Óculos de Realidade Virtual e Maxpad são atrações do stand da A.Yoishii no Park Shopping Barigui

A.Yoshii Engenharia inaugurou um stand no Park Shopping Barigui. O espaço, que vai permanecer no Shopping até o dia 12 de novembro, tem 30 m² e fica localizado no piso térreo.

O objetivo da ação é promover a marca e divulgar o segundo empreendimento da construtora em Curitiba: o Maison Legend Ecoville. A torre de 38 pavimentos tem entrega agendada para Maio/2021 e fica localizada na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, no bairro Ecoville – a poucos metros do shopping. Os apartamentos contam com 272 m² de área privativa, opções de três ou quatro quartos, varanda gourmet integrada à sala de jantar e living, aliando modernidade à tradicional sofisticação dos projetos da construtora paranaense.

E, para que o público possa conhecer cada cantinho do futuro lar, além da tradicional maquete, o espaço conta com uma Maxpad e com os óculos de Realidade Virtual (RV). “Todas as ferramentas disponibilizadas pela A.Yoshii acompanham as inovações tecnológicas e proporcionam aos clientes a melhor experiência possível, impactando-os positivamente desde o início. Eles precisam se sentir em casa”, explica a analista de Marketing da construtora, Fernanda Zambroti. Além disso, no stand é possível fazer o tour virtual 360º nos empreendimentos da A.Yoshii, localizado no Batel.

O atendimento é realizado das 11 às 23h, de segunda a sexta, das 10 às 22h, no sábado, e das 14 às 20h, aos domingos.

Gostou? Quer compartilhar?

Com sistema de mobilidade, R. Franco Engenharia ganha eficiência, produtividade e controle integrado de informações

Uma das principais construtoras do Paraná, a R. Franco Engenharia completa duas décadas de atuação em 2017 e investe em melhorias para otimização dos processos internos. Especializada em construção e reformas de obras industriais e comerciais, a empresa adotou o Mobuss Construção, sistema de mobilidade para o segmento, desenvolvido pela Teclógica.

Com acesso via dispositivo móvel, a solução permite o registro das atividades no próprio canteiro, sem a necessidade com conexão web. Cinco dos oito módulos disponíveis no sistema estão em uso na R. Franco: Apontamento, Qualidade, Segurança, Documentos e Registros. Segundo Sandro Andrey Ramos da Silva, coordenador de planejamento e suprimentos da companhia, as vantagens do investimento, que representa menos de 1% do custo total da obra, já são visíveis. “O Mobuss Construção nos possibilitou um controle mais efetivo, e reduziu a zero o uso de papel nas obras. Ganhamos ainda na organização dos dados e na consequente padronização dos processos para um controle eficaz. Tudo isso resultou na qualidade do produto final, que pode ser entregue com redução de tempo na execução de algumas tarefas”, diz.

O gestor explica que através do módulo de Apontamento, a R. Franco passou a identificar serviços, etapas ou composições que não foram consideradas inicialmente para o projeto. “O registro e evidenciação das horas gastas em atividades não previstas foi um ponto bastante útil. Desta forma foi possível trabalhar com planos de ações em cada obra a fim de minimizar este tempo perdido”, avalia. Outro ponto destacado pela empresa foi a possibilidade de transmissão instantânea de dados e relatórios colhidos em campo para a central.

Já na área de qualidade, Sandro pontua que o acompanhamento de inspeções e seus resultados passaram a ser seguidos pela central. “Assim há a possibilidade de gerenciamento de não conformidades detectadas durante o projeto. A gestão a distância que o Mobuss Construção trouxe foi um ponto crucial, já que nossas obras se encontram em regiões e cidades diversas”, comenta.

Mais controle para a segurança das equipes

Gestão de EPI’s, treinamentos dos profissionais e relatórios das atividades passaram a ser realizadas via tablet, com o módulo de Segurança do Mobuss Construção. Agora, a R. Franco conta com controle de validade destes documentos e pode acessá-los rapidamente. “Assim, estamos mais atentos às validades, emitimos relatórios facilmente e a documentação trabalhista totalmente controlada nos permite, por exemplo, realizar a transferência de um colaborador para outra obra. Isso auxilia também na questão de custos e agilidade na execução de tarefas, já que um profissional precisa estar devidamente legalizado para poder executar suas funções e entregar o trabalho necessário”, explica o coordenador da construtora.

Por fim, Sandro conta que a gestão dos documentos e dos registros relacionados às obras da R. Franco passou por uma redução de falhas em relação ao arquivamento. “O sistema utilizado anteriormente neste processo tinha baixo grau de confiabilidade e com os módulos de Documentos e de Registros do Mobuss Construção conseguimos padronizar os processos e reduzir o tempo das operações. Hoje contamos com um local centralizado para a busca e atualização de documentos, maior controle sobre revisões em andamento, redução de circulação e cópias obsoletas. Tudo isso resulta em maior agilidade na rotina da empresa”, finaliza.

Atualmente, 90% dos documentos das obras da R. Franco já são controlados através do Mobuss Construção. A construtora conta com as certificações ISO 9.001, ISO 14.001 e OHSAS 18.001 e foi responsável pela execução de projetos de grandes empresas em diferentes locais do país, como Petrobrás, Vale, Walmart, O Boticário e Votorantim.

Gostou? Quer compartilhar?

Tecnologia de elevadores ao alcance dos pequenos construtores

Segundo dados do Sinduscon-PR, obtidos a partir do banco de dados da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), de janeiro até maio deste ano 84 unidades de quatro pavimentos ou mais foram lançadas em Curitiba. São 98 a menos quando comparado ao mesmo intervalo de tempo em 2015. Os dados comprovam que, com o boom imobiliário, os pequenos e médios empreendimentos diminuíram devido à chegada do conceito dos grandes condomínios clube.

Porém, na visão do presidente da AsBEA-PR (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Paraná), Keiro Yamawaki, edificações menores tendem a voltar com força devido aos reajustes de mercado e redução dos lançamentos de grande porte. Alguns quesitos facilitam a inserção deste nicho no mercado, entre eles terrenos bem localizados que, por serem considerados pequenos, possibilitam a construção apenas de empreendimentos de médio e pequeno porte, porém muito bem projetados.

Visto que a construção civil é um dos principais segmentos a sentir o peso da retração da economia, Yamawaki acredita que, considerando a visão de um pequeno construtor, a saída está mais na união em grupos de pequenos e médios investidores para fazer empreendimentos de porte médio, do que em investidores individuais construindo pequenos empreendimentos. “Investir em construção de imóveis sempre é bom, porém tem que se planejar muito bem, contratando profissionais arquitetos e, em seguida, engenheiros para não errar em um grande investimento ‘furado’. Um imóvel mal construído, mal projetado, vai ficar para sempre lá, parado e desvalorizado”, alerta.

Para que os imóveis não sofram essa desvalorização, um dos pontos positivos do empreendimento e que agregam valor são os elevadores. Tão importantes, caracterizam-se como uma das soluções práticas e modernas de acessibilidade. E para os pequenos construtores, o equipamento se prova contrário ao senso comum de que este é um investimento caro e fora de cogitação na obra.

O presidente da AsBEA-PR lembra que, quando bem instalado, o elevador valoriza qualquer imóvel. Opinião semelhante é compartilhada pelo arquiteto Mauro Grande, que afirma que a presença de elevadores, para qualquer tipologia de empreendimentos, agrega muito valor comercial. “O transporte vertical bem resolvido é um item imprescindível para se conseguir um melhor resultado nas vendas, pois garante a comodidade e a segurança ao comprador e usuário do imóvel”, explica Grande.

No desenvolvimento de um projeto arquitetônico, o arquiteto espera do fornecedor de elevador que ele possa atender tanto na flexibilidade de dimensões, quanto nos padrões de acabamento. Para ele, a fidelização a um bom fornecedor está em se ter um bom canal de informações, o apoio durante a confecção do projeto e uma variedade de opções de acabamentos e de tecnologias aplicadas ao produto, oferecendo conforto e segurança ao usuário.

Atendendo às exigências de mercado, a Daiken Elevadores oferece a este nicho o elevador de passageiros EH01, focado principalmente nas construtoras de médio e pequeno porte. Com tecnologia própria, desenvolvimento e fabricação nacionais, é o melhor custo-benefício atual do mercado, pois leva menos tempo para a instalação, tem baixo custo de manutenção e o menor prazo de entrega, quando comparado aos outros fabricantes.

Indicado para edifícios com médio tráfego de pessoas, o diretor comercial da marca Daiken Elevadores, Fabrício Serbake, explica que um dos diferenciais do produto está no acionamento hidráulico. “Com esta tecnologia empregada, nosso elevador de passageiros reduz custos, principalmente com relação aos gastos com energia elétrica. Nosso elevador hidráulico usa energia, praticamente, só para a subida do elevador. Nas descidas, o gasto é mínimo, pois a movimentação se dá pela ação da gravidade”, finaliza.

Gostou? Quer compartilhar?