Brasil sobe em ranking mundial de serviços de TI e Curitiba ganha destaque em avaliação da consultoria A.T. Kearney

O Brasil subiu da décima segunda para a oitava posição no ranking do Global Services Location Index divulgado pela A.T. Kearney. O estudo aponta os melhores locais para contratação de serviços de tecnologia da informação. E Curitiba foi apontada como um dos principais destaques dentro do mercado brasileiro.

De acordo com o estudo da consultoria, a cadeia de valor para os serviços de negócios de back-office evoluiu dramaticamente ao longo das últimas duas décadas . Avanços contínuos nas tecnologias de comunicações e infraestrutura estão permitindo às empresas obter acesso a reservas de talento em locais ao redor do mundo que antes eram inacessíveis. Da mesma forma , o offshoring foi revolucionário para muitos países, dando-lhes um trampolim para a economia global enquanto a distância deixa de ser muito importante.

O ímpeto por trás dessa tendência tem sido a arbitragem de custos . Ao olharmos para trás , podemos ver três ondas de arbitragem que , apesar de terem surgido na seqüência , hoje estão todos agindo em conjunto:

– o offshoring , que consiste em localizar recursos em países de baixo custo , utilizando centros de propriedade e operado pelo offshorer;

– a terceirização , em que as operações de back-office são realizadas por terceiros especializados sob condições contratuais acordadas , o que torna a geografia relativamente indiferente à empresa contratar os serviços;

– a automação, uma onda que ainda está crescendo , em que os robôs são programados para executar tarefas de rotina muito menos dispendiosa do que trabalho de baixo custo.

Este documento inclui uma visão geral dos resultados de 2014 da AT Kearney Global Services Location Index ™ ( GSLI ), que busca trazer rigor para as decisões das empresas sobre onde localizar operações offshore . Ele também discute a segunda e terceira ondas de arbitragem , terceirização e automação examinando suas características definidoras , as novas tendências e implicações para executivos e líderes políticos.

Veja o ranking geral em http://www.atkearney.com/research-studies/global-services-location-index

Gostou? Quer compartilhar?

Engemovi desenvolve robô com tecnologia inovadora de nível mundial

Uma tecnologia inovadora desenvolvida em Curitiba está de partida para a última etapa de desenvolvimento antes de ser formatado o seu primeiro protótipo. O Hexaflex, robô que viabiliza técnicas de soldagem por atrito, foi criado e patenteado pela EngeMOVI, empresa incubada na Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec). Após sete anos de desenvolvimento e aportes financeiros e econômicos de R$ 2,5 milhões, o projeto está na sua reta final e vai em breve para Uberlândia (MG), onde passa por uma etapa de aprimoramento até se tornar um protótipo pronto para ir ao mercado.

O Hexaflex é resultado da soma de empreendedorismo, ambiente tecnológico e apoio acadêmico. Os sócios Gustavo Emmendoerfer, Walter Antonio Kapp e Ricardo Artigas Langer sempre estiveram ligados à área de automação industrial e viram na tecnologia de soldagem por atrito um filão a ser explorado. Inscreveram-se na incubadora do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), foram aprovados e então patentearam o projeto do Hexaflex, mecanismo inovador a nível mundial. Hoje com dez funcionários, a EngeMOVI já desenvolveu 40 projetos na área de automação e robótica, vários deles com inovação a nível mundial. Quatro patentes de invenção já foram registrados pela empresa.

Para ver a ideia sair da tela do computador e ganhar forma, os empreendedores inscreveram seu projeto em uma linha de desenvolvimento da Petrobras e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), que investiram R$ 1 milhão cada. O projeto contou ainda com o apoio tecnológico de três universidades brasileiras: Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade Federal de Uberlândia (UFU), cada uma testando e ajudando no desenvolvimento em alguma parte do equipamento. “Como o produto é muito inovador, precisávamos de um protótipo para validar o conceito. O diferencial dele está na capacidade de gerar força e na sua versatilidade. Com tecnologia nacional, ele pode ser usado em um trilho longo e recuperar o casco de uma plataforma de petróleo ou ainda na construção de aeronaves, por exemplo. Por contar com um scanner laser 3D, ele consegue mapear a superfície de trabalho e auxiliar o operador no processo sendo executado”, conta Artigas.

A última etapa do desenvolvimento do protótipo vai acontecer em Uberlândia, para onde o robô será enviado em agosto. Lá, vai passar por uma integração de processos, momento em que será instalado o cabeçote que realiza a soldagem por atrito. Depois de seis meses de testes, o protótipo estará pronto para ser apresentado ao mercado, em especial à indústria naval, de óleo e gás, e para a fabricação de material composto, como na indústria aeronáutica e eólica.

Os empreendedores explicam que o suporte da incubadora foi fundamental para ajudá-los a dar o pontapé inicial na empresa, bem como no desenvolvimento de seus projetos. “Tivemos custos reduzidos no início do empreendimento e ainda contamos com apoio de infraestrutura, como o laboratório de prototipagem rápida em 3D, que nos permitiu a fabricação de alguns componentes do produto”, explica Artigas.

Para o gerente da Intec, Gilberto Passos Lima, a integração entre incubadora, centro de pesquisas, empreendedores e academia deu resultado. “A Intec ajudou no desenvolvimento do negócio da empresa, para que ela se consolide agora como uma desenvolvedora de robôs no país. Uma empresa como a EngeMOVI contribui para a inovação regional e nacional. Eles desenvolvem projetos grandiosos”, ressalta Lima.

Fonte: Tecpar

Gostou? Quer compartilhar?