Mercado Brasileiro de TI fatura US$ 61,6 bilhões em 2013

A Indústria Brasileira de TI está posicionada em 7º lugar no ranking mundial, com um investimento de US$ 61,6 bilhões, resultado 15,4% superior ao registrado em 2012, de acordo com o mais recente estudo realizado pela IDC (International Data Corporation), em parceria com a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES). Já se considerarmos somente os investimentos em Software e Serviços de TI, o investimento somou US$ 25,1 bilhões, representando um crescimento de 10,1% sobre o ano anterior.

“O crescimento de 15,4% dos investimentos em TI superaram as mais otimistas expectativas, impulsionado principalmente pelo crescimento da venda de novos dispositivos móveis (tablets e smartphones). Já a indústria de software e serviços cresceu 10,1%, impactada pela apreciação do Dólar frente ao Real”, destaca Jorge Sukarie, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES).

Ao considerar isoladamente o mercado de software, o faturamento atingiu no ano passado a marca de US$ 10,7 bilhões. Já o mercado de serviços registrou um montante na ordem de US$ 14,4 bilhões em 2013.

Dados Regionais do Mercado de Software e Serviços no Brasil

O estudo trouxe também a concentração regional dos investimentos do mercado de TI no país. Analisando apenas o segmento de software, a região sudeste do país reuniu o maior volume de recursos alocados para o setor em 2013, com 64,6% de participação. O Norte do país foi o que menos investiu no setor, com o percentual de 2,2% de participação; o Nordeste registrou 8,6%; o Sul 13,4% e Centro-Oeste 11,03%.

No segmento de serviços, o sudeste do Brasil foi também a região com o maior volume de investimentos com participação de 63,1%, seguido da região Centro-Oeste (13,7%), Sul (12,4%), Nordeste (8,5%) e Norte (2,1%).

Perfil das empresas da Indústria de Software e Serviços no Brasil

De acordo com a pesquisa, o mercado brasileiro de software e serviço é liderado por micro e pequenas empresas, com participação de 43,9% e 49,6%, respectivamente. Os negócios de médio porte tem representação de 5,2% e as grandes apenas 1,3%.

Software por segmentação

Em 2013, o segmento de aplicativos manteve a liderança com participação de 43,5% dos softwares desenvolvidos. Ambientes de desenvolvimento representaram 31,5%, infraestrutura 23,1% e software para exportação 1,9%.

“O alto índice do segmento de aplicativos está atrelado à Terceira Plataforma que prevê a multiplicação da disponibilidade de aplicativos para atender ao crescimento de dispositivos móveis no país. Esses novos dispositivos são consumidores vorazes de aplicativos, o que abre uma grande oportunidade aos desenvolvedores de software”, comenta Sukarie.

Principal comprador de Software e Serviços

Em relação à aquisição de software por setores da economia, o segmento de Finanças foi o principal comprador com 26,3% de participação. “É um setor que para atender a sua regulamentação e oferecer serviços automatizados a seus clientes, aposta cada vez mais em automação e mobilidade. Por isso, é quem mais demanda o uso da tecnologia”, pontua Jorge Sukarie. O segundo setor que mais adquiriu software em 2013 foi Telecom, com 24,4%, e na sequência a Indústria, 20,2%.

Resultado do Mercado de TI

Segundo o estudo da IDC, o mercado de TI no Brasil, incluindo hardware, software e serviços, cresceu 15,4%, superando a expectativa de 14,5%, indicada no ano passado. Em 2013, foram investidos, mundialmente, US$ 2,05 trilhões em TI. No ranking mundial, o Brasil se manteve na 7ª posição, com investimentos na ordem de US$ 61,6 bilhões. Os Estados Unidos manteve a liderança com 659 bilhões de dólares investidos. Comparando apenas os investimentos entre os países da América Latina, o Brasil foi o que mais investiu no mercado de TI, representando 47,4% de todo o investimento em TI da região.

Novas tendências para o Mercado de TI

Jorge Sukarie destaca que as tendências do mercado de TI apontam que em 2014, a tecnologia de cloud compunting deve movimentar US$ 560 milhões e os investimentos em Big Data devem alcançar neste ano a marca de US$ 394 milhões, com a atenção à capacitação.

Segundo o estudo, 40% das empresas vão apostar em 2014 em dispositivos pessoais, os denominados BYOD (sigla em inglês para bring your own device), como estratégia integral de mobilidade.

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.