Como o processo de inovação da sua empresa deveria ser?

Empresas e agências governamentais geralmente cometem o erro de olhar para a inovação como um “ajuntado” de atividades sem disciplina ou sem regulamentação.Na realidade,para que a inovação venha a contribuir com uma empresa ou com uma agência governamental,ela deve ser pensada como um processo,desde o começo de seu desenvolvimento.Quando empresas não possuem um pipeline formal de inovação,aprovações de projetos tendem a ser embasadas em quem tem a melhor demo ou slides,ou nos lobbies mais fortes.Não há,para quem propôs a ideia,o fardo de conversar com possíveis clientes,criar um mínimo produto viável,testar hipóteses e compreender as barreiras do desenvolvimento.Nesses casos,conta-se somente com pessoas bem-intencionadas e inteligentes,sentando num comitê para decidir que ideias valem serem colocadas em prática.Ao invés disso,empresas precisam é de um pipeline auto regulável,embasado em evidências.Ao invés de um comitê de ideias,elas precisam de um processo que opera com velocidade e urgência,e que ajuda pessoas inovadoras e outros stakeholders a levantar e priorizar problemas,ideias e tecnologias.Esse processo de priorização tem que começar antes mesmo de uma nova ideia chegar até a engenharia.Dessa maneira,as inovações que chegam até a engenharia já irão possuir evidências substanciais,e irão evitar desperdício de trabalho e de investimento.Validar necessidades de consumidores,processos,segurança legal,problemas de integração,etc.excelente processo de inovação dentro de uma companhia deveria ser assim:Inovação: durante um período,um grupo gera uma lista de problemas,ideias e tecnologias que podem valer a pena investir.Curadoria:durante alguns dias ou mesmo semanas,os inovadores saem de seus próprios escritórios e conversam com colegas e clientes.O objetivo é encontrar outros lugares na empresa onde um determinado problema poderia existir de uma forma ligeiramente diferente.Identificar projetos internos relacionados já existentes e encontrar soluções comercialmente disponíveis para problemas.Também procurar identificar questões legais,problemas de segurança e problemas de suporte.Esse processo auxilia a identificação de quem seriam os possíveis clientes de uma solução a ser desenvolvida,a equipe a ser envolvida no desenvolvimento,e até mesmo como um mínimo produto viável deve ser.Essa fase inclui a criação do mínimo produto viável inicial.Algumas ideias “morrem” quando o time reconhece que ela pode ser inviável financeira,legal ou tecnicamente,ou ao descobrir que alguém já fez um produto similar.Priorização: uma vez que uma lista de ideias de inovação foi refinada pela curadoria,é necessário priorizar essas ideias.Um dos modelos mais rápidos para isso é o Modelo de Três Horizontes,de McKinsey.Uma vez que os projetos estejam priorizados,a equipe deve então pegar o primeiro da lista e se perguntar:“esse projeto vale ser executado pelos próximos meses,com esforço integral de nosso tempo?”.Essa priorização não é feita por um comitê,e sim pela própria equipe de inovação.Exploração da solução e teste de hipóteses: as ideias que passarem pelo filtro da priorização entram em uma fase de incubação.Esse processo entrega evidências para decisões baseadas em dados,facilmente defensáveis. Para cada ideia,o time de inovação cria um canvas de modelo de negócio.Tudo nesse canvas não passa de hipótese,e a ideia é validar tudo.Incubação: Uma vez que os testes de hipóteses forem concluídos,muitos projetos ainda irão precisar de um período de incubação enquanto os times concluem o recolhimento de informações acerca da aplicação.Concluem a criação do MPV,e se acostumam a trabalhar juntos (em casos de equipes recém-formadas).A incubação requer uma atenção dedicada das lideranças da empresa,para que se garanta que o projeto não morra por falta de acesso a recursos ou se torne “órfão” (sem alguém para o guiar).Integração e inovaçãoNesse ponto,se a inovação for Horizonte 1 ou 2 (segundo o Modelo de Três Horizontes,de McKinsey),é hora de integrar ele na organização já existente de sua empresa (inovações Horizonte 3 geralmente são criadas para serem independentes).Tentar integrar projetos de inovação novos,sem orçamento e planejamento prévio é caótico e frustrante,com certeza gerará atrito.Uma realidade de mercado atual é de que as empresas estão enfrentando a grande ameaça da disrupção.Algumas inclusive começaram a perceber que sua vantagem tecnológica é diminuída ano após ano,e ficar parado logo vai se transformar em ficar para trás.Que tal fazer uma pausa e pensar em como o seu processo de inovação se parece,e como pode ser melhorado? Por Siro Canabarro,CMO da Gumga

Curitiba promove encontro para fomentar o ecossistema de empreendedorismo e inovação

Na quarta-feira,21 de junho,o programa 100 Open Startups,plataforma internacional que conecta startups e grandes empresas,realizará o Demoday 100 Open Startups Curitiba. O evento contará com a participação de startups locais,empresários e investidores ligados aos setores corporativo,de empreendedorismo e inovação. O objetivo é tornar o Paraná um estado ainda mais representativo no segmento,além de abrir espaço para novos negócios e conquistar resultados expressivos para a região.Realizado em parceria com o Sistema FIEP - Centro Internacional de Inovação,no Campus Indústria,o evento em Curitiba faz parte da primeira Rodada de Demodays 100 Open Startups Brasil do ciclo 2017. A inauguração das ações do novo ciclo seguirá sob o tema Grandes Empresas e Startups:Novos Modelos de Negócio para Inovação. O evento reunirá atores do ecossistema local e grandes empresas,que vão acompanhar a apresentação das startups Top do Estado que foram destaque no Ranking 100 Open Startups Brasil 2017. Além destas,as startups mais atraentes do novo ciclo também farão seus pitches em busca da validação de investidores e a indicação para os próximos níveis.Todas as startups paranaenses que se destacaram no ranking 100 Open Startups 2017 participarão do DemoDay,inclusive a GoEpik,eleita a startup mais atraente do Brasil. A empresa auxilia a indústria da transformação 4.0,utilizando IoT,digitalização de processos com realidade aumentada e treinamento imersivo. As demais startups são:Beenoculus,Tau Flow,Contraktor,Ubivis e UNA Smart.Estar entre as top 100 significa ter mais chances de crescimento e desenvolvimento,uma vez que o movimento 100 Open Startups permite o relacionamento com agentes-chave,como grandes empresas,investidores e aceleradoras que procuram soluções nas empresas iniciantes. Na última edição,foram geradas mais de 10 mil avaliações,mas o principal resultado foram os 298 contratos que já foram firmados entre empresas e startups.O Demoday 100 Open Startups Curitiba terá a presença de grandes líderes locais interessados em novas parcerias,como Novanzymes e Furukawa,além de abrir espaço para novas startups da região apresentarem seus projetos e integrarem o movimento. “As startups têm muito potencial de inovação e esta é a oportunidade para apresentarem seus projetos em um ambiente que dará a oportunidade de prosperarem em seus negócios”,comenta Bruno Rondani,fundador e CEO do programa 100 Open Startups.“O evento será uma grande oportunidade de descobrir novos talentos inovadores,que abastecerão o nosso tecido industrial de tecnologias e modelos de negócio de ruptura”,completa Filipe M. Cassapo,gerente-executivo do Centro Internacional de Inovação - Sistema FIEP.Demoday 100 Open Startups CuritibaData:21 de junho (quarta-feira)Horário:18h às 21hLocal:Campus Indústria - Sala:Laboratório de CriatividadeEndereço:Av. Comendador Franco 200 - Jardim Botânico – Curitiba/PR

4Results leva soluções tecnológicas para evento internacional sobre inovação no agronegócio

Para incentivar a disrupção no agronegócio,acontece,de 21 a 24 de maio,nos Estados Undos,o One – Simpósio de Ideias Alltech,promovido pela empresa que é líder mundial em saúde e nutrição animal.O principal objetivo do evento é inspirar agricultores,pecuaristas,produtores,fornecedores e influenciadores a romperem os métodos convencionais e utilizarem seu potencial e tecnologia na proposição de ideias e soluções para uma produção mais sustentável. "O Simpósio ONE busca incentivar,capacitar e,mais importante,nos desafiar”,destaca o presidente e fundador da Alltech,Dr. Pearse Lyons. "Queremos que os indivíduos não se sintam apenas como se fossem parte desse desenvolvimento da indústria,mas que se sintam capazes de implementar e propor soluções". A empresa de tecnologia 4Results vai participar do simpósio da Alltech por acreditar que pode contribuir com importantes ferramentas tecnológicas para o desenvolvimento do agronegócio com soluções inovadoras. A 4Results atende a Alltech com o Microsoft Dynamics e disponibliza soluções tecnológicas para a empresa em todos os países da América Latina em uma parceria que teve início em 2012. Também pertence ao One Club,grupo dos principais fornecedores escolhidos pela Alltech para crescer juntos. Daí partiu o convite para a participação no simpósio One,que também conta com patrocínio da 4Results. “Como um parceiro Microsoft Gold,a 4Results está trabalhando para promover transformação digital no Brasil e na América Latina. Existe este chamado para disrupção,não se trata de aderir às tecnologias,é necessário reimaginar”,afirma Cristiane Werner,CEO da 4Results. "Este é o momento para construir novos modelos,para gerar valor e criar novas oportunidades,enfim,oferecer uma experiência inédita por meio da tecnologia“,completa a empresária. One – Simpósio de Ideias Alltech21 a 24 de maioLexington – Kentucky – Estados Unidos Saiba mais em www.4results.com.br e www.pt.alltech.com

Em almoço,Associação Comercial discute inovação

[caption id="attachment_4612" align="aligncenter" width="677" caption="Foto:Comunicação/ACP"][/caption]O Instituto ACP para Inovação da Associação Comercial do Paraná,coordenado por Eduardo Aichinger,em colaboração com o ISAE/FGV e FIEP e BRDE,realizou nessa segunda-feira (24) sua segunda reunião-almoço com a participação dos expositores Antonio Raimundo dos Santos e Heitor Pereira do ISAE/FGV,Rubens Cieslak,do setor de Educação Corporativa da Volvo e Antoine Moreau,do Centro Internacional de Inovação da Federação das Indústrias do Paraná (FIEP).O presidente da ACP,Gláucio Geara,fez a abertura do evento e agradeceu os conferencistas que abordaram os temas “Competências para a inovação e Mapeamento de competências”. O primeiro tema esteve a cargo do professor Antonio Raimundo dos Santos,que o subdividiu em três partes contando com a participação do professor Heitor Pereira e de Rubens Cieslak,especialista em Educação Corporativa da Volvo,que descreveu aspectos gerais da prática adotada pela montadora.O representante da FIEP,Antoine Moreau,com base na experiência acumulada pelas empresas integrantes do sistema,sublinhou a importância do mapeamento das competências por parte de empresas inovadoras nas áreas de finanças,informação e inovação tecnológica.Fonte:Associação Comercial do Paraná

Vale do Pinhão:diretor da Agência Curitiba apresenta iniciativa a empresários do setor de TI

Tiago Francisco da Silva,diretor da Agência Curitiba,apresentou as iniciativas da Prefeitura para incentivar o desenvolvimento de um ecossistema de startups e criação de negócios inovadores na capital do Paraná. Dezenas de empresários do setor de Tecnologia da Informação acompanharam a apresentação em uma reunião na sede do Sebrae Paraná. Saiba mais sobre o Vale do Pinhão em uma entrevista em vídeo:

Head de Marketing da 3M do Brasil participa de evento da Amcham em Curitiba

Luiz Serafim,Head de Marketing da 3M do Brasil,companhia global que é referência no desenvolvimento de soluções inovadoras para as necessidades do dia a dia,estará em Curitiba nas próximas quinta e sexta-feira (23 e 24/03). Serafim vem compartilhar com executivos e empreendedores as experiências que tornaram o setor de Recursos Humanos da 3M um impulsionador e percursor de inovação dentro da empresa. Os encontros são promovidos pela Câmara Americana de Comércio (Amcham-Curitiba).Na quinta-feira Serafim será palestrante do Comitê de Recursos Humanos,fechado para os associados da Amcham. O encontro acontece das 18h30 às 20h30 e faz parte da estratégia da Câmara de promover um ambiente de negócios e atualização de conhecimento entre os seus associados.Já na sexta-feira (24),será ministrado um curso aberto ao público sobre Gestão da Inovação na prática. Serão abordados temas como megatendências,tecnologia,processos e métricas e cultura organizacional das empresas. O módulo tem duração de 8 horas. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (41) 2104-9350 ou pelo e-mail isabella.slompo@amchambrasil.com.br até o dia 22 de março.Sobre Luiz SerafimO executivo lidera as áreas de Comunicação,eBusiness,Insights e Programas de Inovação da 3M do Brasil. É autor do livro “O Poder da Inovação – Como alavancar a inovação da sua empresa”,da editora Saraiva,e professor de Gestão de Marketing e Inovação nos cursos de MBA da Fundace USP Ribeirão Preto,faculdade ESAMC/Campinas,Inova Business School e Amcham Campinas. Colabora com os portais Administradores.com e Endeavor.Comitê de Recursos HumanosData:Quinta-feira (23/04),18h30 às 20h30Fechado aos associadosLocal:Amcham Business Center - Rua João Marchesini,139 – Prado Velho Curso Gestão da Informação:Data:Sexta-feira (24/03),das 8h00 às 17h30Aberto ao públicoInscrições até 22/3:(41) 2104-9350 ou pelo e-mail isabella.slompo@amchambrasil.com.brLocal:Amcham Business Center - Rua João Marchesini,139 – Prado Velho

Vale do Pinhão:Curitiba precisa de muito mais do que um nome engraçadinho para ser referência em tecnologia

[caption id="attachment_4400" align="aligncenter" width="1024" caption="Prefeito Rafael Greca,durante eleições,já falava a empresários sobre o Vale do Pinhão"][/caption]Nos últimos quatro anos,Curitiba viveu um "período de trevas" no incentivo ao setor de tecnologia. A prefeitura da cidade congelou programas importantes como o ISS Tecnológico e o Tecnoparque,cuidou mal da relação com o ICI,principal fornecedor de TI do município,abandonou o Parque de Software. A criação de uma secretaria para Tecnologia Informação não mostrou qualquer resultado positivo. A cidade pagou o preço:viu Florianópolis despontar como "capital tecnológica" e apresentou menos iniciativas inovadoras do que municípios do interior do Paraná. Agora,em uma elogiável demonstração de boa vontade,o novo prefeito Rafael Greca anuncia a criação do "Vale do Pinhão" para incentivar a economia criativa,as startups e o setor de TI. Mas a novidade,que lembra o tom poético do criador precisa mostrar que pode ser mais que rima. Curitiba precisa,mesmo,é de uma grande solução. O problema é que esse Vale do Pinhão parece com iniciativas que já não funcionaram em um passado recente,a começar pelo nome:a gestão anterior apoiou a tal da Capivalley,que também tinha um nome engraçadinho,mas não vingou. Afastadas as capivaras inspiradoras das mídias sociais da gestão anterior,cria-se outra marca que se identifica com a população local,mas que pode acabar não convencendo o mercado lá fora. Afinal,aposta em tecnologia é para vender para o mundo. Essa é a força do Vale do Silício.Além do novo nome,outra aposta de Greca é a ocupação de um espaço decadente no bairro Rebouças. A ideia é integrar o setor produtivo à academia,com universidades instaladas ao redor. Mas a área nunca atraiu a atenção do empresariado do setor. Já se apostou nessa região quando Beto Richa foi prefeito e o incentivo do Tecnoparque,por exemplo,acabou sendo estendido para toda a cidade,na gestão de Luciano Ducci,porque não havia espaço para todos nas áreas delimitadas e a demarcação interessava mais aos especuladores imobiliários do que aos empreendedores da TI local. Se Curitiba quer ser grande em tecnologia,precisa ir além do "mais do mesmo" e de soluções batidas,que voltam com rótulo diferente. Acredito que o primeiro passo seja a criação de uma Governança de TI municipal,tomando,como exemplo,o que se criou,recentemente,em nível estadual para a convergência de ideias e estratégias. Mas o mais importante é ouvir a voz de quem cria as soluções inovadoras. A união do setor produtivo com poder público e academia é muito boa,,mas o Facebook não foi criado pelo reitor de Harvard,a Microsoft não é obra de um governador e a Apple não surgiu de algum devaneio do prefeito de Cupertino. Empreendedorismo é coisa de empreendedores.

Apex-Brasil promove seminário “Inovação e Desenvolvimento de Produtos para Comércio Exterior” para empresas de Curitiba e região

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) promove nesta terça-feira,dia 18 de outubro,o seminário “Inovação e Desenvolvimento de Produtos para Comércio Exterior” que tem como objetivo apoiar as empresas da região de Curitiba que estão no início do processo de internacionalização. Durante a oficina,serão apresentados conhecimentos teóricos e práticos para que os participantes desenvolvam estratégias e competências para o aprimoramento de seus produtos e serviços,tornando-as mais competitivas para o comércio exterior. Na agenda do encontro,palestras sobre a importância da inovação para exportação,desenvolvimento de produtos,cadeias de valor,inovação e design em ambiente de sustentabilidade,entre outros. O seminário será ministrado pelo Doutor e Mestre em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo,Antonio Carlos Tonini. O workshop para capacitação empresarial faz parte do Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX),um instrumento cujo objetivo é estimular a competitividade e promover a cultura exportadora nas empresas,qualificando e ampliando os mercados para as indústrias iniciantes em Comércio Exterior. O PEIEX oferece às empresas um diagnóstico gratuito com o objetivo de,posteriormente,no desenvolvimento do trabalho,apresentar soluções a fim de impactar sobre seu desempenho competitivo. Ao mesmo tempo,o projeto sinaliza aos agentes econômicos o esforço de médio e longo prazos que se deve empreender no sentido de operar mudanças no padrão de competitividade da região atendida,fundamentado no trabalho de gestão. As ações do PEIEX desenvolvem-se em localidades onde haja concentração empresarial e vão desde a implantação de soluções gerenciais,que dependem apenas do próprio empresário e dos seus recursos disponíveis,até ações relativas à informação e ao acesso a mercados,que são processos externos. Workshop “Inovação e Desenvolvimento de Produtos para Comércio Exterior”Data:18 de outubro,terça-feiraHorário:8h30 às 18hLocal:SETI – Secretaria de Ciência,Tecnologia e Ensino Superior – Auditório / Av. Pref. Lothário Meissner,350 – Jardim Botânico – Curitiba (PR)Informações:Núcleo Operacional PEIEX Curitiba / (41) 3218-9273

Empreendedores do Paraná têm até 26/09 para se inscreverem no movimento 100 Open Startups

Empreendedores do Paraná têm até o dia 26 de setembro para se inscreverem no movimento 100 Open Startups. Trata-se de uma plataforma global que conecta startups de todas as áreas a mais de 200 grandes empresas brasileiras e globais e fundos de investimento. As inscrições podem ser feitas pelo site http://www.openstartups.org.br/.Para entrar no movimento,o empreendedor precisa escolher um dos 20 desafios temáticos propostos pela rede composta por grandes empresas das mais diversas árease inscrever a startup no tema que mais tem sinergia com a sua atuação,como Agronegócios,Cidades Inovadoras,Saúde e Bem-Estar,Serviços Financeiros,Pequenas Empresas,Educação do Futuro,Energia,Alimentos etc.Após decidir o “Grande Desafio” e por qual “Capital da Inovação” pretende se apresentar,o empreendedor passa por cinco etapas de avaliação,on-line e presencial. As startups mais atraentes,na avaliação dos executivos da rede,são classificadas e convidadas a apresentar o “pitch” pessoalmente durante evento na capital escolhida.INTERNACIONALIZAÇÃO DO MOVIMENTONeste ano,além de dobrar para 20 o número de desafios temáticos,o movimento 100 Open Startups virou uma plataforma global,com a entrada de oito capitais internacionais:Bangalore (Índia),Santiago (Chile),Lima (Peru),Bogotá (Colômbia),Cidade do México (México),Pittsburgh (Estados Unidos),Oslo (Noruega) e Barcelona (Espanha).No Brasil,nove “Capitais da Inovação” já atingiram a meta de cadastros e serão sedes dos encontros:São Paulo,São José dos Campos,Campinas,São Bernardo do Campo,Florianópolis,Rio de Janeiro,Curitiba,Belo Horizonte e Porto Alegre.“Nossa meta é identificar as 100 startups mais inovadoras de diferentes regiões do mundo,boas para investimento,na opinião de quem atua no mercado. Os empreendedores participam de uma plataforma que vai conectá-los tanto aqui no Brasil como com corporações da América Latina,Estados Unidos e países da Europa e Ásia. Por isso,tivemos a ousadia de não copiar uma metodologia estrangeira,e sim exportar o que tem dado muito certo no Brasil”,explica Bruno Rondani,fundador do 100 Open. COMO FUNCIONATodos os projetos submetidos pelas startups que se inscreverem serão avaliados por um grupo formado por empresários,investidores e empreendedores. No ano passado,1.569 propostas foram recebidas e 853 startups avançaram para serem avaliadas pelas grandes empresas. Pelo programa,as 100 melhores startups poderão se conectar pessoalmente com as grandes multinacionais globais participantes do movimento,tais como:3M,Johnson & Johnson,AES Brasil,Algar,Votorantim,CEMIG,Catho,Atlas Schindler,Natura,IBM,Accenture,Faber Castel,TIM,FGV-EAESP,SENAI,Novozymes,Abbott,Whirpool,Dow,ilegra,entre outras. ETAPA 1:REDEStartups se inscrevem on-line no programa propondo soluções para um dos 20 grandes desafios da sociedade,como educação e saúdeEtapa 2 - MERCADOStartups avaliadas em uma plataforma digital por executivos de grandes empresas. As mais bem avaliadas seguem para a etapa seguinteEtapa 3 - CAPITAISNo dia 1º de novembro,investidores e executivos de grandes empresas estarão em Curitiba para avaliar presencialmente as startups cadastradas pela Capital da Inovação.ETAPA 4:OPEN INNOVATION WEEK (fevereiro/2017)Empresas e startups fazem reuniões presencialmente (speed-dating) durante um evento promovido pelo Wenovate em São PauloETAPA 5:RANKING (fev/maio 2017)Quantidade de matchs entre startups e empresas e de contratos firmados dá origem ao ranking "100 open startups" NÚMEROS DO ANO PASSADO:# 30 avaliações foi a média recebida por cada startup participante do movimento em todo o processo# 75 grandes empresas se conectaram ao movimento# 25 fundos de investimento ou redes de investidores-anjo participam das avaliações # 53 contratos já foram firmados entre empresas e startups desde a conclusão do ciclo anterior# 30 startups captaram investimentos em até 2 meses após o fim do ciclo anterior# 692 parcerias estão em negociação POR QUE OPEN STARTUPS?Open Startups buscam,a partir da colaboração com instituições estabelecidas,articular para o seu desenvolvimento novos recursos não disponíveis no mundo do Venture Capital. São startups que trabalham no modelo de inovação aberta (open innovation).

GTI IT Solutions participa de programa de inovação nos Estados Unidos

O projeto APP - Apontamento de Chão de Fábrica,da GTI IT Solutions,foi selecionada para o programa de inovação LA IDEA ADVANCE MANUFACTURING. A iniciativa é do governo dos Estados Unidos,que fornece bolsas de estudo para empreendedores da América Latina,visando programas de treinamento em incubadoras e aceleradoras no país. O Sebrae foi convidado pela embaixada dos EUA a participar do Programa.A GTI contou com o apoio do Sebrae para ser uma das empresas selecionadas para o programa de manufatura e teve acesso às tecnologias de ponta,capital de risco e mentores. O projeto APP consiste em uma inovação de aplicativo móvel para as indústrias na automação do controle da manufatura.Durante o programa,foi apresentado o conceito de Indústria Maquiladora,que se aproveita de alguns acordos entre os governos americano e mexicano. Esses acordos estabelecem uma relação de isenção de impostos para troca temporária de produtos semiacabados e peças,o que,muitas vezes,reduz o custo efetivo do produto e o tempo de acesso ao cliente final. Assim,é possível quebrar o processo industrial em duas categorias ou etapas:1-Intensivas em mão de obra;2-Intensivas em consumo energético.As etapas intensivas em mão de obra ficam do lado do México e as etapas intensivas em consumo energético ficam do lado dos Estados unidos onde a energia elétrica,petróleo e derivados são mais baratos. Além de se aproveitar do melhor de 2 mundos,as Industrias Maquiladoras levam vantagem de localização em relação a indústrias do sudeste asiático.Júlio César Luppi Doebeli,Gerente de Projetos de Inovação da GTI,afirma que " a imersão em uma cultura industrial extremamente inovadora,permite trazer novas técnicas e procedimentos. As experiências internacionais são grandes oportunidades de ampliar conhecimentos,estabelecer novos contatos e proporcionar uma visão mais abrangente do mundo dos negócios internacionais". Júlio também salienta que observou uma grande diferença em relação aos incentivos governamentais para empreendedores,além das recompensas fiscais que estão diretamente ligadas ao número de empregos gerados."Outro destaque que pude observar é a eficiência na parceria existente entre universidades e o centro de indústrias. Esta parceria auxilia na instalação de novas empresas,além de facilitar o acesso a mão de obra qualificada,e dar suporte às pesquisas relacionadas ao segmento,completou Júlio César Luppi Doebeli.

Batalha de Aplicativos rende prêmio internacional de educação

Fundação Araucária investe,em 2015,R$ 78 milhões em ciência,tecnologia e inovação

A Fundação Araucária lançou no ano passado 21 chamadas públicas,resultando em um recurso de R$ 77,9 milhões. Destes editais,os resultados de 15 já foram publicados. Dentre as chamadas lançadas existem cinco referentes às bolsas das seguintes modalidades:sênior,técnico,de iniciação científica e de desenvolvimento tecnológico e inovação (Pibic/Pibit),de apoio à inclusão social (Pibis) e de Extensão Universitária (Pibex). ‘“A gestão da entidade é feita “a quatro mãos”,já que as linhas de atuação da Fundação são definidas a partir das demandas da comunidade universitária”,afirmou o presidente da Fundação Araucária,Paulo Brofman. Segundo ele,a evolução da pesquisa,da ciência,da tecnologia e da inovação deve ser considerada semente do crescimento social e econômico de uma nação,uma vez que o desenvolvimento de produtos e ideias com valor agregado contribui de forma importante para isto. “É esta linha de trabalho e pensamento que aplicamos também em 2015,ano em que a Fundação Araucária completa 15 anos”,disse. Cinco chamadas públicas ainda podem receber a submissão de propostas,quatro delas fazem parte da parceria entre a Fundação e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes),referentes à Bolsa de Mestrado,de Doutorado,à Capacitação Docente – nível Doutorado e a Estágio Pós-Doutoral no Exterior. O quinto edital aberto é relacionado à parceria entre a Renault do Brasil e a Fundação Araucária. Também foram lançados cinco outros editais relacionados à cooperação firmada com o Fundo Newton,que tem como objetivo financiar projetos de pesquisas conjuntas de curto prazo ou de pequenas escalas,a fim de estabelecer colaborações sustentáveis entre instituições do Reino Unido e pesquisadores brasileiros vinculados a instituições paranaenses. Também em 2015,a Fundação lançou a quarta edição da chamada pública relacionada à parceria com a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza,que tem como objetivo principal apoiar propostas que possam contribuir efetivamente para a conservação da natureza,priorizando a região da Floresta Ombrófila Mista (floresta com araucárias) e fitofisionomia associadas,além da região do Lagamar compreendida nos limites do litoral do Paraná. Dos outros quatro editais lançados,três são referentes aos Programas de Pró-equipamentos Estadual,de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico-Científicas e Institutos de Pesquisa e de Apoio Institucional para Organização e Realização do Encontro Anual de Iniciação Científica (EAIC-2015) e Organização e Participação do Encontro Anual de Iniciação Tecnológica e Inovação (Eaiti-2015). E um é relacionado à Capacitação em Taxonomia (Protax),parceria entre a FA e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Para mais informações relacionadas às chamadas públicas,acesse:www.fappr.pr.gov.br - Chamadas Públicas (CPs). CONSELHO SUPERIOR - Na última reunião de 2015 do Conselho Superior da Fundação Araucária foram apresentados os dados referentes a 2015 e o plano de trabalho para 2016. “Apesar das dificuldades,no ano de 2015 conseguimos lançar todos os editais programados e estamos em dia com nossos compromissos com a comunidade acadêmica do Paraná. Cerca de cinco mil bolsas foram ofertadas pela Fundação Araucária e Seti,que resultam em apoio financeiro beneficiando professores,técnicos,alunos da graduação e recém-formados. Esperamos um ano de 2016 ainda melhor”,ressaltou o secretário da Ciência,Tecnologia e Ensino Superior,João Carlos Gomes. Na reunião foi ressaltada também a questão da tríplice hélice,ou seja,a parceria entre o Governo,Academia e o Setor Produtivo do Paraná. “Mesmo em um momento de crise que estamos vivendo,os responsáveis pela gestão da Fundação Araucária estão fazendo um excelente trabalho,pois a instituição permanece no apoio e intermediação à parceria com o setor produtivo,setor que faz com que as pesquisas sejam encaminhadas e cumpram o verdadeiro papel da inovação”,disse o representante do setor empresarial dentro do Conselho Superior da Fundação,Rodrigo Martins. Fonte:Agëncia de Notícias do Paraná

Workshop do IEL traz metodologia alemã voltada para a inovação nas empresas

O Instituto Euvaldo Lodi (IEL) do Paraná,em parceria com a Escola de Negócios e Empreendedorismo Internacional (SIBE) da Universidade de Steinbeis,da Alemanha,promovem neste segundo semestre o “Workshop Liderança para Inovação” nas cidades de Curitiba (19 de agosto),Ponta Grossa (20 de agosto),Cascavel (23 de setembro),Maringá (20 de outubro) e Londrina (21 de outubro). A capacitação vai trazer para o Paraná a metodologia alemã “Innovation Framework”,criada pela SIBE no Brasil e que integra diferentes abordagens da área de inovação direcionada para os negócios,como Innovation Helix,Desing Thinking,Innovation Quality e Agile Management. Voltado para executivos de empresas e indústrias,o workshop mostrará o papel da liderança na gestão de inovações estratégicas e auxiliará no estabelecimento de uma cultura de inovação nas organizações. As lideranças também serão preparadas para identificar oportunidades futuras de inovação e desenvolver estratégias sustentáveis. As inscrições podem ser feitas no site www.faculdadedaindustriaiel.org.br. Funcionários de indústrias e de empresas associadas a sindicatos têm 10% de desconto. As vagas são limitadas. A metodologia é organizada em três etapas. Em um primeiro momento,estrutura o processo de gestão da inovação desde a exploração da visão estratégica da organização e do ambiente externo,passando pelo design e desenvolvimento de solução no ambiente de produção da empresa. O Innovation Framework define o papel de liderança como ponto central e forma de sustentação da inovação nas organizações. O modelo também defende que a inovação é muito mais inspiração e segurança,do que técnica e que pessoas inspiradas e apoiadas em suas decisões e criações são a base de todo o processo de inovação. O workshop tem duração de oito horas e será ministrado pelo consultor internacional e especialista em planejamento,gestão estratégica e gestão de negócios,Peter Dostler e pelo consultor e especialista nas áreas de gestão de projetos e desenvolvimento de lideranças,Fabio Zemmermann. A capacitação é resultado da parceria entre a Faculdade da Indústria IEL e a Universidade Steinbeis de Berlim,na Alemanha,firmada em 2014. “Nosso objetivo é trocar experiências e conhecimentos entre as duas instituições por meio da realização de cursos como esse e intercâmbios entre alunos do Brasil e da Alemanha. Já recebemos diversas turmas de alemães que vieram obter certificação em especialização do IEL e queremos encaminhar alunos daqui para realizar cursos no país”,destaca o gerente executivo do IEL no Paraná,Eduardo Vaz. Confira o cronograma das capacitações19 de agosto – Curitiba20 de agosto – Ponta Grossa23 de setembro – Cascavel20 de outubro – Maringá21 de outubro – Londrina

Curitiba IT e programa Valor Agregado vão divulgar Startups

O programa de tv Valor Agregado (CWB TV) e o blog Curitiba IT vão mostrar as Startups que estão transformando Curitiba em capital da inovação. Se você quer divulgar sua ideia em uma de nossas reportagens,entre em contato em imprensa@curitibait.com.br

A geração de riqueza e bem-estar social exige parcerias entre universidades e empresas

Por Filipe CassapoPara definitivamente mudarmos de rumo em direção a uma sociedade mais justa,e rica em oportunidades para todos,não podemos mais perder tempo na busca constante de novas razões para frear as parcerias entre universidades e empresasNos últimos 10 anos,o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil não tem conseguido sair da casa dos 0,7 pontos,com crescimento relativo de apenas 5% em uma década. Multiplicam-se os debates sobre a necessidade de aumentarmos a geração de riqueza,por meio da descomoditização da nossa pauta de exportação,mas nenhuma politica,nenhuma iniciativa focada e contínua,tem sido de fato implementada para transformar o discurso em prática. Ao contrário,parecemos estar constantemente à busca de qualquer exemplo contraprodutivo,para justificar a criação de novas regras que engessarão e frearão mais ainda a relação entre a Academia e o Setor Produtivo,reduzindo desta forma a nossa capacidade de transformar conhecimento em produtos,processos e serviços que,por sua vez,gerarão riqueza,renda e bem-estar,na medida da sua absorção pela sociedade.Todos sabem que,para gerar riqueza e crescimento social,não basta o Brasil representar 2,7% da produção científica mundial,não é suficiente gerar cerca de 53 mil artigos acadêmicos de alto impacto por ano. Essa capacidade de produção científica,não tão distante dos 64 mil artigos produzidos pela Coreia do Sul,não prescinde da necessidade definitiva de consolidar um diálogo produtivo,ético e de ganhos mútuos,entre as universidades e as empresas. A relação entre a Academia e o Setor Privado deve ser pautada pela Inovação,ou seja,pela transformação dos avanços científicos em ganhos econômicos,que necessariamente ocorrem na medida do crescimento competitivo do Setor Produtivo.Comprometer apenas 1,24% do Produto Interno Bruto Nacional em atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D),obviamente,não é suficiente para um país como o Brasil,ainda mais se relembramos que a fatia do protagonismo privado está em declínio nos últimos 10 anos,sendo atualmente de 43% do total investido. Nenhum país desenvolvido no mundo encontra-se em uma situação em que investimentos públicos em P&D,que são obviamente voltados à pesquisa universitária,superam investimentos privados,transformando tal pesquisa básica em aplicações voltadas à geração de negócios. Em nenhum país desenvolvido a proporção de pesquisadores inseridos em atividades empresariais é menor de que 50%,mas no Brasil,tal fatia tem regredido de 40,6% em 2000,para o índice muito preocupante de 25,9% em 2010.O que mais precisamos esperar para reagir com coragem e determinação? Que a nossa balança comercial seja tão deficitária,em função da importação de produtos de alta tecnologia,que não exista então mais nenhuma possibilidade de gerar e distribuir riqueza para todos,entrando em uma crise econômica e social que não possa ser revertida por muitos anos? Não existe mais tempo a perder,com novas razões de distanciar a Academia do Setor Produtivo. Necessitamos nutrir a cultura da parceria entre universidades e empresas,além de,juntos,acelerarmos e desburocratizarmos os instrumentos que permitam o desenvolvimento de projetos concretos entre o pesquisador e o empresário,para o benefício mútuo destas atividades humanas absolutamente necessárias e complementares,e para o benefício definitivo da sociedade paranaense e brasileira.Por Filipe Cassapo,gerente do Senai Centro Internacional de InovaçãoFonte: Agência Fiep

Universidade Positivo debate inovação

"Desenvolver ações que influenciam a cultura de inovação em qualquer empresa é um grande desafio e isso se deve à dificuldade que as organizações encontram para quebrar alguns paradigmas culturais". Com esse pensamento,Rafael Trevisan é reconhecido como um dos maiores especialistas em inovação do Paraná. Consultor responsável pelo eixo Gestão da Inovação do C2i - Centro Internacional de Inovação da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep),ele é o convidado para o próximo evento do projeto "Conexão Mercado",da Universidade Positivo,com o tema "Competitividade com Sustentabilidade".Segundo Trevisan,"é importante ter claro que inovar vai muito além de apenas ter novas ideias para o negócio. A inovação deve gerar valor tanto para a empresa quanto para a sociedade,ou seja,não se trata apenas de inovar para aumentar o poder econômico do sua empresa,mas também para resultar em valores sustentáveis e socioambientais". Dados do IBGE demonstram que o protagonismo privado nos investimentos em inovação no Brasil ainda é baixo:0,55% do PIB,contra 1,87% nos Estados Unidos e 2,45% na Coreia do Sul.O evento é gratuito,aberto ao público e acontece em duas datas:dia 14 de maio,às 19h,e 15 de maio,às 8h,no auditório 2 do Bloco Amarelo,no câmpus Ecoville da Universidade Positivo. Mais informações pelo telefone (41) 3317-3414.Serviço:Conexão Mercado - "Competitividade com Sustentabilidade",com Rafael TrevisanDatas:14 de maio,19h / 15 de maio,8hLocal:auditório 2 do Bloco Amarelo,no câmpus Ecoville da Universidade Positivo (Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza,5300)Entrada gratuitaInformações:(41) 3317-3414

Tecpar busca credenciamento para oferecer soluções tecnológias pela Lei da Informática

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) dá os primeiros passos para oficializar o credenciamento da instituição na Lei da Informática,a fim de se tornar um instituto de ciência e tecnologia (ICT) prestador de soluções tecnológicas com as vantagens da lei. A Lei da Informática permite que empresas tenham benefício fiscal ao investir em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) juntos às ICTs credenciadas.Para se credenciar como ICT dentro da Lei da Informática,a instituição precisa compor um conselho técnico-científico e ter reuniões periódicas para analisar projetos e discutir propostas no setor. No Tecpar,o Conselho Técnico-Científico de Sistemas e Computação foi criado no mês de março e a primeira reunião entre os membros foi realizada na última segunda-feira (6). Com o documento de criação e a ata da primeira reunião,o Tecpar já pode pedir o credenciamento à lei.A Lei de Informática reúne três leis,8.248/91,10.176/01 e 11.077/04,e concede incentivos fiscais para empresas do setor de tecnologia (áreas de hardware e automação,por exemplo),que tenham por prática investir em Pesquisa e Desenvolvimento. O benefício fiscal às empresas que procurem uma ICT para realizar investimentos em P&D em conjunto é a isenção ou redução do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI).O pesquisador na área de Sistemas Inteligentes do Tecpar Milton Ramos explica que mais do que se credenciar na lei,a criação do conselho vai beneficiar a instituição na discussão sobre tendências na área de Inteligência Artificial. “Queremos discutir as perspectivas de transformar pesquisas acadêmicas puras em inovação. O conselho se torna um fórum de debate de tendências na área de Inteligência Artificial”,explica.ConselhoO Conselho Técnico-Científico de Sistemas e Computação do Tecpar tem como membros,além de Ramos,o pesquisador do Tecpar também na área de Sistemas Inteligentes Julio Cezar Zanoni,o professor da Universidade Federal do Paraná e pesquisador do Institutos Lactec Alexandre Rasi Aoki,o professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Cesar Augusto Tacla e o professor Emerson Cabrera Paraiso,da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).Entre as atribuições do conselho está a orientação da equipe da área de Sistemas Inteligentes na discussão de eixos estratégicos de Pesquisa,Desenvolvimento e Inovação (P&D&I),a avaliação e o acompanhamento de projetos de P&D&I em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Sistemas de Computação,além da proposição de iniciativas de divulgação e incentivo à formação de pesquisadores em TIC,Sistemas e Computação no Tecpar.Fonte:Tecpar

Dinheiro para inovação:Juraci Barbosa Sobrinho,da Fomento Paraná,fala sobre parceria com Assespro

Veja entrevista com o presidente da Fomento Paraná. Ele fala sobre a parceria com a Assespro-Paraná para financiar projetos inovadores no estado. Juraci Barbosa Sobrinho diz que o setor de TIC pode ser solução para crescimento acima da média em tempos de crise.

Microsoft anuncia vencedores da etapa brasileira da Imagine Cup 2015

A Microsoft anunciou,em Curitiba,os projetos vencedores da etapa nacional da Imagine Cup 2015,Copa do Mundo de Tecnologia promovida anualmente pela empresa. Foram indicados os primeiros lugares em três categorias. O “Can Game” levou o prêmio no quesito Cidadania,enquanto “Clothes for Me” e “Trankies World” se destacaram como melhores projetos em Inovação e Games,nessa ordem.Os projetos vencedores da etapa nacional da competição vão agora disputar uma vaga para representar o Brasil na final mundial da Imagine Cup,que acontece em julho,em Seattle,cidade que abriga a sede da Microsoft nos Estados Unidos. O evento de premiação no Brasil aconteceu na PUC-Paraná,parceira da Microsoft,e contou com a participação dos 9 times finalistas. O banco Bradesco é patrocinador da fase nacional da Imagine Cup 2015 e já é parceiro do torneio há seis anos. A realização da etapa local da Imagine Cup também contou com apoio da Prefeitura de Curitiba e do Instituto Ressoar.Na categoria Cidadania,o Can Game,criado pela startup pernambucana Life Up,se destacou com a ideia de usar tecnologia para auxiliar o tratamento de crianças com autismo. Ele é um software multidisciplinar que estimula atividades e interações que podem apoiar pais no desenvolvimento de filhos autistas,além de permitir que profissionais de saúde acompanhem a evolução do paciente à distância.Já no quesito Inovação,a proposta do time eFitFashion,formado por estudantes da Universidade de São Paulo (USP),para simplificar o processo de confecção de roupas sob medida conquistou o primeiro lugar. O software Clothes for Me,criado pelo time,permite que o usuário gere automaticamente moldes com tamanhos exatos a partir de medidas inseridas no sistema,facilitando o trabalho que antes um alfaiate ou uma pequena confecção teriam para conseguir produzir uma peça personalizada.Com um jogo baseado na interação via Kinect,sensor de movimentos desenvolvido pela Microsoft,o time HTW levou o primeiro lugar na categoria games. O jogo Tranckies World se diferenciou ao eliminar o uso de controles e permitir o uso dos próprios movimentos dos dedos e braços para duelar nos diferentes cenários propostos pelo game de uma maneira mais fluída.A Imagine Cup busca promover inovações de estudantes do mundo inteiro. Somente na edição de 2015,mais de três mil projetos brasileiros foram inscritos na competição. Desde 2007,mais de 200 mil estudantes do país participaram da Imagine Cup.“A Imagine Cup é um importante celeiro de ideias disruptivas,que usam tecnologia para resolver questões fundamentais e também para nos entreter de novas maneiras. Por vários anos,temos visto projetos brasileiros se destacando na competição e queremos estimular cada vez mais estudantes para que mais ideias criativas se tornem realidade”,afirma Richard Chaves,diretor de inovação e novas tecnologias da Microsoft Brasil.Fonte:Microsoft Brasil

Minha Ideia Muda o Mundo entrega prêmios a vencedores

[caption id="attachment_3212" align="aligncenter" width="570" caption="Foto Digital Produções"][/caption]Nível de projetos inscritos indica avanço da inovação tecnológica no ambiente de negóciosOs jovens empreendedores Jefferson Jess,Dan Queirolo e George Christofis Neto,cujos cases venceram as três categorias do concurso Minha Ideia Muda o Mundo,lançado pelo Conselho de Jovens Empresários da Associação Comercial do Paraná (ACP),receberam os prêmios individuais de R$ 5 mil em evento realizado nesta terça-feira (7) na sede da entidade.O encontro foi encerrado com a palestra do empresário Gui Barthel,fundador do site Baixaqui e atualmente CEO do grupo NZN de conteúdos digitais,um dos mais importantes do país. Menções honrosas do Lactec e Agência Curitiba foram também atribuídas,respectivamente,aos empreendedores Thomas Von Buettner pelo projeto “Ampel Tecnology” no campo da inovação tecnológica e engenharia,e a André Marim,que inscreveu o projeto “Fleety” classificado como destaque na área de mobilidade urbana. Os cheques alusivos foram entregues aos ganhadores pelo presidente Antonio Espolador Neto e vice-presidente João Guilherme Duda,coordenador do CJE,com o patrocínio da Agência de Fomento Paraná,Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE) e Atrativaweb.Cases vencedoresO modelo adotado este ano para o concurso,cuja coordenação esteve a cargo do integrante do CJE,Bruno Ceschin,foi dividido em três categorias,a saber:Minha Ideia Muda a Minha Vida (negócios de alto potencial econômico),Minha Ideia Muda o Mundo (organizações de alto potencial social) e Minha Ideia Muda a ACP (negócios de alto potencial de interesse dos associados da entidade).Os cases vencedores das três categorias foram o “All Day Use” de Jefferson Jess,que recebeu o prêmio de 1º lugar em negócios de alto potencial;“Sou artista pro” de Dan Queirolo,em organizações de alto potencial social;e “Mercafacil.ME” de George Christofis Neto,na área de ideias para negócios de alto potencial de interesse para associados da própria Associação Comercial do Paraná.Com o segundo lugar nas categorias de negócios de alto potencial econômico e organizações de alto potencial social ficaram os projetos inscritos por Vitor Flores e Ivan Chagas Pedroso. O presidente Antonio Espolador Neto e o coordenador do CJE,João Guilherme Duda,agradeceram o grande número de inscritos no concurso,elogiando o alto nível dos cases vencedores. “Este é um indicativo seguro de que cresce entre os jovens empreendedores a busca de inovação tecnológica para o aprimoramento de seus negócios e também dos que pretendem abrir seu próprio empreendimento”,comentou o presidente.Experiência profissionalO convidado especial da noite foi o empresário curitibano Gui Barthel,fundador do site de downloads Baixaqui,que discorreu sobre sua experiência profissional e empresarial a partir de 1999,quando começou a atuar no mercado.A semente frutificou e hoje Barthel desempenha as funções de CEO do Grupo NZN e sócio proprietário da Oven Pizza,rede de pizzarias na qual o cliente tem a possibilidade de personalizar a receita de sua preferência. A rede está presente no Parkshopping Barigui e em breve abrirá unidades nos shoppings Curitiba,Estação e Palladium.Atualmente a NZN comporta 12 sites,sendo um dos quatro maiores grupos independentes de conteúdo digital no Brasil,o Tecmundo,detendo atualmente a 9ª maior audiência da internet no país.O evento do ACP/CJE teve a presença de Juraci Barbosa Sobrinho e Antonio Romildo Mileck (Agência Fomento Paraná),Sérgio Hekave (BRDE),Jovaldo Santos Junior (Atrativaweb) e Luiz Fernando Vianna,diretor presidente do Lactec,além de Ivo Petris,vice-presidente da ACP e convidados. Fonte:Associação Comercial do Paraná