principal fornecedor de TI do município,abandonou o Parque de Software. A criação de uma secretaria para Tecnologia Informação não mostrou qualquer resultado positivo. A cidade pagou o preço:viu Florianópolis despontar como "capital tecnológica" e apresentou menos iniciativas inovadoras do que municípios do interior do Paraná. Agora,em uma elogiável demonstração de boa vontade,o novo prefeito Rafael Greca anuncia a criação do "Vale do Pinhão" para incentivar a economia criativa,as startups e o setor de TI. Mas a novidade,que lembra o tom poético do criador precisa mostrar que pode ser mais que rima. Curitiba precisa,mesmo,é de uma grande solução. O problema é que esse Vale do Pinhão parece com iniciativas que já não funcionaram em um passado recente,a começar pelo nome:a gestão anterior apoiou a tal da Capivalley,que também tinha um nome engraçadinho,mas não vingou. Afastadas as capivaras inspiradoras das mídias sociais da gestão anterior,cria-se outra marca que se identifica com a população local,mas que pode acabar não convencendo o mercado lá fora. Afinal,aposta em tecnologia é para vender para o mundo. Essa é a força do Vale do Silício.Além do novo nome,outra aposta de Greca é a ocupação de um espaço decadente no bairro Rebouças. A ideia é integrar o setor produtivo à academia,com universidades instaladas ao redor. Mas a área nunca atraiu a atenção do empresariado do setor. Já se apostou nessa região quando Beto Richa foi prefeito e o incentivo do Tecnoparque,por exemplo,acabou sendo estendido para toda a cidade,na gestão de Luciano Ducci,porque não havia espaço para todos nas áreas delimitadas e a demarcação interessava mais aos especuladores imobiliários do que aos empreendedores da TI local. Se Curitiba quer ser grande em tecnologia,precisa ir além do "mais do mesmo" e de soluções batidas,que voltam com rótulo diferente. Acredito que o primeiro passo seja a criação de uma Governança de TI municipal,tomando,como exemplo,o que se criou,recentemente,em nível estadual para a convergência de ideias e estratégias. Mas o mais importante é ouvir a voz de quem cria as soluções inovadoras. A união do setor produtivo com poder público e academia é muito boa,,mas o Facebook não foi criado pelo reitor de Harvard,a Microsoft não é obra de um governador e a Apple não surgiu de algum devaneio do prefeito de Cupertino. Empreendedorismo é coisa de empreendedores.

Sete dicas sobre o que não fazer na frente do investidor-anjo

O ecossistema de startups avança e com ele o aporte financeiro também. De acordo com a Anjos do Brasil,organização sem fins lucrativos de fomento ao investimento-anjo,há um aumento de 11% a 15% ao ano,o que resultou em uma injeção de R$ 784 milhões nas empresas em estágio inicial do Brasil no ano de 2015.No entanto,alguns cuidados são necessários na hora de falar com o investidor e explicar o porquê dele apostar no negócio. “Todo empreendedor tem na cabeça que sua startup é diferente,inovadora,que é a melhor de todas e que vai ser o mais novo unicórnio do planeta. Mas criar algo disruptivo é o que todos querem e só alguns conseguem pois além do sonho e da crença precisa ter conhecimento nas mais diversas áreas e carregar uma bagagem com muita experiência”,indica Marcio Kogut,investidor,idealizador da 20Startups.com e CEO da Kogut eBusiness,empresa especializada em consultoria e inovação.E para ajudar o empreendedor a estar preparado no dia em que avistar esse “anjo”,seguem sete dicas do Kogut sobre o que não falar na frente do investidor:1. Ainda é uma idéia não tenho MVP (Minimum Viable Product)Não queime o contato e ocupe o tempo do investidor se não tiver com um MVP pronto e rodando. Quando digo MPV estou falando de no mínimo o seu negócio funcionando em uma fase resumida,enxuta ou beta e não uma landing page com os links de quem somos,onde estamos e o que fazemos. Ninguém investe em ideias e para não queimar a largada só peça dinheiro do anjo quando você tiver esta etapa rodando e validada.2. Sou apenas eu,ainda não tenho um time formado.Ninguém vai para guerra sozinho,isso é suicídio! Antes de ter pelo menos 3 pessoas em seu time com uma certa experiência,conhecimentos complementares e fundamentais é praticamente impossível alguém investir em você.3. Tenho outra atividade e toco a startup em paralelo.Isso seria a mesma coisa que falar que sua startup é um bico,um hobby,que ela está em segundo plano e que não é a sua prioridade. Já é difícil competir trabalhando incansavelmente e se esse é o seu caso,decida-se,escolha um dos lados ou arranje outro passatempo.4. Meu programador é freelancer. Meu desenvolvimento é terceirizado.Nenhuma startup consegue decolar com a tecnologia terceirizada. Independente do modelo de negócio ou segmento de mercado,você sempre irá depender da tecnologia então será um tiro no pé achar que pode tratar e resolver isso apenas com alguns programadores freelas. Tenha no mínimo um CO-Founder nerd na sua startup e aumente a equipe conforme os investimentos e a demanda.5. Não tenho concorrentes.Impossível algum negócio não ter concorrente direto ou indireto hoje em dia. Pode ser que seu negócio tenha um propósito de valor diferente,uma inovação no modelo mas mesmo assim é certeza que tem concorrentes e você é obrigado a conhecer todos eles. Você precisa conhecer a fundo todos os seu competidores,diretos e indiretos,similares ou parecidos e entender a possibilidade e os riscos deles copiarem a sua inovação e prejudicarem o seu crescimento.6. Investi um pouco do meu dinheiro e agora estou buscando mais investimento.Um pouco? Esse é o negócio da sua vida não é? Então você precisa investir tudo e mais um pouco antes de pedir dinheiro para um anjo. Ele precisa saber que agora você não tem mais de onde tirar.7. Se eu errar eu aprendo.Isso vai fazer o investidor rasgar o seu cheque! Investidor nenhum quer escutar isso e saber que você está disposto a errar com o dinheiro dele. Ele quer que você acerte bem na mira! Isso é um mito até no Vale do Silício! Lógico que quando erramos,aprendemos. Isso faz parte da nossa natureza desde que nascemos. Mas glorificar a falha;sim,é um grande erro. O fracasso não é algo bom principalmente com o dinheiro do anjo então tire isso dos seus argumentos. Mesmo sabendo que o caminho do sucesso é pavimentado com as falhas,elas nem sempre precisam ser as suas.

Evento celebra erros que grandes empreendedores curitibanos já cometeram

Acontece hoje,na Aldeia Coworking,em Curitiba,a segunda edição do ignite Smart Fail:uma noite de louvor ao erro. O evento reúne 10 empreendedores que,em palestras curtas de 5 minutos,contam os maiores erros que cometeram ao longo de suas carreiras e,mais importante ainda,como os usaram para tornar seus projetos e empresas ainda melhores.“Todo mundo erra,mas a falha ainda costuma ser vista com maus olhos pela maioria das pessoas. Aqui na Aldeia Coworking,a gente encara as falhas como oportunidades de aprendizado,como chances de melhorar o que você estava fazendo e transformar aquilo em algo ainda mais fantástico”,explica Ricardo Dória,fundador e CEO do espaço de coworking.Foi dessa cultura de louvor ao erro que surgiu a ideia de criar um evento em que se falasse especificamente disso. “A ideia é mostrar que mesmo as pessoas mais bem-sucedidas já cometeram falhas graves,mas que aprenderam com isso e hoje estão onde estão. Acreditamos que inspirar as pessoas dessa forma é um jeito de incentivá-las a arriscar também e apostar em seus talentos”,comenta Calliandra Vieira,organizadora do evento.PALESTRANTESNessa edição,o público poderá assistir a palestras de 10 grandes nomes como Adriano Pinheiro,responsável pela produção de grandes shows com a Seven Entretenimento e empreendedores de startups como Virgínia Crema (Coletive),Gladys Mariotto (Já Entendi) e Eduardo Moraes (Latinex) e influenciadoras digitais como Sabrina Olivetti,do blog de moda e beleza Coisas de Diva e Pati Bianco,do blog de alimentação e hábitos saudáveis Fru-fruta.O FORMATO IGNITEO formato Ignite,hoje disseminado pelo mundo todo,nasceu em Seattle em 2006 com o objetivo de incentivar apresentações rápidas e divertidas. Nele,os palestrantes podem usar 20 slides que ficam apenas 15 segundos na tela,passando automaticamente e totalizando 5 minutos.“Escolhemos esse formato porque é o ideial para tornar leve e divertido um assunto muitas vezes visto de forma negativa. Além disso,palestras mais curtas nos permitem ter mais palestrantes por noite e contar mais histórias inspiradoras”,explica Calliandra.ServiçoIgnite Smart Fail:uma noite de louvor ao erroData:07 de novembroHorário:das 19h15 às 22hLocal:Aldeia Coworking - Av. Cândido de Abreu,381Ingressos e mais informações:www.aldeiacoworking.com.br/smart-fail

Programa para formar e premiar jovens empreendedores no Paraná com apoio da Volkswagen do Brasil tem inscrições prorrogadas

O prazo das inscrições para o Desafio Paraná no programa social Geração Empreendedora,que conta com o apoio da Volkswagen do Brasil,foi prorrogado. Os jovens empreendedores de todo o Estado do Paraná têm até 30 de outubro para se inscrever. Em dezembro deste ano,após todas as etapas de treinamento,serão escolhidos os projetos de destaque em quatro categorias para receber a premiação de R$ 7 mil reais cada. São elas:ideia de negócio;negócio (com pelo menos seis meses de existência);negócio envolvendo tecnologia e negócio com impacto social.O apoio da Volkswagen do Brasil ao projeto social Geração Empreendedora garante a viabilidade de todo o programa,realizado em conjunto com o Governo do Estado do Paraná e a ONG Aliança Empreendedora. Por meio dos treinamentos online inteiramente gratuitos já disponíveis no portal,jovens de 18 a 35 anos do Estado que desejam iniciar um empreendimento ou querem expandir seus negócios atuais estão sendo capacitados para desenvolver competências empreendedoras e de gestão de negócios,e ampliar o acesso a conhecimento,redes de contato,mercado e crédito.Na fase final de seleção serão indicados até 40 finalistas. Destes,quatro empreendedores que se destacaram nas quatro categorias propostas pelo Desafio Paraná serão reconhecidos em uma cerimônia que vai acontecer em dezembro deste ano. O objetivo é valorizar iniciativas inovadoras envolvendo tecnologia e formar esses jovens para alcançar sucesso no mercado e fomentar o desenvolvimento econômico nas comunidades onde estão inseridos.“Para a fábrica da Volkswagen do Brasil em São José dos Pinhais,é uma grande satisfação gerar impacto positivo no desenvolvimento humano e econômico de jovens paranaenses que,por meio dos treinamentos do Geração Empreendedora,são preparados e motivados a ingressar ao mercado de trabalho como microempreendedores. Temos exemplos de familiares dos nossos colaboradores que estão participando e desenvolvendo competências fundamentais em planejamento e gestão”,destacou o Plant Manager da fábrica da Volkswagen em São José dos Pinhais,Luis Fernando Pinedo.Como participarPodem se inscrever jovens que querem iniciar ou que já estão empreendendo um negócio,que tenham entre 18 e 35 anos e residam no Paraná. Eles devem acessar o site www.desafioparana.com.br e assistir ao curso online “Empreender Modo On”,tendo acesso aos conteúdos de empreendedorismo divididos em temáticas como planejamento,desenvolvimento do negócio,construção de protótipos,entre outros.Após cumprida esta etapa,os jovens poderão fazer a inscrição sem custo algum,até 30 de outubro,para participar do desafio. Na última etapa serão escolhidos,primeiramente,40 finalistas para concorrer ao prêmio de R$ 7 mil reais em cada uma das quatro categorias. Ao término de todas as etapas do programa,os empreendedores estarão aptos a analisar as dificuldades e os desafios de seus negócios e buscar soluções para enfrentá-los. Muitos jovens apoiados pelo programa social em outros estados se tornaram exemplos locais e contribuem ativamente para o desenvolvimento econômico e social de suas comunidades.Empresa cidadãO comprometimento com a comunidade é fortalecido com inúmeras ações sociais desenvolvidas pela Volkswagen do Brasil no entorno da sua unidade no Paraná.“Volkswagen na Comunidade”Na próxima sexta-feira (21/10),a empresa reconhecerá os vencedores do Concurso Volkswagen na Comunidade que oferece prêmio em dinheiro e curso de gestão aos melhores projetos sociais indicados pelos funcionários da Volkswagen do Brasil,nos quais atuam com trabalho voluntário. As instituições paranaenses beneficiadas no ano passado foram a Associação Beneditina da Divina Providência (ABENP),instituição que oferece atividades educativas,culturais,esportivas,recreativas e artesanais a crianças,adolescentes e jovens;além de apoio psicológico;e a Associação Sagrada Família de Nazaré,que,por meio do projeto “Juventude:um Sinal de Esperança” acolhe homens em recuperação da dependência química e reinserção social;eles recebem hospedagem,alimentação e laborterapia;cultivam a horta e cuidam dos animais,visando preservar o meio ambiente e gerar renda. A associação também oferece atividades esportivas,culturais e terapêuticas. Um dos vencedores do “Volkswagen na Comunidade 2014”,o projeto “Juventude:um Sinal de Esperança” foi o que melhor geriu os recursos recebidos. Por isso,recebeu em 2015 o “Prêmio de Sustentabilidade”.“Uma hora para o futuro”Todos os anos,os colaboradores da fábrica doam de forma voluntária o equivalente a uma hora do seu trabalho para beneficiar instituições da região,dentro do programa "Uma Hora para o Futuro",criado pelo Comitê Mundial dos Trabalhadores da Volkswagen com o apoio da empresa. Em 2016,a organização beneficiada foi o Patronato Santo Antônio pelo quinto ano consecutivo,instituição do município na região da fábrica que oferece a mais de 700 crianças e jovens cursos profissionalizantes,reforço socioeducativo,oficinas culturais,atividades esportivas,entre outros. O valor foi investido no ensino profissionalizante dos adolescentes assistidos.“Costurando o Futuro”Por meio da Fundação Volkswagen,a empresa lançou em maio de 2013 o projeto "Costurando o Futuro",que oferece a cerca de 50 mulheres em situação de vulnerabilidade social,vizinhas à fábrica,oficinas gratuitas focadas na formação técnica em corte e costura e empreendedorismo social para a estruturação de um negócio próprio. Em 2015 o projeto abriu novas vagas e incentivou a autonomia e o empreendedorismo das participantes por meio da formação de uma rede de costureiras.Implementado inicialmente em São Bernardo do Campo,em 2009,o “Costurando o Futuro” foi ampliado para a fábrica do Paraná com recursos de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Nas duas localidades,mais de 35 toneladas de tecidos já foram transformadas em novos produtos.Outras iniciativasA fábrica da Volkswagen no Paraná possui ainda parcerias com a prefeitura de São José dos Pinhais para o desenvolvimento de inúmeras ações envolvendo a comunidade,recebendo o título de empresa cidadã por seus projetos sociais no município. Entre eles:Campanha do Agasalho,Campanha de Páscoa,Natal Sem Fome e Adote uma Criança.A empresa é a patrocinadora oficial do Festival de Natal de São José dos Pinhais,que em sua última edição,realizada em 2015,recebeu mais de 1.5 milhão de visitantes. A unidade do Paraná também possui uma biblioteca dentro da fábrica com acervo de mais de 2,5 mil títulos que atende a todos os colaboradores,seus familiares e a comunidade.

Empreendedores do Paraná têm até 26/09 para se inscreverem no movimento 100 Open Startups

Empreendedores do Paraná têm até o dia 26 de setembro para se inscreverem no movimento 100 Open Startups. Trata-se de uma plataforma global que conecta startups de todas as áreas a mais de 200 grandes empresas brasileiras e globais e fundos de investimento. As inscrições podem ser feitas pelo site http://www.openstartups.org.br/.Para entrar no movimento,o empreendedor precisa escolher um dos 20 desafios temáticos propostos pela rede composta por grandes empresas das mais diversas árease inscrever a startup no tema que mais tem sinergia com a sua atuação,como Agronegócios,Cidades Inovadoras,Saúde e Bem-Estar,Serviços Financeiros,Pequenas Empresas,Educação do Futuro,Energia,Alimentos etc.Após decidir o “Grande Desafio” e por qual “Capital da Inovação” pretende se apresentar,o empreendedor passa por cinco etapas de avaliação,on-line e presencial. As startups mais atraentes,na avaliação dos executivos da rede,são classificadas e convidadas a apresentar o “pitch” pessoalmente durante evento na capital escolhida.INTERNACIONALIZAÇÃO DO MOVIMENTONeste ano,além de dobrar para 20 o número de desafios temáticos,o movimento 100 Open Startups virou uma plataforma global,com a entrada de oito capitais internacionais:Bangalore (Índia),Santiago (Chile),Lima (Peru),Bogotá (Colômbia),Cidade do México (México),Pittsburgh (Estados Unidos),Oslo (Noruega) e Barcelona (Espanha).No Brasil,nove “Capitais da Inovação” já atingiram a meta de cadastros e serão sedes dos encontros:São Paulo,São José dos Campos,Campinas,São Bernardo do Campo,Florianópolis,Rio de Janeiro,Curitiba,Belo Horizonte e Porto Alegre.“Nossa meta é identificar as 100 startups mais inovadoras de diferentes regiões do mundo,boas para investimento,na opinião de quem atua no mercado. Os empreendedores participam de uma plataforma que vai conectá-los tanto aqui no Brasil como com corporações da América Latina,Estados Unidos e países da Europa e Ásia. Por isso,tivemos a ousadia de não copiar uma metodologia estrangeira,e sim exportar o que tem dado muito certo no Brasil”,explica Bruno Rondani,fundador do 100 Open. COMO FUNCIONATodos os projetos submetidos pelas startups que se inscreverem serão avaliados por um grupo formado por empresários,investidores e empreendedores. No ano passado,1.569 propostas foram recebidas e 853 startups avançaram para serem avaliadas pelas grandes empresas. Pelo programa,as 100 melhores startups poderão se conectar pessoalmente com as grandes multinacionais globais participantes do movimento,tais como:3M,Johnson & Johnson,AES Brasil,Algar,Votorantim,CEMIG,Catho,Atlas Schindler,Natura,IBM,Accenture,Faber Castel,TIM,FGV-EAESP,SENAI,Novozymes,Abbott,Whirpool,Dow,ilegra,entre outras. ETAPA 1:REDEStartups se inscrevem on-line no programa propondo soluções para um dos 20 grandes desafios da sociedade,como educação e saúdeEtapa 2 - MERCADOStartups avaliadas em uma plataforma digital por executivos de grandes empresas. As mais bem avaliadas seguem para a etapa seguinteEtapa 3 - CAPITAISNo dia 1º de novembro,investidores e executivos de grandes empresas estarão em Curitiba para avaliar presencialmente as startups cadastradas pela Capital da Inovação.ETAPA 4:OPEN INNOVATION WEEK (fevereiro/2017)Empresas e startups fazem reuniões presencialmente (speed-dating) durante um evento promovido pelo Wenovate em São PauloETAPA 5:RANKING (fev/maio 2017)Quantidade de matchs entre startups e empresas e de contratos firmados dá origem ao ranking "100 open startups" NÚMEROS DO ANO PASSADO:# 30 avaliações foi a média recebida por cada startup participante do movimento em todo o processo# 75 grandes empresas se conectaram ao movimento# 25 fundos de investimento ou redes de investidores-anjo participam das avaliações # 53 contratos já foram firmados entre empresas e startups desde a conclusão do ciclo anterior# 30 startups captaram investimentos em até 2 meses após o fim do ciclo anterior# 692 parcerias estão em negociação POR QUE OPEN STARTUPS?Open Startups buscam,a partir da colaboração com instituições estabelecidas,articular para o seu desenvolvimento novos recursos não disponíveis no mundo do Venture Capital. São startups que trabalham no modelo de inovação aberta (open innovation).

GTI IT Solutions participa de programa de inovação nos Estados Unidos

O projeto APP - Apontamento de Chão de Fábrica,da GTI IT Solutions,foi selecionada para o programa de inovação LA IDEA ADVANCE MANUFACTURING. A iniciativa é do governo dos Estados Unidos,que fornece bolsas de estudo para empreendedores da América Latina,visando programas de treinamento em incubadoras e aceleradoras no país. O Sebrae foi convidado pela embaixada dos EUA a participar do Programa.A GTI contou com o apoio do Sebrae para ser uma das empresas selecionadas para o programa de manufatura e teve acesso às tecnologias de ponta,capital de risco e mentores. O projeto APP consiste em uma inovação de aplicativo móvel para as indústrias na automação do controle da manufatura.Durante o programa,foi apresentado o conceito de Indústria Maquiladora,que se aproveita de alguns acordos entre os governos americano e mexicano. Esses acordos estabelecem uma relação de isenção de impostos para troca temporária de produtos semiacabados e peças,o que,muitas vezes,reduz o custo efetivo do produto e o tempo de acesso ao cliente final. Assim,é possível quebrar o processo industrial em duas categorias ou etapas:1-Intensivas em mão de obra;2-Intensivas em consumo energético.As etapas intensivas em mão de obra ficam do lado do México e as etapas intensivas em consumo energético ficam do lado dos Estados unidos onde a energia elétrica,petróleo e derivados são mais baratos. Além de se aproveitar do melhor de 2 mundos,as Industrias Maquiladoras levam vantagem de localização em relação a indústrias do sudeste asiático.Júlio César Luppi Doebeli,Gerente de Projetos de Inovação da GTI,afirma que " a imersão em uma cultura industrial extremamente inovadora,permite trazer novas técnicas e procedimentos. As experiências internacionais são grandes oportunidades de ampliar conhecimentos,estabelecer novos contatos e proporcionar uma visão mais abrangente do mundo dos negócios internacionais". Júlio também salienta que observou uma grande diferença em relação aos incentivos governamentais para empreendedores,além das recompensas fiscais que estão diretamente ligadas ao número de empregos gerados."Outro destaque que pude observar é a eficiência na parceria existente entre universidades e o centro de indústrias. Esta parceria auxilia na instalação de novas empresas,além de facilitar o acesso a mão de obra qualificada,e dar suporte às pesquisas relacionadas ao segmento,completou Júlio César Luppi Doebeli.

Como criar uma startup? Série de vídeos do Valor Agregado apresenta dicas

Você sabe todos os passos para alcançar sucesso na criação de uma startup? Em uma série de vídeos,Sergio Mainetti Jr,presidente do Parque do Software de Curitiba e sócio da Visionnaire Informática,vai falar sobre o que é uma startup,qual o perfil do empreendedor,Vale do Silício.Vale a pena conferir!Como criar uma startup – Parte 2 – O modelo do Y CombinatorComo criar uma startup – Parte 3 – As características de uma boa StartupComo criar uma startup – Parte 4 – A importância do timeComo criar ums startup – Parte 5 – Versatilidade e comprometimentoFonte: Valor Agregado

Sebrae/PR lança,em Curitiba,Programa de TI 2016

Sobreviver em um setor extremamente dinâmico e competitivo é o grande desafio das micro e pequenas empresas de Tecnologia da Informação (TI). Para auxiliá-las,o Sebrae/PR criou um conjunto de soluções para dar mais eficiência e eficácia a seus modelos de negócios,a sua gestão e aos seus processos operacionais:o Programa de Tecnologia da Informação. A edição 2016 será lançada em Curitiba,na noite da quarta-feira,dia 9 de março,no auditório do Sebrae/PR.O evento é gratuito e tem início às 19 horas,com a palestra “Pesquisa,desenvolvimento e inovação em software e serviços de TI:decifrando o presente e fazendo prognósticos para o futuro”,ministrada por Virgínia Duarte,da Softex. Em seguida,Luiz Gustavo Comeli,gestor de Projetos APL de Software e Inovação em Ambiente de Negócios do Sebrae/PR,apresenta em detalhes as ações do programa deste ano.Segundo Comeli,o nível de maturidade de gestão dos empresários de TI é mais elevado do que a média geral de outros segmentos. “Por isso,é necessário se trabalhar a gestão de maneira mais qualificada,pontual e individual”,justifica.O consultor explica que o diagnóstico inicial das empresas é feito com base no Modelo de Excelência em Gestão (MEG),da Fundação Nacional de Qualidade (FNQ). “A maioria das empresas de TI fica em torno de 80 pontos,o que,para um micro ou pequeno,demonstra uma boa maturidade de gestão. Com esse resultado,percebemos que boas práticas de gestão já estão implementadas,então,passamos a fazer um trabalho mais individualizado”,detalha.Após o diagnóstico,a consultoria do Sebrae traça um plano de ação para a empresa,focado em melhorias que devem ser implementadas ao longo do ano para alavancar o negócio. As ações são acompanhadas por um consultor e,ao final do ano,é feito um novo diagnóstico para avaliar a evolução da empresa. “O programa não entra em questões técnicas,de desenvolvimento de software,por exemplo,nosso foco é na melhoria dos processos que leva à melhoria da qualidade de gestão e,consequentemente,torna a empresa mais competitiva”,ressalta Comeli.Programa ajudou empresa a passar pela criseO Sebrae/PR é o principal ativador do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software,governança que envolve mais de 100 micro e pequenas empresas do segmento de TI de Curitiba e região. O objetivo é estimular vínculos de articulação,interação,cooperação e aprendizagem entre os negócios participantes.Foi por meio do APL que Jandir Bianco Jr.,sócio-proprietário da ITSoftin,conheceu o Programa de TI do Sebrae/PR. Com 14 anos no mercado e 20 funcionários,a empresa foi uma das 28 participantes da última edição,o que lhe rendeu bons avanços em termos de gestão. “O primeiro MEG mostrava que já tínhamos um grau interessante de gestão e,no segundo,evoluímos bem,alcançando a nota máxima”,comemora.Jandir recorda que faz questão de envolver toda a equipe nos processos,não só o setor administrativo. “Melhoramos questões de controle,organização interna. As ações também foram fundamentais para que passássemos com estabilidade por este momento econômico ruim do País”,comemora. Informações e inscrições para o evento de lançamento do Programa de TI do Sebrae/PR 2016 podem ser obtidas pelo Central de Atendimento do Sebrae/PR,no telefone 0800 570 0800.Fonte:Sebrae/PR

Jogo sobre venda de picolé ensina conceitos de empreendedorismo para profissionais de todas as áreas

Ter noções de administração e visão empreendedora é importante para qualquer área de atuação,principalmente em tempos de recessão,quando qualquer atitude pode definir o sucesso ou fracasso de um projeto. Pensando em simplificar o aprendizado desses conceitos empreendedores,um grupo de estudantes do curso de Jogos Digitais do Centro Tecnológico Positivo criou um jogo que,por meio de um vendedor de picolés começando seu negócio,ensina noções administrativas de maneira prática e divertida. O aluno Jordy Adan explica que o jogo é uma forma lúdica e descomplicada de desenvolver habilidades empreendedoras e ampliar a percepção e conhecimento sobre gestão,planejamento e ação.A ideia é transformar-se em uma empresa grande e de sucesso em um mês – e,para isso,o jogador tem um carrinho de picolé e uma assinatura do jornal diário da região fictícia de Meeplelândia. Informações importantes contidas no jornal influenciam diretamente nas vendas e devem ser levadas em conta na hora do planejamento da rota. “A concentração de público em determinado horário pode ser prevista na notícia de um evento,por exemplo”,explica o estudante. O clima e a temperatura também podem interferir,já que interferem na preferência de sabores do consumidor. “Por isso,a informação pode ser decisiva na administração do estoque e lucratividade do dia. O jogo trabalha ainda ferramentas de divulgação,reputação da marca,logística,avaliação de riscos,manutenção,infraestrutura,entre outros conceitos.Além de Adan,fazem parte do projeto os estudantes Renata Silvério,Christhian Gruhn e Cássio Vinicius. Eles contam que trabalharam durante dois meses no desenvolvimento do jogo,utilizando diversos conteúdos aprendidos no curso,como programação,arte,documentação e game design. “Desde o início do projeto,buscamos desenvolver um jogo que unisse diversão,conhecimento e empreendedorismo,por meio de uma mecânica principal que fosse fundamentalmente simples de ser compreendida e permitisse ao jogador sentir-se parte daquele universo de empreendedorismo que estávamos propondo”,conta Adan.O jogo foi premiado no Desafio Universitário Empreendedor,do Sebrae,e,em breve,estará disponível gratuitamente no site da entidade. Segundo os alunos,o projeto pode ser facilmente levado para a plataforma mobile,como um aplicativo para smartphones.​

Empreendedorismo e tecnologia são destaques no Fórum iCities

A 4ª Edição do Fórum Internacional iCities acontece no próximo dia 03 de dezembro (quinta-feira),no Salão de Atos do Parque Barigui. O evento foca na exposição de ideias sobre novas concepções de desenvolvimento urbano,voltadas,sobretudo,à tecnologia,sustentabilidade e empreendedorismo. A programação conta com palestras sobre diversos assuntos e recebe grandes nomes do universo de startups e inovação,como Gui Telles,general manager do Uber no Brasil. Todas as palestras e painéis podem ser conferidos pelo do site www.icities.com.br.Com o objetivo de propor discussões sobre as questões atuais e futuras dos municípios,o Fórum apresenta tendências,estudos de casos e aplicações práticas de soluções inovadoras nos seus eixos de atuação:Comunicação,Energia,Economia Criativa,Startups,Sustentabilidade e Tecnologia. Assim como o debate sobre a regulamentação do Uber,várias temáticas recentes e polêmicas integram a programação do evento,como o uso de drones em cidades,veículos elétricos,ciclomobilidade,economia compartilhada e colaborativa.O publicitário,especialista em Inovação e co-fundador do iCities,André Telles,explica que,em tese,uma cidade inteligente está em um processo de transformação eterno. Autor do primeiro livro sobre Mídias Sociais no Brasil,em 2005,Telles vê relação entre os dois temas. "As pessoas têm percebido como um excelente mercado para atuar,assim como ocorreu com as redes sociais,quando houve explosão de empresas interessadas em produzir conteúdo. Em Smart Cities já existe a percepção de um mercado muito amplo,seja em arquitetura e urbanismo ou relacionado ao empreendedorismo e gestão pública",diz.Dentro desse contexto,além das discussões,soluções e inovações apresentadas durante as apresentações,o Fórum iCities vai marcar um importante movimento para a comunidade interessada no assunto:o lançamento da primeira pós-graduação sobre o tema,realizada pela Universidade Positivo. "O conceito de Smart Cities é uma forma de o cidadão promover melhorias na cidade sem,necessariamente,ter uma relação direta com o governo,embora possa tê-lo como parceiro em suas ações",explica Telles,que também será um dos coordenadores da pós-graduação.Com 420 horas de duração,o curso terá foco em duas linhas de pesquisa:arquitetura e urbanismo e empreendedorismo. No início,os alunos terão aulas em conjunto sobre os conceitos que regem o tema,como a história das cidades,planos diretores inteligentes e questões sobre empreendedorismo de alto impacto e startups. "As pessoas acham que startups e o empreendedorismo precisam estar ligados às tecnologias pesadas,mas não é verdade. Ações que melhorem a qualidade de vida,como a ciclomobilidade ou a locação de carros e bicicletas,também são importantes",explica Roberto Marcelino,co-fundador do iCities e um dos idealizadores da Pós-Graduação em Cidades Inteligentes.Geração de conhecimentoAssim como em outros movimentos,a atuação sinérgica de sociedade civil,mercado,academia e governo acelera a fixação das ideias e de novas iniciativas relacionadas às Smart Cities. No caso das Cidades Inteligentes,a pós-graduação vai contribuir para o aumento da produção de conhecimento. "Isso amplia o entendimento sobre a temática,com aumento do número de profissionais competentes para promover o tema",explica Telles. Dessa forma,difundem-se os conceitos sobre o assunto e a compreensão de que a tecnologia e o empreendedorismo podem transformar uma cidade.Já existem diversos cases que servem de referência no país,caso do Porto Maravilha,no Rio de Janeiro,que visa fazer com que a região volte a integrar o processo de desenvolvimento municipal;e o Porto Digital,em Recife,busca se tornar o melhor ambiente de inovação e empreendedorismo de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Economia Criativa do país. E também iniciativas de instituições privadas,caso da adoção de Adrianópolis,na região metropolitana de Curitiba,pelo Laboratório de Cidades da Universidade Positivo,que orienta comércios e a própria prefeitura no recente crescimento de uma cidade marcada pelos baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH). IV Fórum Internacional iCitiesData:03/12 (quinta-feira)Horário:8h às 19hLocal:Salão de Atos do Parque Barigui Alameda Ecologica Burle Marx,s/nSanto Inácio - Curitiba - PRMais informações:http://www.icities.com.br/forum-internacional-icities/

Hackathon,varejo,turismo,e-commerce e ex-presidente do BC estão entre principais atrações do ParanáTIC 2015

Uma palestra com o economista Gustavo Loyola vai abrir o ParanáTIC 2O15,principal evento de Tecnologia da Informação do sul do Brasil,que acontece dias 12 e 13 de novembro na cidade paranaense de Foz do Iguaçu.Loyola presidiu o Banco Central no governo de Fernando Henrique Cardoso e foi responsável pela reestruturacão do sistema bancário brasileiro. O sócio-diretor da Tendências Consultoria vai falar sobre o atual cenário de crise no país e perspectivas para o empresariado no futuro.Uma das novidades deste ano é a realização de Trilhas de Varejo e Turismo. Serão várias palestras e debates sobre integração de ferramentas tecnológicas para um melhor desempenho de empresas ligadas aos dois setores. Essa integração com verticais faz parte do Plano Estratégico do setor de TI do Paraná de aproximação e oferta de soluções para as mais variadas atividades econômicas.Entre as palestras de destaque,João Ricardo Mendes,fundador do Hotel Urbano,vai falar sobre “Encontrar Conforto no Desconforto”. O Hotel Ubano é o maior site de vendas de diárias de hotéis e pacotes aéreos pela internet no Brasil. Dílton Felipini,especialista em comércio eletrônico,vai tratar de formas para superar a crise com vendas pela internet. Cláudio Navarro,do Instituto CESAR,participa de Painel de Inovação,Graziela Mota fala sobre o futuro varejo com auxílio de ferramentas de tecnologia. Ainda para falar sobre vendas,o ParanáTIC também vai contar com Eduardo Terra,presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo.A aproximação com o mundo acadêmico vai ser garantida com uma maratona de programação e também com o Prêmio Talento Acadêmico,atividade científica e cultural promovida pela Assespro-Paraná. Em parceria com instituições de ensino superior conveniadas e/ou parceiras,tem como objetivo identificar,reconhecer e divulgar projetos científicos na área de tecnologia da informação que representem uma importante contribuição para a inovação tecnológica brasileira.Neste ano,o ParanáTIC vai ganhar projeção internacional. A Assespro Nacional,Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação,já confirmou a participação de representantes de 14 regionais da entidade para conhecer o trabalho do movimento paranaense de TIC,que conta com seis Arranjos Produtivos Locais. A participação internacional vai ser viabilizada pela ALETI,Federação Ibero-americana de Entidades de Tecnologías da Informação,que conta com 21 associações empresariais em 19 países.Realizado em parceria da Assespro-Paraná com o Sebrae,o ParanáTIC reúne empresários,pesquisadores,professores,estudantes e profissionais da área de Tecnologia da Informação e Comunicações,com o objetivo de promover a integração de pessoas visando a criação de empresas,produtos e serviços inovadores. Tem como desafio articular iniciativa privada,poder público e academia para consolidar o Paraná como referência em inovação tecnológica no Brasil.SERVIÇO:ParanáTIC 2015Dias 12 e 13 de novembroHotel Mabu,Foz do Iguaçu,ParanáAcompanhe as novidades sobre o evento em http://www.paranatic.com.brMais informações sobre o Paranátic:41 33371014 ou mailto:executivo@assespropr.org.br

Batalha de aplicativos estimula empreendedorismo e inovação em sala de aula

O segundo bimestre de 2015 está sendo diferente para alunos de quatro áreas da Universidade Positivo. As turmas de Arquitetura e Urbanismo,Direito,Odontologia e Formação Básica de Negócios estão participando do Desafio Apps in Class,desenvolvido pelo Centro de Inovação Pedagógica da UP para promover o mobile learning entre alunos e professores. Após o período de capacitação e aprendizado da plataforma Eduapps,os estudantes do primeiro e segundo anos participantes serão avaliados em um concurso,nesta quinta-feira (2 de julho),que escolherá os três melhores aplicativos desenvolvidos. De acordo com Márcia Sebastiani,diretora do Centro de Inovação Pedagógica,o mundo está em constante modernização e a educação não pode ficar para trás. Por isso,o concurso estimula não só o aprendizado na área de programação e tecnologia,mas também incentiva a vontade de inovar. "A proposta do Apps in Class é mostrar que o uso da tecnologia não deve ficar restrito aos cursos de ciências exatas e que é possível e fácil introduzir métodos diferentes de aprendizado em sala de aula",explica. Inovação e educação caminham juntosO Desafio Apps in Class é apenas uma das iniciativas do Centro de Inovação Pedagógica (CIP) da Universidade Positivo,um núcleo de pesquisas e desenvolvimento de serviços e processos inovadores,focado na evolução e modernização do ensino na educação básica e superior,em instituições públicas e privadas.Segundo Márcia,o CIP foi instituído com o propósito de criar e implementar projetos inovadores na área educacional,capazes de melhorar,cada vez mais,o aprendizado dos alunos. "É importante estarmos permanentemente pesquisando novas metodologias de ensino e desenvolvendo-as de acordo com a nossa realidade. Além disso,um dos nossos diferenciais é que monitoramos o quanto cada uma destas novas propostas impactam,de fato,na melhoria da aprendizagem",analisa a diretora.Além do Desafio,o CIP também desenvolve outros projetos com a marca da inovação. Um exemplo é o Programa Descoberta,dirigido ao desenvolvimento de professores,que busca,por meio de pesquisas,identificar e destacar as melhores práticas que efetivamente dão resultados no progresso dos alunos.

Curitiba IT e programa Valor Agregado vão divulgar Startups

O programa de tv Valor Agregado (CWB TV) e o blog Curitiba IT vão mostrar as Startups que estão transformando Curitiba em capital da inovação. Se você quer divulgar sua ideia em uma de nossas reportagens,entre em contato em imprensa@curitibait.com.br

Especialistas definem 18 setores portadores de futuro na Região Metropolitana de Curitiba para os próximos 10 anos

Da região que concentra o maior Produto Interno Bruto (PIB) industrial do Paraná,a região metropolitana de Curitiba (RMC) – com 45% do total do Estado – formadores de opinião,líderes locais dos setores público e privado e representantes de instituições de ensino e pesquisa elegeram 18 setores – entre 26 – como portadores de futuro para o Paraná,para os próximos 10 anos. A RMC foi a área do Estado que obteve o maior número de setores priorizados pelo mapeamento dos Observatórios Sesi Senai IEL devido à grande diversidade econômica da região. A avaliação também foi realizada em outras 9 mesorregiões do Paraná.A proposta do Sistema Fie é projetar a posição dos setores industriais paranaenses entre 2015 e 2025,em relação a tendências internacionais,levando em conta tendências tecnológicas,sociais e industriais.“A saída para a atual crise é a união de pessoas que querem encontrar soluções e construir juntas caminhos mais produtivos. Trabalhos grandiosos como este,que vai traçar rumos para o desenvolvimento do Paraná para os próximos 10 anos,só são possíveis quando há o envolvimento de muitos representantes,das áreas pública e privada. Com este trabalho,teremos bases sólidas para trabalhar pelo crescimento do Estado”,disse o presidente do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep),Edson Campagnolo.“O que o Sistema Fiep está fazendo,junto a lideranças locais de todo o Paraná,é um exercício de responsabilidade pública. Este estudo dos Observatórios será fundamental para que o governo defina ações,orientado pela sociedade”,disse o secretário de Planejamento do Paraná,Silvio Barros,avaliando o papel dos administradores públicos e sua relação com a comunidade. “O gestor público precisa tomar decisões que afetam a vida de todos e quando a informação é insuficiente,a decisão pode ser errada. Por isso estamos tão atentos a este tipo de iniciativa”,explicou Barros.Metodologia - Para chegar aos setores relevantes para cada mesorregião do Paraná,os pesquisadores avaliaram 8 fatores – participação do setor,crescimento,concentração,competências,investimentos,importações,transversalidade e emergência. A partir destes indicadores,os técnicos chegaram a 26 setores na RMC – Saúde e Beleza;Biotecnologia;Economia Criativa;Nanotecnologia;Agroalimentar;Celulose,Papel e Gráfica;Madeira e Móveis;Minerais não Metálicos;Borracha e Plástico;Couro e Calçados;Cerâmica;Indústria da Defesa;Construção Civil;Meio Ambiente;Produtos Químicos;Infraestrutura e Logística;Tecnologia da Informação e Comunicação;Eletroeletrônica;Automotiva e Autopeças;Metalmecânica;Aeronáutica e Espacial;Economia do Turismo e Lazer;Bens de Capital;Economia Verde;Energia,e Economia da Água. Para identificar os segmentos portadores de futuro,os painelistas avaliaram 3 tendências âncoras de cada setor apresentado.Esta é a segunda edição do projeto Perfis Portadores de Futuro para o Paraná. O superintendente de Energias Renováveis de Itaipu,Cícero Bley,participou da primeira edição,em 2005,e reconhece avanços em seu setor,desde a publicação do estudo. “Naquela época (2005),começava-se a propor energia distribuída - quando o gerador de energia também tem o direito a receber do distribuidor pelo excedente que produz. Hoje,isso é uma realidade,por meio da portaria 44,publicada em março deste ano,que já havia sido identificada neste trabalho dos Observatórios como uma ferramenta necessária para avanços nesta área”,pontuou Bley.O painel de especialistas realizado em Curitiba nesta segunda-feira (13) reuniu 82 participantes. O trabalho deve ser concluído em junho deste ano.Fonte:FIEP

Minha Ideia Muda o Mundo entrega prêmios a vencedores

[caption id="attachment_3212" align="aligncenter" width="570" caption="Foto Digital Produções"][/caption]Nível de projetos inscritos indica avanço da inovação tecnológica no ambiente de negóciosOs jovens empreendedores Jefferson Jess,Dan Queirolo e George Christofis Neto,cujos cases venceram as três categorias do concurso Minha Ideia Muda o Mundo,lançado pelo Conselho de Jovens Empresários da Associação Comercial do Paraná (ACP),receberam os prêmios individuais de R$ 5 mil em evento realizado nesta terça-feira (7) na sede da entidade.O encontro foi encerrado com a palestra do empresário Gui Barthel,fundador do site Baixaqui e atualmente CEO do grupo NZN de conteúdos digitais,um dos mais importantes do país. Menções honrosas do Lactec e Agência Curitiba foram também atribuídas,respectivamente,aos empreendedores Thomas Von Buettner pelo projeto “Ampel Tecnology” no campo da inovação tecnológica e engenharia,e a André Marim,que inscreveu o projeto “Fleety” classificado como destaque na área de mobilidade urbana. Os cheques alusivos foram entregues aos ganhadores pelo presidente Antonio Espolador Neto e vice-presidente João Guilherme Duda,coordenador do CJE,com o patrocínio da Agência de Fomento Paraná,Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE) e Atrativaweb.Cases vencedoresO modelo adotado este ano para o concurso,cuja coordenação esteve a cargo do integrante do CJE,Bruno Ceschin,foi dividido em três categorias,a saber:Minha Ideia Muda a Minha Vida (negócios de alto potencial econômico),Minha Ideia Muda o Mundo (organizações de alto potencial social) e Minha Ideia Muda a ACP (negócios de alto potencial de interesse dos associados da entidade).Os cases vencedores das três categorias foram o “All Day Use” de Jefferson Jess,que recebeu o prêmio de 1º lugar em negócios de alto potencial;“Sou artista pro” de Dan Queirolo,em organizações de alto potencial social;e “Mercafacil.ME” de George Christofis Neto,na área de ideias para negócios de alto potencial de interesse para associados da própria Associação Comercial do Paraná.Com o segundo lugar nas categorias de negócios de alto potencial econômico e organizações de alto potencial social ficaram os projetos inscritos por Vitor Flores e Ivan Chagas Pedroso. O presidente Antonio Espolador Neto e o coordenador do CJE,João Guilherme Duda,agradeceram o grande número de inscritos no concurso,elogiando o alto nível dos cases vencedores. “Este é um indicativo seguro de que cresce entre os jovens empreendedores a busca de inovação tecnológica para o aprimoramento de seus negócios e também dos que pretendem abrir seu próprio empreendimento”,comentou o presidente.Experiência profissionalO convidado especial da noite foi o empresário curitibano Gui Barthel,fundador do site de downloads Baixaqui,que discorreu sobre sua experiência profissional e empresarial a partir de 1999,quando começou a atuar no mercado.A semente frutificou e hoje Barthel desempenha as funções de CEO do Grupo NZN e sócio proprietário da Oven Pizza,rede de pizzarias na qual o cliente tem a possibilidade de personalizar a receita de sua preferência. A rede está presente no Parkshopping Barigui e em breve abrirá unidades nos shoppings Curitiba,Estação e Palladium.Atualmente a NZN comporta 12 sites,sendo um dos quatro maiores grupos independentes de conteúdo digital no Brasil,o Tecmundo,detendo atualmente a 9ª maior audiência da internet no país.O evento do ACP/CJE teve a presença de Juraci Barbosa Sobrinho e Antonio Romildo Mileck (Agência Fomento Paraná),Sérgio Hekave (BRDE),Jovaldo Santos Junior (Atrativaweb) e Luiz Fernando Vianna,diretor presidente do Lactec,além de Ivo Petris,vice-presidente da ACP e convidados. Fonte:Associação Comercial do Paraná