Óculos de Realidade Virtual e Maxpad são atrações do stand da A.Yoishii no Park Shopping Barigui

A.Yoshii Engenharia inaugurou um stand no Park Shopping Barigui. O espaço, que vai permanecer no Shopping até o dia 12 de novembro, tem 30 m² e fica localizado no piso térreo.

O objetivo da ação é promover a marca e divulgar o segundo empreendimento da construtora em Curitiba: o Maison Legend Ecoville. A torre de 38 pavimentos tem entrega agendada para Maio/2021 e fica localizada na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, no bairro Ecoville – a poucos metros do shopping. Os apartamentos contam com 272 m² de área privativa, opções de três ou quatro quartos, varanda gourmet integrada à sala de jantar e living, aliando modernidade à tradicional sofisticação dos projetos da construtora paranaense.

E, para que o público possa conhecer cada cantinho do futuro lar, além da tradicional maquete, o espaço conta com uma Maxpad e com os óculos de Realidade Virtual (RV). “Todas as ferramentas disponibilizadas pela A.Yoshii acompanham as inovações tecnológicas e proporcionam aos clientes a melhor experiência possível, impactando-os positivamente desde o início. Eles precisam se sentir em casa”, explica a analista de Marketing da construtora, Fernanda Zambroti. Além disso, no stand é possível fazer o tour virtual 360º nos empreendimentos da A.Yoshii, localizado no Batel.

O atendimento é realizado das 11 às 23h, de segunda a sexta, das 10 às 22h, no sábado, e das 14 às 20h, aos domingos.

Gostou? Quer compartilhar?

Fintech oferece crédito com imóvel de garantia com menor taxa do mercado e processo mais ágil

A BCredi , fintech do Conglomerado Financeiro Barigui focada em descomplicar a oferta de crédito, oferecendo juros mais baixos, maior prazo de pagamento e rápida aprovação, lança uma nova taxa de juros a partir desse mês de agosto. Fornecendo crédito com imóvel em garantia em um processo 100% online, a empresa, que antes contava com juros a partir de 1,22%, reduziu a taxa para apenas 1,15% a.m. + IPCA, a menor do mercado.

Outros players do setor, além de oferecerem taxas maiores, de até 2,20% a.m., também contam com uma operação mais lenta, que pode chegar a 8 semanas para liberar o empréstimo. “Nós, que já temos o processo mais ágil do mercado, agora também vamos oferecer a menor taxa com essa redução. Isso é possível porque somos uma das únicas empresas que tem funding vindo do próprio grupo, facilitando o processo que está todo dentro de casa”, comenta a co-founder da BCredi, Maria Teresa Fornea.

Em comparativo do crédito oferecido pela startup com outras modalidades, como o empréstimo pessoal de bancos, o cheque especial e o cartão de crédito, as pessoas que optam pelos serviços da BCredi garantem uma economia de até 96.485,90 reais por mês para um empréstimo de 750 mil reais, por exemplo. A vantagem se dá justamente pela baixa taxa de juros da fintech, ficando a parcela mensal em torno de 10.839,10 reais, enquanto o empréstimo pessoal pelo banco custaria 33.388,18 reais/mês. Já o cheque especial sairia em torno de 92.250,00 reais/mês e o cartão de crédito em cerca de 107.325,00 reais/mês.

O Conglomerado Financeiro Barigui conta mais 20 anos de experiência no setor de crédito e a BCredi, fintech do grupo, foi lançada para modernizar e popularizar o empréstimo trazendo mais esse benefício com a redução de taxas para os mais de 5 mil clientes cadastrados em sua plataforma. Além da expertise no mercado de crédito imobiliário, a BCredi ainda conta com uma operação rápida e prática. “Nós desenvolvemos um sistema para que a aprovação dos processos seja feita em até 10 dias”, cita Maria Teresa.

As condições dessa nova taxa são voltadas para apartamentos deixados como garantia para o produto CGI e os empréstimos são a partir de 50 mil até 1,5 milhão de reais e até 15 anos de prazo. A modalidade de crédito com imóvel de garantia é ideal para profissionais liberais, pequenos empreendedores e assalariados em geral, proprietários de casa ou apartamento, interessados em troca de dívidas, investimentos ou mesmo aporte para reforma e construção. Para quem deseja comprar um novo imóvel, mas não tem uma forma fácil de comprovar renda, a BCredi também oferece o tradicional financiamento imobiliário, com maior flexibilidade na análise de crédito.

Interessados só precisam acessar o site www.bcredi.com.br – onde encontram comparadores da garantia de imóvel com outros tipos de crédito -, e fazer passo a passo a contratação online. Depois disso, a fintech se encarrega de toda a etapa documental, como um despachante, e disponibiliza consultores para atender eventuais dúvidas. “Temos os mais diferentes casos de sucesso de clientes que buscaram crédito com mais rapidez e taxas bastante atraentes para investir no próprio negócio, montar uma franquia ou liquidar dívidas”, finaliza a executiva da BCredi.

Gostou? Quer compartilhar?

Veja os cuidados que você precisa ter ao investir em um imóvel

Foi liberado em julho o segundo lote de restituição do imposto de renda pela receita federal e no final do mês chegará o prazo final para saque de saldo de FGTS de contas inativas. Com o dinheiro em mãos, há aqueles que planejam utilizar os valores recebidos para complementar suas economias e investir na aquisição de um imóvel. Entretanto, segundo a advogada Kátia Antunes, especialista em direito imobiliário, esse tipo de ação deve ser bem planejada, para evitar que o investimento se torne um prejuízo. “Chamamos a atenção em especial às mudanças que estão sendo discutidas no caso de desistência na compra de imóveis na planta, os chamados “distratos”, conta.

Atualmente, a justiça garante aos consumidores a devolução de 80% a 90% do valor pago, reconhecendo abusiva e ilegal a retenção de valores superiores. Porém, o crescente número de distratos trouxe a questão para o holofote das discussões entre consumidores e incorporadoras e há sinalização de que mudanças serão implementadas a curto prazo. De acordo com Kátia, a crise que assolou o país nos últimos anos gerou muito desemprego e insegurança, o que causou significativa queda nas vendas de imóveis e aumento dos distratos.

Segundo ABRAINC, em 2016 os distratos representaram 43% das vendas realizadas no ano. Conforme estudo realizado pela Economatica, enquanto as 17 incorporadoras de capital aberto tiveram lucro acumulado de R$ 74 milhões em 2015, em 2016 somam prejuízo superior a R$ 480 milhões (uma variação de mais de R$ 500 milhões em um ano).

Se por um lado, os consumidores querem ver seu direito de arrependimento garantido, com a devolução significativa dos valores pagos em caso de rescisão, por outro lado, argumentam as incorporadoras que o dinheiro pago pelos consumidores na aquisição de um imóvel é empregado no próprio empreendimento, que possui ciclo longo de retorno. Assim, um volume excessivo de distratos pode gerar a falta de recursos para conclusão da obra, o que afetaria todos os demais consumidores envolvidos.

Nessa queda de braço entre consumidores e incorporadoras, está em negociação a regulamentação dos distratos, que busca um equilíbrio entre as propostas. Dentre as mudanças mais relevantes, estão as seguintes:

IMÓVEIS RESIDENCIAIS ATÉ R$ 235 MIL

A construtora poderá reter 20% do valor pago, limitado a 5% do preço do imóvel, e não haverá devolução dos custos de corretagem.

IMÓVEIS RESIDENCIAIS ACIMA DE R$ 235 MIL

A construtora poderá reter 50% do valor pago, limitado a 10% do preço do imóvel, , e não haverá devolução dos custos de corretagem.

IMÓVEIS COMERCIAIS

A construtora retém até 12% do valor pago, independente do preço do imóvel, e não haverá devolução dos custos de corretagem.

DIREITO DE ARREPENDIMENTO

O consumidor poderá desistir da aquisição em até 7 dias após a aquisição feita em plantões de venda.

CARÊNCIA DE OBRA

O prazo para conclusão da obra será o previsto em contrato, não cabendo mais o prazo de carência em favor da incorporadora.

“A definição dessas questões sensíveis não atende integralmente aos pleitos nem de consumidores e nem das incorporadoras, mas certamente será benéfica a todos na medida em que trará maior transparência, segurança jurídica e sustentabilidade ao mercado habitacional a médio e longo prazos”, conclui a advogada.

Gostou? Quer compartilhar?

Reaquecimento do mercado imobiliário sinaliza aceleração da economia

Os quatro primeiros meses de 2017 foram marcados pelo aumento do otimismo de empresários e pela retomada de vendas no comércio. Mesmo que sejam sinais tímidos, já é uma demonstração de que a economia está voltando ao rumo do crescimento. O Bank of America Merril Lynch apontou, agora em maio, que o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro do primeiro trimestre deve ter alta de 1,3%. Outras instituições financeiras brasileiras estão de acordo e sinalizam o mesmo cenário positivo.

O mercado imobiliário também dá sinais de reaquecimento. Segundo a ABAC (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios), o primeiro trimestre de 2017 apresentou alta de 12% nas vendas de novas cotas de consórcio de imóveis, enquanto o volume de créditos comercializados subiu 30%.

A Ademilar Consórcio de Investimento Imobiliário, uma das principais administradoras do segmento, registrou crescimento similar. Nos primeiros quatro meses de 2017, a empresa aumentou em 19,95% os créditos comercializados, em comparação ao mesmo período do ano anterior. No Paraná e em Santa Catarina, onde a Ademilar está consolidada, a alta foi de 14%, e em São Paulo, o índice da empresa foi de 68%, principalmente devido à expansão da rede de atendimento.

Para a diretora-superintendente da Ademilar, Tatiana Schuchovsky Reichmann, o momento reflete a busca do consumidor por planejamento e educação financeira. “Estamos há 25 anos no mercado e o crescimento da procura por consórcio imobiliário é um reflexo claro do comportamento dos brasileiros em relação às finanças. Com um cenário econômico não tão seguro, foi preciso reforçar o planejamento financeiro e estudar as melhores opções para adquirir bens, especialmente imóveis. E, diante dessa análise, o consórcio se sobressai como uma opção inteligente de investimento”, analisa.

Gostou? Quer compartilhar?